Corações ame­a­ça­dos

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Paulo Cam­pag­no­lo* Es­pe­ci­al para O Diário

Pre­mi­a­do fil­me de 2013, “Tan­ge­ri­nes” é car­taz ho­je pelo Con­vi­te ao Cinema, no Au­di­tó­rio Hé­lio Mo­rei­ra No dra­ma an­ti­bé­li­co, re­la­ções mos­tram que es­tu­pi­dez hu­ma­na po­de se trans­for­mar in­clu­si­ve em afe­to

“Sus­pei­to que atrás de todas as apa­rên­ci­as, há uma es­sên­cia em lu­ta. Qu­e­ro unir-me a ela”. As pa­la­vras do gran­de po­e­ta gre­go Ki­kos Ka­zant­zá­kis (1883-1957) tal­vez pu­des­sem ser­vir de epí­gra­fe para o be­lo “Tan­ge­ri­nes”, car­taz do Con­vi­te ao Cinema des­te sábado, às 20 ho­ras, no Au­di­tó­rio Hé­lio Mo­rei­ra, com en­tra­da fran­ca.

Di­ri­gi­do pelo ge­or­gi­a­no Za­za Urushad­ze, o fil­me se pas­sa du­ran­te a gu­er­ra da Abkhá­zia, em 1992. Po­rém, con­tra­ri­an­do as con­ven­ções do gê­ne­ro, a lu­ta pe­la so­bre­vi­vên­cia en­fren­ta­rá me­nos o cam­po de batalha do que­os­di­le­mas­mo­rai­sein­di­vi­du­ais. O con­fli­to, que dei­xou mi­lha­res de mor­tos, deu-se numa re­gião que an­si­a­va a se­pa­ra­ção da Geór­gia, ex-re­pú­bli­ca so­vié­ti­ca, lo­go­a­pó­sa­su­ain­de­pen­dên­cia.

Numa vila ru­ral en­con­tram­se Ivo e Mar­gus, es­to­ni­a­nos ét­ni­cos que ainda per­ma­ne­cem no lo­cal por­que pre­ten­dem fa­zer a co­lhei­ta­das­tan­ge­ri­nas.En­quan­to Ivo fa­bri­ca cai­xo­tes, Mar­gus ten­ta se apres­sar na co­lhei­ta an­tes que a gu­er­ra che­gue mais per­to. Um dia, apa­re­cem dois mer­ce­ná­ri­os che­che­nos pe­din­do co­mi­da. Lo­go de­pois, es­tes mes­mos che­che­nos te­rão um con­fron­to­com­ge­or­gi­a­no­se­a­pe­na­sum­de­ca­da­la­do­so­bre­vi­ve.

Ivo ins­ta­la-os em sua ca­sa e, com a aju­da de Mar­gus (e um mé­di­co lo­cal), cui­da de seus fe­ri­men­tos. Ah­med, o che­che­no so­bre­vi­ven­te, no en­tan­to, quan­do fi­ca sa­ben­do que no ou­tro qu­ar­to es­tá um vo­lun­tá­rio ge­or­gi­a­no, pro­me­te ma­tá-lo, as­sim que pu­der. Quan­do Ni­ka, o ge­or­gi­a­no, se re­cu­pe­ra (de um fe­ri­men­to na ca­be­ça), tam­bém se dis­põe ao con­fron­to com o ou­tro. Ivo, en­tre­tan­to, pe­de que ne­nhum ti­po de vi­o­lên­cia de­ve­rá acon­te­cer sob seu te­to. Os dois ar­re­fe­cem, mas a tensão de di­as se­gui­dos con­vi­ven­do no es­pa­ço res­tri­to da ca­sa au­men­ta cada vez mais.

Se­rá na for­ma de “con­ta go­tas” que,atra­vés­do­cui­da­do­e­da­de­di­ca­ção de Ivo (um ho­mem sá­bio que não pres­cin­de do hu­mor), os dois ini­mi­gos co­me­ça­rão a re­co­nhe­cer a hu­ma­ni­da­de de cada um. Se den­tro da ca­sa de Ivo as ten­sões são ma­ni­pu­la­das por uma câ­me­ra aten­ta aos me­no­res­ges­tos(comU­rushad­ze­man­ten­do o con­tro­le de ce­na e de es­pa­ço-tem­po de for­ma im­pe­cá­vel), lá fo­ra, no en­tan­to, a sem­pre imi­nen­te pos­si­bi­li­da­de da gu­er­ra acer­car-se do lo­cal funciona co­mou­me­co­de­a­me­a­ça.

Um re­fle­xo de que tal­vez o co­ra­ção dos ho­mens não se per­mi­ta res­ga­tar uma hu­ma­ni­da­de per­di­da, fa­ce ao im­pla­cá­vel re­a­lis­mo da mor­te. Com uma pen­ca de prê­mi­os e no­me­a­ções im­por­tan­tes (ao Glo­bo de Ou­ro e Os­car de Me­lhor Fil­me Es­tran­gei­ro), “Tan­ge­ri­nes” é de­li­ca­do e co­mo­ven­te ao apos­tar na for­ça de um es­tra­nho ri­to de pas­sa­gem: o da es­tu­pi­dez para o afe­to.

A con­du­ta de seus per­so­na­gens nos dá a ideia de uma ex­pe­ri­ên­cia que não deveria, evi- den­te­men­te, per­ten­cer ape­nas a um fil­me.

Com a be­la fotografia de Rein Ko­tov, o des­ta­que ab­so­lu­to vai pa­ra­o­a­to­res­to­ni­a­noLem­bitUlf­sak, co­mo Ivo. La­men­ta­vel­men­te fa­le­ci­do no úl­ti­mo dia 22 de mar­ço, aos 69 anos, ele tem um de­sem­pe­nho­lu­mi­no­so­em“Tan­ge­ri­nes”. Ele é o co­ra­ção des­te fil­me, em que as apa­rên­ci­as lu­ta­rão em busca de uma es­sên­cia que as guer­ras, ou qual­quer ou­tro con­fli­to entre os ho­mens, fa­zem ques­tão de jo­gar no pân­ta­no das nos­sas pre­ca­ri­e­da­des. Para en­cher de ver­go­nha os cí­ni­cos e os prag­má­ti­cos. *Paulo Cam­pag­no­loé­co­or­de­na­do­re­cu­ra­dor­doCon­vi­te­a­oCi­ne­ma

—FO­TO: DIVULGAÇÃO

CO­LHEI­TA. Lem­bit Ulf­sak em ce­na de “Tan­ge­ri­nes”: ator es­to­ni­a­no mor­reu em mar­ço des­te ano, aos 69 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.