‘La­er­te-se’ sem­pre

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Adri­a­na Del Ré Agên­cia Es­ta­do

Documentário sobre car­tu­nis­ta bra­si­lei­ra es­treia na Net­flix Co­di­re­to­ra, a jor­na­lis­ta Eli­a­ne Brum con­du­ziu as en­tre­vis­tas

“La­er­te-se” co­me­ça com uma he­si­ta­ção de La­er­te Cou­ti­nho. As di­re­to­ras do documentário, Ly­gia Bar­bo­sa da Silva e Eli­a­ne Brum, acham im­por­tan­te que as en­tre­vis­tas com a car­tu­nis­ta para a pro­du­ção se­jam fei­tas na ca­sa de­la. La­er­te pe­de mais tem­po: ainda não es­tá à von­ta­de para gra­var lá. Elas já es­tão há tem­pos nes­sa ne­go­ci­a­ção. Numa tro­ca de e-mails, Eli­a­ne aca­ba a con­ven­cen­do. “Mi­nha por­ção exi­bi­da fa­lou mais al­to (ri­sos)”, gra­ce­ja La­er­te, em conversa com a im­pren­sa, para di­vul­gar o documentário – o pri­mei­ro da Net­flix ori­gi­nal do País, pro­du­zi­do pe­la Tru3Lab –, que en­trou on­tem no ser­vi­ço de TV por stre­a­ming no Bra­sil e em mais­de190­paí­ses.

“A gen­te en­ten­deu ali, nes­sa di­fi­cul­da­de com a ca­sa, que o documentário ia acon­te­cer mesmo no mo­men­to em que a gen­te en­tras­se nes­sa ca­sa, que, de cer­ta ma­nei­ra, é uma ca­sa- cor­po: as coisas vão acon­te­cen­doum­pou­co­jun­tas”,dizE­li­a­ne.

En­quan­to as di­re­to­ras re­gis­tra­vam os pen­sa­men­tos da La­er­te sobre ques­tões de gê­ne­ro, se­xu­a­li­da­de, entre ou­tros te­mas, e co­mo tudo is­so es­tá in­se­ri­do no seu dia a dia, de tra­ba­lho, no con­ví­vio com a fa­mí­lia, a ca­sa da car­tu­nis­ta pas­sa­va por uma re­for­ma. Uma sin­to­nia sim­bó­li­ca: tan­to La­er­te qu­an­to seu lar pas­sa­vam por um mo­men­to de trans­for­ma­ção – não de re­cons­tru­ção. Sua ca­sa tal­vez já es­te­ja fi­na­li­za­da, mas a pró­pria La­er­te ava­lia sua vi­vên­cia co­mo trans­gê­ne­ro co­mo al­go pelo qual ainda pas­sa.

“É um pro­ces­so”, afir­ma ela. “Em­prin­cí­pio,acho­que­as­pes­so­as não têm na­da a ver com is­so, mas elas têm, sim, a ver com is­so. A mi­nha cultura, a mi­nha so­ci­e­da­de,omeu­tem­po­tê­ma­ver­com is­so, sim, e acho le­gal que ha­ja uma cu­ri­o­si­da­de, uma in­qui­e­ta­ção, e que se­ja fei­ta tam­bém uma abor­da­gem dis­so co­mo eu es­tou fa­zen­do.”

Além de co­di­re­to­ra, Eli­a­ne Brum tam­bém con­duz as en- tre­vis­tas com La­er­te di­an­te da câ­me­ra. A jor­na­lis­ta e es­cri­to­ra tem no­tó­ria ex­pe­ri­ên­cia em li­dar com te­mas que pre­ci­sam ser tra­ta­dos com de­li­ca­de­za. E, com La­er­te, não é di­fe­ren­te. O que permite que vá, co­mo ela mes­ma diz, por ca­ma­das mais pro­fun­das, par­tin­do da re­la­ção da car­tu­nis­ta com os pais e co­mo foi para eles ter o fi­lho, com qua­se 60 anos, três ca­sa­men­tos e três fi­lhos, se mos­tran­do ao mun­do co­mo mu­lher.

Mais adi­an­te no fil­me, a car­tu­nis­ta fa­la de seu de­se­jo e tam­bém de su­as in­se­gu­ran­ças em fa­zer im­plan­te de sei­os. Na conversa com a im­pren­sa, nes­ta se­ma­na, La­er­te diz que ainda não re­sol­veu­es­sa­ques­tão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.