In­ten­ção de con­su­mo das fa­mí­li­as re­cua 0,2%

O Diario do Norte do Parana - - ECONOMIA - Da­ni­e­la Amo­rim Agên­cia Es­ta­do

Os bra­si­lei­ros fi­ca­ram me­nos pro­pen­sos às com­pras na pas­sa­gem de abril pa­ra maio, se­gun­do da­dos di­vul­ga­dos pe­la Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio de Bens, Ser­vi­ços e Tu­ris­mo (CNC). A In­ten­ção de Con­su­mo das Fa­mí­li­as (ICF) al­can­çou 77,7 pon­tos em maio, nu­ma es­ca­la de 0 a 200 pon­tos, o equi­va­len­te a uma re­du­ção de 0,2% em re­la­ção ao mês an­te­ri­or.

O re­sul­ta­do, en­tre­tan­to, foi 11,1% su­pe­ri­or ao mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, a ter­cei­ra va­ri­a­ção po­si­ti­va con­se­cu­ti­va.

“A con­fi­an­ça das fa­mí­li­as se­gue em tra­je­tó­ria po­si­ti­va ape­sar da pe­que­na que­da men­sal nos me­ses de abril e maio. A me­lho­ra nas ex­pec­ta­ti­vas das fa­mí­li­as se dá, prin­ci­pal­men­te, pe­las no­tí­ci­as fa­vo­rá­veis à re­to­ma­da da eco­no­mia, co­mo a de­sa­ce­le­ra­ção da in­fla­ção, a que­da dos ju­ros e a li­be­ra­ção de re­cur­sos de con­tas ina­ti­vas do Fun­do de Ga­ran­tia do Tem­po de Ser­vi­ço (FGTS)”, ava­li­ou Juliana Se­ra­pio, as­ses­so­ra econô­mi­ca da CNC,em­no­ta­o­fi­ci­al.

O com­po­nen­te Em­pre­go Atu­al te­ve li­gei­ra que­da de 0,1% em re­la­ção a abril, mas per­ma­ne­ce aci­ma da zo­na de in­di­fe­ren­ça (100 pon­tos), aos 108,5 pon­tos. Em re­la­ção a maio de 2016, hou­ve avan­ço de 8,4%. O por­cen­tu­al de fa­mí­li­as que se sen­tem mais se­gu­ras em re­la­ção ao em­pre­go atu­al fi­cou em 31,8% em maio,an­te31,6%ema­bril.

A pre­o­cu­pa­ção das fa­mí­li­as em re­la­ção ao mer­ca­do de tra­ba­lho foi evi­den­ci­a­da pe­lo com­po­nen­te Pers­pec­ti­va Pro­fis­si­o­nal. O su­bi­tem al­can­çou 98,8 pon­tos em maio, uma que­da de 1,6% na com­pa­ra­ção com abril. Em re­la­ção a maio do ano pas­sa­do, po­rém, hou­ve au­men­to de 6,3%.

O com­po­nen­te Ní­vel de Con­su­mo Atu­al cres­ceu 16,6% na com­pa­ra­ção com maio do ano pas­sa­do, além de au­men­tar 1,9% an­te abril. Mas a mai­or par­te das fa­mí­li­as de­cla­rou es­tar com o ní­vel de con­su­mo me­nor do que o do ano pas­sa­do, o equi­va­len­te a 60,2% dos en­tre­vis­ta­dos, an­te uma fa­tia de 60,87% em abril.

O item Pers­pec­ti­va de Con­su­mo re­gis­trou au­men­to de 0,5% em re­la­ção a abril e ele­va- ção de 28,2% an­te o mes­mo pe­río­do de 2016

O com­po­nen­te Mo­men­to pa­ra Du­rá­veis apre­sen­tou cres­ci­men­to de 1,6% na com­pa­ra­ção com o mês an­te­ri­or, após du­as que­das con­se­cu­ti­vas. Em re­la­ção a maio de 2016, o item mos­trou au­men­to de 20,4%.

Bo­as pers­pec­ti­vas

O cré­di­to ain­da res­tri­to e ca­ro pa­ra os con­su­mi­do­res im­pac­tou os re­sul­ta­dos dos com­po­nen­tes li­ga­dos às com­pras a pra­zo em maio, apon­tou a CNC. O item Aces­so ao Cré­di­to, aos 70 pon­tos, te­ve que­da de 0,1% em maio an­te abril, mas su­biu 5,3% em re­la­ção a maio de 2016.

“Pers­pec­ti­vas mais fa­vo­rá­veis no que diz res­pei­to à ve­lo­ci­da­de de que­da dos ju­ros e im­pac­tos po­si­ti­vos que es­sa me­di­da pro­vo­ca­ria so­bre o mer­ca­do de tra­ba­lho ain­da são ne­ces­sá­ri­as pa­ra que o se­tor (va­re­jo) re­to­me um rit­mo de cres­ci­men­to mais in­ten­so nos pró­xi­mos me­ses”, con­cluiu a en­ti­da­de.

Em­le­van­ta­men­to­daFa­ci­ap, tam­bém­foi­re­gis­tra­da­que­da no ín­di­ce­de­de­ve­do­res­no Es­ta­do.

O nú­me­ro de dí­vi­das no Pa­ra­ná caiu - 9,77% na com­pa­ra­ção com o mes­mo mês do ano pas­sa­do, en­quan­to o de de­ve­do­res re­gis­trou que­da de - 5,43%. O le­van­ta­men­to foi di­vul­ga­do on­tem pe­la Fe­de­ra­ção das As­so­ci­a­ções Co­mer­ci­ais e Em­pre­sa­ri­ais do Pa­ra­ná (Fa­ci­ap), por meio da Ba­se Cen­tra­li­za­do­ra Fa­ci­ap de Pro­te­ção ao Cré­di­to (BCF), con­ve­ni­a­da ao Ser­vi­ço de Pro­te­ção ao Cré­di­to (SPC Bra­sil).

Os da­dos mos­tram que, di­an­te de um ce­ná­rio econô­mi­co ain­da pre­o­cu­pan­te, os pa­ra­na­en­ses têm to­ma­do me­nos dí­vi­das. “O nú­me­ro de dí­vi­das es­tá cain­do mais in­ten­sa­men­te do que o de de­ve­do­res, o que in­di­ca que o con­su­mi­dor es­tá pre­o­cu­pa­do com a cri­se, evi­tan­do con­trair no­vas dí­vi­das”, afir­ma o vi­ce-pre­si­den­te da Fa­ci­ap, Clau­de­nir Ma­cha­do.

O nú­me­ro de dí­vi­das no se­tor cre­dor de água e luz fo­ram as que ti­ve­ram que­da anu­al mais ex­pres­si­va no Pa­ra­ná: - 38,20%. Já as pen­dên­ci­as de­vi­das ao se­tor de co­mu­ni-

Ín­di­ce é re­fe­ren­te às com­pras na pas­sa­gem en­tre abril e maio Com­pa­ra­do ao mes­mo pe­río­do de 2016, há au­men­to de 11,1%

ca­ção caí­ram - 13,86% e ao co­mér­cio, - 11,14%. No ca­so dos ban­cos, a que­da foi de - 5,58%.

“A que­da de dí­vi­das e de­ve­do­res é po­si­ti­va da­da a si­tu­a­ção do país, mas ela ocor­reu por­que o con­su­mi­dor to­mou me­nos cré­di­to. O ce­ná­rio se­rá re­al­men­te oti­mis­ta qu­an­do con­se­guir­mos re­gis­trar que­da no nú­me­ro de CPF’s ne­ga­ti­va­dos num ce­ná­rio de cres­ci­men­to do con­su­mo”, diz o pre­si­den­te da Fa­ci­ap, Mar­co Ta­deu Bar­bo­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.