A dor do ou­tro

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Uma das de­fi­ni­ções pa­ra “em­pa­tia” sig­ni­fi­ca a ca­pa­ci­da­de psi­co­ló­gi­ca pa­ra sen­tir o que sen­ti­ria uma ou­tra pes­soa ca­so es­ti­ves­se na mes­ma si­tu­a­ção vi­ven­ci­a­da por ela. Ou se­ja, ten­tar com­pre­en­der emo­ções alhei­as, pro­cu­ran­do ex­pe­ri­men­tar de for­ma ob­je­ti­va e ra­ci­o­nal os sen­ti­men­tos do ou­tro. O te­ma, in­clu­si­ve, já foi so­li­ci­ta­do em pro­pos­ta de Re­da­ção do ves­ti­bu­lar da UEM. Lem­bro-me de que hou­ve alu­nos que saí­ram meio frus­tra­dos da pro­va. Acre­di­ta­vam que a ban­ca apre­sen­ta­ria a dis­cus­são de al­go mais “prá­ti­co”, só pa­ra usar o ter­mo de al­guns ado­les­cen­tes. É co­mo se eles pen­sas­sem: “pra que ser­ve a em­pa­tia?” Eu gos­tei mui­to e creio ser im­pres­cin­dí­vel, pa­ra as bo­as re­la­ções, de­sen­vol­ver a em­pa­tia em nós e tam­bém es­ti­mu­lar nos­sos fi­lhos e alu­nos a se co­lo­ca­rem no lu­gar do ou­tro. Es­se “ou­tro” po­de ser o co­le­ga de tur­ma, o ami­go de in­fân­cia, o pri­mo. Po­de ser o pai, a mãe, a vo­vó de 80 anos, o professor. Ou quem sa­be aque­le can­tor ou aque­la atriz que ti­ve­ram uma ati­tu­de con­de­na­da pu­bli­ca­men­te. Aliás, vi­ve­mos tem­pos de pou­ca em­pa­tia e mui­to de­do na ca­ra. E, de al­gu­ma for­ma, as re­des so­ci­ais têm es­ti­mu­la­do as pes­so­as a se­rem mui­to cruéis. O Fa­ce­bo­ok, por exem­plo, trans­for­mou­se na ver­são di­gi­tal da fo­guei­ra da In­qui­si­ção. Jul­ga­men­tos, con­de­na­ções. Ve­re­di­tos sen­do pro­cla­ma­dos aos qua­tro ven­tos. Fa­mo­sos e anô­ni­mos re­ce­bem o ca­rim­bo de “cul­pa­dos” su­ma­ri­a­men­te. Fal­ta re­fle­xão, pon­de­ra­ção, bom sen­so. Até com­pai­xão. Sim, por­que, ao exer­ci­tar a em­pa­tia e ex­pe­ri­men­tar os sen­ti­men­tos alhei­os, é bem pro­vá­vel que, em vez de rai­va, sin­ta­mos com­pai­xão. As di­fe­ren­ças de ida­de po­dem acen­tu­ar a di­fi­cul­da­de de se co­lo­car no lu­gar do ou­tro. Qu­an­do um ado­les­cen­te me pro­cu­ra pa­ra con­ver­sar e faz ob­ser­va­ções ne­ga­ti­vas so­bre o com­por­ta­men­to do pai ou da mãe, uma das mi­nhas es­tra­té­gi­as é fa­zê-lo ima­gi­nar co­mo é exi­gen­te a mis­são de edu­car. A ques­tão não é ape­nas ape­lar pa­ra a ve­lha fra­se “no dia em que vo­cê ti­ver fi­lhos vo­cê vai en­ten­der”, mas per­mi­tir que o jo­vem ava­lie a pos­tu­ra do adul­to co­mo pro­va de cui­da­do e afe­to, e não co­mo me­ra re­pre­en­são. Ge­ral­men­te ou­ço res­mun­gos, mas, ao per­sis­tir nes­se exer­cí­cio de con­vi­vên­cia, per­ce­bo que con­se­gui plan­tar ne­le uma in­qui­e­ta­ção. Nem sem­pre os pais es­ta­rão cer­tos, é cla­ro, mas, na mai­o­ria dos ca­sos, eles têm ma­tu­ri­da­de pa­ra ins­truir as es­co­lhas ju­ve­nis. Lo­go, co­lo­car-se no lu­gar do adul­to po­de aju­dar o fi­lho a res­pei­tar sua au­to­ri­da­de e até com­pre­en­der a ra­zão da­que­la lá­gri­ma du­ran­te a dis­cus­são fa­mi­li­ar. Quem edu­ca po­de ser ví­ti­ma da fal­ta de em­pa­tia, não são ra­ras as ve­zes em que pais e mães se es­que­cem de que a dor do fi­lho não po­de ser ba­na­li­za­da ape­nas por­que ele tem 15 anos, por exem­plo. Re­fi­ro-me àque­las si­tu­a­ções bem tí­pi­cas do uni­ver­so ado­les­cen­te, co­mo a da me­ni­na que cho­ra por­que não se acha bo­ni­ta ou a do me­ni­no que se frus­tra por não cha­mar a aten­ção de al­guém de que gos­ta. Às ve­zes o mo­ti­vo da tris­te­za tam­bém po­de ser o bo­le­tim com no­ta bai­xa ou o tér­mi­no de um na­mo­ri­co de es­co­la. Aos olhos de um adul­to, tu­do is­so po­de pa­re­cer pu­ra bo­ba­gem e não há mo­ti­vos pa­ra ha­ver so­fri­men­to. En­tre­tan­to, a dor do ou­tro é sem­pre a dor do ou­tro. Co­mo di­men­si­o­nar o que se pas­sa no co­ra­ção alheio? Nes­sas ho­ras, o mais sen­sa­to e ca­ri­nho­so a se fa­zer com os fi­lhos é ou­vi-los e con­si­de­rar seus sen­ti­men­tos. Não é pre­ci­so po­le­mi­zar, tor­nar o pro­ble­ma ain­da mai­or, mas é bom o qua­ren­tão se lem­brar de que, na sua ado­les­cên­cia, não era tão fá­cil as­sim li­dar com es­sas mes­mas si­tu­a­ções. Acon­te­ceu co­mi­go há pou­co tem­po. O ga­ti­nho de uma ami­ga mor­reu atro­pe­la­do e ela me li­gou aos pran­tos. No iní­cio nem con­se­guia en­ten­der o que ela es­ta­va di­zen­do e che­guei a pen­sar que al­guém da fa­mí­lia ti­ves­se mor­ri­do. Eu não te­nho his­tó­ri­as com ani­mais de es­ti­ma­ção e nun­ca ex­pe­ri­men­tei es­se ti­po de re­la­ção afe­ti­va, mas, na­que­le mo­men­to, exer­ci­tei mi­nha em­pa­tia. Co­lo­quei-me no lu­gar de­la por­que fre­quen­to a sua ca­sa e sa­bia do amor nu­tri­do pe­lo ani­mal­zi­nho. Aco­lhi seu cho­ro, ou­vi su­as la­men­ta­ções, ofe­re­ci meu om­bro. Não cho­rei, mas fi­quei tris­te e mos­trei so­li­da­ri­e­da­de e res­pei­to. Co­lo­car-se no lu­gar de al­guém não lhe ame­ni­za­rá o so­fri­men­to. Mas sa­ber que hou­ve quem se es­for­çou em com­pre­en­der o seu sen­ti­men­to po­de ser um gran­de bál­sa­mo pa­ra su­as fe­ri­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.