O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ -

En­tre os cer­ca de 500 fun­ci­o­ná­ri­os da Rec­co Lin­ge­rie, em Maringá, vá­ri­os têm al­gu­ma de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca e con­se­guem tra­ba­lhar de igual pa­ra igual com seus com­pa­nhei­ros, dan­do à em­pre­sa o re­tor­no es­pe­ra­do. No mês pas­sa­do, o gru­po de em­pre­ga­dos que pre­ci­sa de aten­di­men­to es­pe­ci­al ganhou o re­for­ço de mais se­te pes­so­as e a em­pre­sa es­tá dis­pos­ta a ter mais por­ta­do­res de de­fi­ci­ên­cia em seu qua­dro.

“Te­mos fun­ci­o­ná­ri­os com de­fi­ci­ên­cia au­di­ti­va, fí­si­ca e in­te­lec­tu­al no se­tor de cos­tu­ra e po­de­re­mos ter em to­das as áre­as da em­pre­sa, des­de que o can­di­da­to te­nha o per­fil que a fun­ção exi­ge”, diz a ana­lis­ta de Re­cur­sos Hu­ma­nos da Rec­co, Ta­li­ta Ca­par­roz. Se­gun­do a ge­ren­te Ja­que­li­ne Rei­net, as de­fi­ci­ên­ci­as não che­gam a ser pro­ble­ma pa­ra o tra­ba­lho se a pes­soa ti­ver con­di­ções ade­qua­das pa­ra tra­ba­lhar e te­nha a com­pre­en­são dos co­le­gas.

Onú­me­ro­de­pes­so­as­com­de­fi­ci­ên­cia que con­se­gue co­lo­ca­ção emMa­rin­gá­pe­laA­gên­ci­a­doT­ra­ba­lha­dor au­men­ta ano a ano. De ja­nei­ro a abril, 104 can­di­da­tos­fo­ra­men­ca­mi­nha­dos;nú­me­ro que, pa­ra a di­re­to­ra da agência, Cla­ri­ce Sobc­zack Chi­mir­ri, é al­to na com­pa­ra­ção com o ano pas­sa­do, quan­do 206 con­se­gui­ram em­pre­go nos 12 me­ses. No rit­mo do pri­mei­ro qua­dri­mes­tre,oa­no­ter­mi­na­rá­com­no­vo­re­cor­de, a exem­plo do que acon­te­ceu­no­súl­ti­mos­trê­sa­nos.

“Em 2016, já ti­ve­mos um nú­me­ro al­to, 43% aci­ma do que con­se­guía­mos en­ca­mi­nhar três anos an­tes”, diz a res­pon­sá­vel pe­lo se­tor de Em­pre­ga­bi­li­da­de da Pes­soa com De­fi­ci­ên­cia da Agência do Tra­ba­lha­dor, Ana Car­men Di­as. “Te­mos ho­je va­gas aber­tas e as em­pre­sas de­mons­tram in­te­res­se em em- pre­gar de­fi­ci­en­tes, não so­men­te por­que há uma lei de co­tas, mas pe­la dis­po­si­ção de cum­prir um pa­pel so­ci­al e por re­co­nhe­cer que as de­fi­ci­ên­ci­as nem sem­pre são li­mi­ta­do­ras quan­do se fa­la em tra­ba­lho.”

De acor­do com Ana Car­men, é im­por­tan­te que os can­di­da­tos pro­cu­rem se pre­pa­rar pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho. “As­sim co­mo pa­ra as de­mais pes­so­as, o es­tu­do é fun­da­men­tal pa­ra con­se­guir um bom em­pre­go. Por is­so in­cen­ti­va­mos a vol­ta à es­co­la, a re­a­li­za­ção de cursos pro­fis­si­o­na­li­zan­tes e ou­tras for­mas de apren­di­za­do pa­ra que as pes­so­as es­te­jam ap­tas quan­do sur­gi­re­mas­va­gas.”

Ana Car­men ex­pli­ca que as em­pre­sas con­tra­tam pa­ra aten­der às pró­pri­as de­man­das, por is­so­es­pe­ram­re­ce­ber­fun­ci­o­ná­ri­os com per­fil ade­qua­do pa­ra as fun­ções ofe­re­ci­das.

Há ca­sos de em­pre­sas que fa­zem in­ser­ção de de­fi­ci­en­tes sem o en­ca­mi­nha­men­to da Agência do Tra­ba­lha­dor. Já ou­tras pre­fe­rem a in­ter­me­di­a­ção da en­ti­da­de por sa­ber que o can­di­da­to re­ce­beu ori­en­ta­ções, es­tá cons­ci­en­te da sua con­di­ção di­fe­ren­ci­a­da e te­rá as­ses­so­ra­men­to e acom­pa­nha­men­to. Além dis­to, a equi­pe do se­tor de Em­pre­ga­bi­li­da­de­daPes­so­a­comDe­fi­ci­ên­cia vi­si­ta as em­pre­sas pa­ra fa­lar da im­por­tân­cia de ter de­fi­ci­en­tes na equi­pe. “Tra­ba­lhar com os de­si­guais é en­ri­que­ce­dor pa­ra­a­em­pre­sa­e­to­da­a­e­qui­pe.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.