O Diario do Norte do Parana - - PARANÁ -

São Jor­ge do Ivaí (dis­tan­te 53,8 km de Ma­rin­gá) es­ta­va em fes­ta. Na Ave­ni­da An­di­na e na Pra­ça San­ta Cruz, fa­mí­li­as in­tei­ras saí­ram às ru­as. Cri­an­ças e ado­les­cen­tes uni­for­mi­za­dos con­tem­pla­vam, cu­ri­o­sos e chei­os de an­si­e­da­de, a vi­si­ta do en­tão go­ver­na­dor Nei Bra­ga - que sai­ria do car­go exa­ta­men­te dois me­ses de­pois -, vin­do pa­ra inau­gu­rar o Cen­tro Mu­ni­ci­pal de Edu­ca­ção In­fan­til. Lon­ge da­li, no Hos­pi­tal Ru­ral João 23, o cli­ma tam­bém era de fes­ta na­que­le 13 de mar­ço de 1982. Fa­mi­li­a­res aguar­da­vam, cu­ri­o­sos e chei­os de an­si­e­da­de, o nas­ci­men­to da cri­an­ça de Ode­te e Jo­sé Luiz Bo­vo – que, mais tar­de, se­ria pre­fei­to em três ges­tões, de1989 a 1992 e 1997 a 2004. Só o avô, que cum­pria sua se­gun­da ges­tão co­mo pre­fei­to, não pô­de fi­car mui­to tem­po no hos­pi­tal, obri­ga­do a de­di­car um bom tem­po da­que­le dia à com­pa­nhia do go­ver­na­dor.

Na sa­la de ci­rur­gia, o anes­te­sis­ta Her­mí­nio Ta­ka­su­gi e o obs­te­tra Ra­nu Mar­tins, am­bos ex-pre­fei­tos de São Jor­ge, fi­ze­ram uma ce­sa­ri­a­na pa­ra tra­zer o be­bê ao mun­do. Pou­co tem­po de­pois, den­tro da igre­ja, o pri­mei­ro pre­fei­to da his­tó­ria de São Jor­ge, An­to­nio Gran­zo­to, sur­gia di­an­te do pa­dre, dos fa­mi­li­a­res e do re­cém-nas­ci­do co­mo seu pa­dri­nho de ba­tis­mo.

An­dré Bo­vo olha pa­ra trás, há 35 anos, e pas­sa a nar­rar os de­ta­lhes de seu nas­ci­men­to. São his­tó­ri­as que, evi­den­te­men­te, ele não lem­bra de ter vi­vi­do, mas re­cor­da por­que ou­viu a mãe con­tan­do, o pai co­men­tan­do, por­que o avô acres­cen­ta­va, aqui e ali, uma no­va in­for­ma­ção. Ado­les­cen­te, An­dré já ti­nha a ima­gem de tu­do o que ha­via vi­vi­do, re­cons­truin­do ce­nas de sua bi­o­gra­fia com a me­mó­ria dos ou­tros. Quan­do re­con­ta a sua tra­je­tó­ria, é im­pos­sí­vel, ain­da ho­je, não achar gra­ça na coin­ci­dên­cia da for­ça po­lí­ti­ca, des­de a vin­da do go­ver­na­dor na­que­le 13 de mar­ço aos vá­ri­os ex-pre­fei­tos que o ro­de­a­ram em seus pri­mei­ros mo­men­tos de vi­da.

Atu­al pre­fei­to de São Jor­ge do Ivaí, An­dré for­mou-se em Di­rei­to, em Ma­rin­gá, pe­la Uni­ce­su­mar. Do pe­río­do aca­dê­mi­co, guar­da com ca­ri­nho as li­ções de di­ver­sos pro­fes­so­res, co­mo Os­mar Me­dei­ros (“óti­mo”), Bres­sau (“gran­de fi­ló­so­fo”) e Jo­sé Mi­guel Gar­cia Me­di­na (“es­pe­ta­cu­lar”). “Foi uma épo­ca mui­to im­por­tan­te pa­ra mim. Acho que mu­dei uns 70% gra­ças às au­las de Di­rei­to”, ava­lia.

An­tes da gra­du­a­ção, con­cluiu o En­si­no Mé­dio no No­bel, do 1º ao 3º ano, tam­bém por aqui. Tí­pi­co es­tu­dan­te, re­ga­la­va-se com o “ca­chor­rão” ser­vi­do no Bai­a­no e no Ki-fo­me, lo­ca­li­za­dos na Zo­na 7. Avi­sa­do que há al­guns ve­re­a­do­res ma­rin­ga­en­ses en­ga­ja­dos em trans­for­mar o lan­che num pra­to tí­pi­co de Ma­rin­gá, An­dré de­cla­ra seu apoio ao pro­je­to. “Acho que é in­te­res­san­te. É uma for­ma de mar­car a ci­da­de”, co­men­ta. Mas ele con­cor­da que o “ca­chor­rão”, ain­da que pren­sa­do, não é uma ca­rac­te­rís­ti­ca ex­clu­si­va do ce­ná­rio gas­tronô­mi­co ma­rin­ga­en­se. “Em São Jor­ge, te­mos um ‘ca­chor­rão’, o Pren­sa­dão Lan­ches, que é a mes­ma coi­sa que ser­vem aí”, co­men­ta.

Du­ran­te cin­co anos, An­dré atu­ou em São Jor­ge, Ma­rin­gá e ou­tras ci­da­des da re­gião na área de Di­rei­to Pú­bli­co. Aos 28 anos, pas­sou no con­cur­so do Tri­bu­nal da Jus­ti­ça co­mo ana­lis­ta ju­di­ciá­rio. Um ano de­pois, mes­mo sem nun­ca ter se lan­ça­do à Câ­ma­ra dos Ve­re­a­do­res, foi con­vi­da­do a se can­di­da­tar, pe­la pri­mei­ra vez, à prefeitura. “Fui elei­to com uma mar­gem ex­pres­si­va, acho que fiz uns dois mil vo­tos, e, nes­ta úl­ti­ma elei­ção, fui can­di­da­to úni­co, com uns três mil vo­tos”, co­men­ta.

Ele diz gos­tar do cor­re-cor­re na prefeitura, com su­as ma­ra­to- nas de pa­péis pa­ra se­rem as­si­na­dos e reu­niões e aten­di­men­tos à sociedade. “Fa­ço tu­do is­so com mui­to pra­zer. E con­se­gui apli­car o que apren­di com meu pai e avô: meu pai era um ho­mem mais téc­ni­co; meu vô, um ho­mem mui­to que­ri­do por elei­to­res da es­quer­da ou da di­rei­ta, mas me­nos téc­ni­co. Acho que sou mais téc­ni­co do que meu pai, mas não sou tão que­ri­do co­mo meu vô, que vi­veu em um tem­po bem di­fe­ren­te do nos­so”, ava­lia.

Quem co­nhe­ce An­dré co­men­ta que ele é um su­jei­to “hu­mil­de”, “res­pon­sá­vel” e “com­pe­ten­te”. Pa­ra o co­lu­nis­ta de O Diá­rio, Di­niz Ne­to, ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca mar­can­te é a dis­po­ni­bi­li­da­de de An­dré em aten­der o pú­bli­co, sem aque­la tra­di­ci­o­nal dis­tân­cia que cos­tu­ma fi­car evi­den­te nos en­con­tros de elei­to­res com au­to­ri­da­des. “Na ver­da­de, ele não que­ria en­trar pa­ra a po­lí­ti­ca. Ele es­tu­dou e fez car­rei­ra, mas o po­vo foi atrás de­le”, diz Di­niz.

Ca­sa­do com uma bi­oquí­mi­ca que atua na vi­gi­lân­cia sa­ni­tá­ria ma­rin­ga­en­se, An­dré tem com ela dois fi­lhos: Mi­guel, de 9 anos, e Ma­ri­a­na, 4. As du­as cri­an­ças, fi­lhas do atu­al pre­fei­to, ne­tas e bis­ne­tas de ex-pre­fei­tos, fu­tu­ra­men­te tam­bém não vão li­de­rar ci­da­des? Ele des­con­ver­sa: “Não sei se que­ro is­so pa­ra eles”, diz, rin­do. Mas há cer­tas coi­sas que nem mes­mo os pais mais cui­da­do­sos con­se­guem evi­tar: há um po­der em cer­tas coi­sas - al­guns cha­mam de coin­ci­dên­cia e ou­tros atri­bu­em ao des­ti­no - que fi­ca im­pos­sí­vel proi­bir o que pre­ci­sa re­al­men­te acon­te­cer.

DNA DE LÍDER. “Acho que mu­dei uns 70% gra­ças às au­las de Di­rei­to no Uni­ce­su­mar”, ava­lia o pre­fei­to An­dré Bo­vo.—

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.