Que ca­lor!

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Que ca­lor!”, dis­se a se­nho­ra sen­ta­da ao meu la­do, co­mo se fos­se is­so mesmo o que qui­ses­se di­zer. Não era, já se sa­be: a pes­soa nun­ca é um afi­ci­o­na­do pelo cli­ma ou um me­te­o­ro­lo­gis­ta de plan­tão a pos­tos para te dar a mí­ni­ma, má­xi­ma, pro­ba­bi­li­da­de de chu­va, di­re­ção do ven­to, umi­da­de do ar. En­tão por que a gen­te fa­la tan­to do que nem que­ria di­zer? Tal­vez se­ja o me­do de pen­sar na­qui­lo que há para ser di­to: a ori­gem do uni­ver­so, a an­gús­tia de ser fi­ni­to, os de­se­jos de ter uma vi­da ple­na, a exis­tên­cia ou não de uma for­ça mai­or – e de ex­tra­ter­res­tres, e de ma­gia negra, de sig­nos, de amor ver­da­dei­ro –, a efe­ti­vi­da­de da ora­ção e da ma­cum­ba, o que é igual­da­de, o que é so­ci­e­da­de, o que é bem co­mum, o que é o Ser. Tal­vez se­ja me­do de falar sobre o me­do, de se ver ex­pos­to, vul­ne­rá­vel. A gen­te fa­la do cli­ma para se de­fen­der? A gen­te fa­la do cli­ma para não es­tar só, mas per­ma­ne­cer se­gu­ro. Por­que se com­par­ti­lhar é de uma tal in­se­gu­ran­ça – nun­ca se sa­be quan­do a ou­tra pes­soa vai nos en­go­lir o de den­tro. É al­ma que di­zem, né? A al­ma. Nun­ca se sa­be quan­do nos­sa al­ma vai fi­car as­sim, to­da es­ten­di­da pelo la­do de fo­ra da nos­sa pe­le, to­da ela vi­ran­do pe­le tam­bém. E se me en­cos­tam na al­ma, ai de mim! Não sei se so­bre­vi­ve­ria a alguém que me to­cas­se a al­ma ou que – pi­or – por des­cui­do ou por mal­da­de, me ras­gas­se a al­ma de fo­ra a fo­ra. A gen­te pre­ci­sa da nos­sa al­ma in­tei­ra para con­ti­nu­ar a vi­ver. Ou tal­vez a gen­te fa­le do cli­ma para se de­sa­fo­gar do incô­mo­do do silêncio, tão den­so e vis­co­so. Por­que o silêncio tam­bém diz de al­go que es­tá para além do ca­len­dá­rio, do cli­ma, das ho­ras, do epi­só­dio da no­ve­la – deus! co­mo o silêncio é en­sur­de­ce­dor! Eu tre­mo di­an­te do silêncio. O silêncio pre­e­xis­te ao uni­ver­so, o silêncio fun­dou e es­ta­be­le­ceu a hu­ma­ni­da­de co­mo a co­nhe­ce­mos. Não há assunto mais gra­ve do que o silêncio e, ao mesmo tem­po, é o assunto sobre o qual não se po­de falar. Quan­do a gen­te fa­la do silêncio, ele já vai lon­ge, fo­ra do al­can­ce. O silêncio só funciona para qu­em tem fo­me no olho. O olho olha, olha e vai de­vo­ran­do o si­lên- cio todo, en­ten­den­do os me­ca­nis­mos, es­cor­re­gan­do nas cur­vas (o silêncio tam­bém tem mui­tas cur­vas). Quan­do a bo­ca tem mais fo­me que o olho, ela lo­go se me­te na his­tó­ria, con­tan­do cau­so. E o silêncio se es­con­de. Só que o silêncio pre­ci­sa que a gen­te nem sem­pre preste aten­ção. Ele tra­ba­lha por bai­xo dos sons, por entre os ruí­dos. Ele es­tá no ven­to nas fo­lhas, ele es­tá no la­ti­do do cão. É dis­cre­to. E tra­ba­lha me­lhor quan­do a gen­te es­tá dis­traí­da, por­que as­sim a gen­te não sen­te seu pe­so sobre nos­sos om­bros. En­tão, em res­pei­to ao silêncio, em res­pei­to ao que o silêncio er­gue en­quan­to não es­ta­mos olhan­do, eu, obe­di­en­te, re­sig­na­da, sé­ria, res­pon­di para a se­nho­ra sen­ta­da ao meu la­do: “pois é, bem ca­lor! Mas acho que vai cho­ver”. Ela sor­riu, sa­tis­fei­ta com as pa­la­vras tro­ca­das, e fa­lou al­gu­mas ob­vi­e­da­des a mais sobre saú­de, a lou­cu­ra que es­tá o País, da­tas co­me­mo­ra­ti­vas. E eu es­ta­va fe­liz por sa­ber que o silêncio po­dia tra­ba­lhar em paz por trás das nos­sas pa­la­vras. Tal­vez a gen­te fa­le sobre o cli­ma para dei­xar o silêncio se­guir cons­truin­do o uni­ver­so, um vazio de cada vez.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.