Ma­rin­ga­en­ses le­vam ca­ri­nho, ar­te e do­na­ti­vos a ór­fãos no Hai­ti

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Pau­li­ne Al­mei­da ma­rin­ga@odi­a­rio.com Uma­re­la­ção­de­a­mor

Des­de 2013, cer­ca de 50 pes­so­as já vi­a­ja­ram ao país ca­ri­be­nho com a mis­são de ten­tar ali­vi­ar o so­fri­men­to de cri­an­ças e ado­les­cen­tes Es­ti­ma-se que, por lá, exis­tam cer­ca de 800 or­fa­na­tos

As ma­las vão chei­as de pro­du­tos de hi­gi­e­ne, rou­pas, re­mé­di­os e dinheiro pa­ra com­prar man­ti­men­tos pa­ra cri­an­ças e ado­les­cen­tes ór­fãos no Hai­ti. Es­sa é a ba­ga­gem que vo­lun­tá­ri­os de Ma­rin­gá le­vam quan­do ven­cem os mais de 5 mil quilô­me­tros que se­pa­ram a ci­da­de do país do Ca­ri­be. O tra­ba­lho co­me­çou em 2013 e já con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de cer­ca de 50 ma­rin­ga­en­ses, um de­les, in­clu­si­ve, se en­con­tra lá es­ta se­ma­na.

A en­ge­nhei­ra Re­na­ta Ma­ce­do da Sil­va, 36 anos, es­te­ve cin­co ve­zes no Hai­ti, a úl­ti­ma de­las em abril, e pre­ten­de re­tor­nar em de­zem­bro.“Oque­mais­me­mar­cou foi a si­tu­a­ção do país, de re­al­men­te mui­ta po­bre­za, es­cas­sez de ener­gia elé­tri­ca, mui­to li­xo por­que não exis­te o cui­da­do com sa­ne­a­men­to bá­si­co”, re­la­tou so­bre su­a­pri­mei­raim­pres­são.

Es­ti­ma-se que exis­tam cer­ca de 800 or­fa­na­tos no Hai­ti. Eles se pro­li­fe­ra­ram es­pe­ci­al­men­te após o ter­re­mo­to de 2010. Os vo­lun­tá­ri­os­deMa­rin­gá­dis­tri­bu­em do­na­ti­vos, ca­ri­nho e ar­te. “Uma vez, à noi­te, fo­mos le­var co­mi­da em um or­fa­na­to, es­ta­va es­cu­ro por­que não tem ener­gia elé­tri­ca su­fi­ci­en­te pa­ra to­dos os bair­ros. Aca­ba­mos ba­ten­do em ou­tro or­fa­na­to sem que­rer e já ou­vi­mos as cri­an­ças gri­tan­do ‘co­mi­da, co­mi­da’. Nós fi­ca­mos sa­ben­do que a úl­ti­ma re­fei­ção de­les ti­nha si­do no dia an­te­ri­or”, lem­brouRe­na­ta.

As re­fei­ções dos ór­fãos ge­ral­men­te são com­pos­tas de ar­roz, qui­re­la de mi­lho e fei­jão, com mui­ta di­fi­cul­da­de pa­ra car­nes e ver­du­ras. O aces­so à co­mi­da é pre­cá­rio e di­fi­cul­ta­do pe­la fal­ta de ener­gia, que im­pe­de o ar­ma­ze­na­men­to. Ou­tro pro­ble­ma é a edu­ca­ção, já que to­das as es­co­las são pa­gas. Pa­ra os vo­lun­tá­ri­os, o con­ta­to com as cri­an­ças é mui­to mar­can­te, co­mo res­sal­tou a psi­có­lo­ga Fla­vi­a­na Nu­nes Za­no­ni, 33 anos, que vi­a­jou três ve­zes ao Hai­ti. “A gen­te des­co­briu um or­fa­na­to que es­ta­va há uma se­ma­na sem adul­tos. Ti­nham 45 cri­an­ças que es­ta­vam lá há uma se­ma­na sem co­mi­da e hi­gi­e­ne. As cri­an­ças es­ta­vam com con­jun­ti­vi­te, dis­pu­tan­do pa­pe­lão pa­ra co­mer. Foi uma ce­na cho­can­te.”

A re­a­li­da­de pe­sa­da não im­pe­diu que Fla­vi­a­na le­vas­se os fi­lhos, Ka­lel, 6 anos, e Me­li­na,4. Uma de su­as bo­as sur­pre­sas foi a in­te­ra­ção en­tre eles e os ór­fãos. “A gen­te olha com olhar de com­pai­xão, mas por mais que ten­te não mos­trar que es­tá tris­te, vo­cê se emo­ci­o­na. Cri­an­ça não­te­mes­sa­vi­são,ela­quer­brin­car. Meus fi­lhos se ves­ti­ram de pa­lha­ço, ser­vi­ram co­mi­da, fi­ze­ram tu­do. Eles sa­bem que não é uma vi­a­gem de fé­ri­as, mes­mo as­sim é tão gra­ti­fi­can­te.”

As mis­sões no Hai­ti tam­bém en­vol­vem aten­di­men­to de saú­de e até obras. Os ado­les­cen­tes com mais de 14 anos, por exem­plo, são in­cen­ti­va­dos a dei­xar os or­fa­na­tos, por is­so, os vo­lun­tá­ri­os às ve­zes aju­dam sua aco­mo­da­ção. Pa­ra Fla­vi­a­na, o ca­ri­nho pe­los hai­ti­a­nos é tão gran­de que ela gos­ta­ria de ado­tá­los, po­rém, o go­ver­no do país obri­ga que um pa­ren­te vi­vo as­si­ne o pro­ces­so. De­vi­do mui­tas ve­zes à ine­xis­tên­cia des­sa fi­gu­ra, eles per­ma­ne­cem nos abri­gos.

O Hai­ti foi a se­gun­da na­ção da Amé­ri­ca a con­quis­tar a in­de­pen­dên­cia, na úni­ca re­vo­lu­ção co­man­da­da por es­cra­vi­za­dos, o que des­per­ta nos mo­ra­do­res um gran­de sen­ti­men­to de or­gu­lho e amor à pá­tria. Es­sa mar­ca ho­je con­tras­ta com as tris­te­zas do país, aba­la­do por cri­ses po­lí­ti­cas e de­sas­tres na­tu­rais. “É uma ge­ra­ção que es­tá se per­den­do, vai cres­cer e se tor­nar o quê?”, ques­ti­o­nou Fla­vi­a­na.

—FOTO: ARQUIVO PESSOAL

VI­SI­TA. Fla­vi­a­na Nu­nes Za­no­ni já vi­a­jou três ve­zes ao Hai­ti; a re­a­li­da­de di­fí­cil não im­pe­diu que ela le­vas­se os fi­lhos, de 4 e 6 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.