Pre­fei­tu­ra abre li­ci­ta­ção pa­ra o ater­ro sa­ni­tá­rio

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Pla­no­de­re­sí­du­os­só­li­dos

Sem ater­ro pró­prio – em es­tu­do no Pla­no Mu­ni­ci­pal de Ges­tão In­te­gra­da de Re­sí­du­os Só­li­dos de Ma­rin­gá (PMGIRSU) –, a Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá abriu con­cor­rên­cia pú­bli­ca pa­ra a con­tra­ta­ção de em­pre­sa es­pe­ci­a­li­za­da em ater­ro sa­ni­tá­rio. O edi­tal cons­ta do Por­tal da Trans­pa­rên­cia do mu­ni­cí­pio.

O edi­tal pre­vê con­tra­to de 12 me­ses, ao cus­to má­xi­mo de R$ 10,26 mi­lhões. Até o fe­cha­men­to des­ta edi­ção, o ar­qui­vo com de­ta­lhes do pro­ces­so li­ci­ta­tó­rio não es­ta­va dis­po­ní­vel na Trans­pa­rên­cia. Con­tu­do, as in­for­ma­ções fo­ram con­fir­ma­das a O Diá­ri­o­pe­lo­se­cre­tá­ri­o­deMei­oAm­bi­en­te, Jai­me Dal­lag­nol.

Co­mo há pou­cas áre­as li­cen­ci­a­das pa­ra re­ce­ber li­xo do­mi­ci­li­ar e co­mer­ci­al, a ten­dên­cia é que as cer­ca de 300 to­ne­la­das de li­xo/dia ge­ra­das pe­los ma­rin­ga­en­ses con­ti­nu­em ten­do a Pe­drei- ra In­gá co­mo des­ti­no. A área par­ti­cu­lar é usa­da des­de ja­nei­ro de 2010,quan­do­o­an­ti­go­a­ter­ro­mu­ni­ci­pal foi apo­sen­ta­do.

“Te­mos de ima­gi­nar o cus­to ope­ra­ci­o­nal de des­lo­car o li­xo pa­ra mais lon­ge. Exis­te um ou­tro ater­ro em Sa­ran­di, mas as in­for­ma­ções que te­mos é de que ele não tem ca­pa­ci­da­de pa­ra re­ce­ber o vo­lu­me de li­xo de Ma­rin­gá”,co­men­taDal­lag­nol.

Con­tem­pla­da no PMGIRSU, a li­ci­ta­ção pa­ra a des­ti­na­ção dos re­sí­du­os só­li­dos é ne­ces­sá­ria en­quan­to o mo­ro­so pro­ces­so de de­fi­ni­ção da área do no­vo ater­ro sa­ni­tá­rio (a li­cen­ça am­bi­en­tal cos­tu­ma le­var mais de dois anos) não sai do pa­pel.

“O ca­mi­nho de ter um ater­ro pró­prio é im­por­tan­te por con­ta dos va­lo­res (eco­no­mia), mas se vo­cê não tem um ater­ro mu­ni­ci­pal há de se en­con­trar uma so­lu­ção ad­mi­nis­tra­ti­va, que nes­te ca­so é o pro­ces­so li­ci­ta­tó­rio”, ex­pli­ca o am­bi­en­ta­lis­ta Jor­ge Vil­la­lo­bos, que in­te­grou a Co­mis­são deE­la­bo­ra­ção­doPMGIRSU.

A li­ci­ta­ção do ater­ro era eta­pa pen­den­te pa­ra a re­to­ma­da da co­le­ta do li­xo pe­lo mu­ni­cí­pio, em 1º de agos­to. An­te­ri­or­men­te, ou­tra eta­pa ha­via si­do su­pe­ra­da: a com­pra de 15 no­vos ca­mi­nhões com­pac­ta­do­res de li­xo por meio de pre­gão ele­trô­ni­co. Os equi­pa­men­tos cus­ta­ram R$ 3,667 mi­lhões, ou 81,5% do cus­to má­xi­mo pre­vis­to em edi­tal.

Se­gun­do o pre­fei­to de Ma­rin­gá, Ulis­ses Maia (PDT), a re­a­li­za­ção da co­le­ta (ho­je ter­cei­ri­za­da) pe­los ser­vi­do­res mu­ni­ci­pais re­sul­ta­rá em eco­no­mia anu­al de R$ 14 mi­lhões. O va­lor não in­clui a des­ti­na­ção fi­nal. A apro­va­ção do PMGIRSU – que in­clui o pla­ne­ja­men­to pú­bli­co das ações de ge­ren­ci­a­men­to de co­le­ta e des­ti­na­ção fi­nal do li­xo – tam­bém es­tá pre­vis­ta pa­ra ocor­rer até 1º de agos­to.

On­tem, as co­mis­sões de ela­bo­ra­ção e de fis­ca­li­za­ção do pla­no ti­ve­ram uma úl­ti­ma reu­nião an­tes do en­ca­mi­nha­men­to das pro­pos­tas pa­ra aná­li­se da Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral do Mu­ni­cí­pio (Pro­ge). “De­mos to­tal publicidade pa­ra o tra­ba­lho de ela­bo­ra­ção do pla­no, des­de a for­ma­ção das co­mis­sões, ela­bo­ra­ção do do­cu­men­to, ou­vin­do os ques­ti­o­na­men­tos das en­ti­da­des”, ex­pli­ca Ulis­ses.

Nas reu­niões de on­tem e se­gun­da-fei­ra, fo­ram in­cor­po­ra­das ao tex­to da co­mis­são de ela­bo­ra­ção as pro­pos­tas das seis en­ti­da­des re­pre­sen­ta­das na co­mis­são de fis­ca­li­za­ção. En­tre as su­ges­tões es­ta­va a não in­clu­são no PMGIRSU da uti­li­za­ção da Pe­drei­ra Mu­ni­ci­pal co­mo op­ção pa­ra o no­vo ater­ro mu­ni­ci­pal. “As co­mis­sões tra­ba­lha­ram de for­ma harmô­ni­ca pa­ra cons­truir o me­lhor pla­no de re­sí­du­os só­li­dos pos­sí­vel pa­ra o mu­ni­cí­pio”, ava­lia Dal­lag­nol.

Após a aná­li­se da Pro­ge, o Exe­cu­ti­vo­en­vi­a­ráoPMGIRSUa­oLe­gis­la­ti­vo.Ca­be­ráàCâ­ma­raMu­ni­ci­pal a re­a­li­za­ção de con­sul­ta po­pu­lar no pra­zo de 45 di­as, an­tes da­a­pro­va­ção­do­pla­no.

Du­as­das cin­co­en­tra­das­da uni­da­de­cen­tral­daMa­ga­zi­ne Lui­za­fo­ra­mi­so­la­das­pe­la De­fe­saCi­vil,on­temà­tar­de

Um va­za­men­to de cer­ca de 1.050 li­tros de água por ho­ra (mais de 25 mil li­tros por dia) em tu­bu­la­ção da Sa­ne­par, de­tec­ta­do on­tem, com­pro­me­teu par­te da es­tru­tu­ra do pré­dio da uni­da­de cen­tral do Ma­ga­zi­ne Lui­za – Ave­ni­da Bra­sil, qua­se es­qui­na com a Rua Pi­ra­ti­nin­ga. A en­tra­da de du­as das cin­co por­tas fo­ram iso­la­das.

Ape­sar do sus­to ini­ci­al, após ava­li­a­ção dos da­nos, o coordenador da De­fe­sa Ci­vil de Ma­rin­gá, Adil­son Cos­ta, de­ci­diu que não se­rá ne­ces­sá­rio in­ter­di­tar o es­ta­be­le­ci­men­to. O en­ge­nhei­ro da em­pre­sa, Car­los Er­nes­to Pai­va, ex­pli­cou que uma área de até 50% da fa­cha­da se­rá iso­la­da pa­ra exe­cu­ção dos re­pa­ros e re­for­ço dos pi­la­res da­ni­fi­ca­dos.

Um lau­do com a gra­vi­da­de dos da­nos de­ve fi­car pronto nos pró­xi­mos di­as. A ex­pec­ta­ti­va do en­ge­nhei­ro, nu­ma aná­li­se pré­via, é de re­a­li­zar os re­pa­ros em 30 di­as. “Não afe­tou boa par­te da es­tru­tu­ra, en­tão, va­mos iso­lar ape­nas a área par­te que in­clui al­gum ris­co”, co­men­ta Pai­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.