Ves­tir-se bem pa­ra o tra­ba­lho

O Diario do Norte do Parana - - EESMPPECRIEAGLOS - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­la@odi­a­rio.com

In­ves­tir sem­pre na ima­gem pessoal não é uma ques­tão de es­ti­lo e sim de pos­tu­ra den­tro da em­pre­sa Con­sul­to­ra ex­pli­ca que, ge­ral­men­te, am­bi­en­te de tra­ba­lho con­ta com um có­di­go de ves­ti­men­ta

O pro­fis­si­o­nal que in­ves­te no vi­su­al cau­sa uma boa im­pres­são ime­di­a­ta. Aos 22 anos, a uni­ver­si­tá­ria Ali­ne Ri­bei­ro in­ves­te tem­po e cui­da­do na pro­du- ção do dia a dia. Ela tra­ba­lha com aten­di­men­to e diz acre­di­tar que is­so con­tri­bui pa­ra lhe dar cre­di­bi­li­da­de.

Ou­tro efei­to po­si­ti­vo é sen­tir-se mais se­gu­ra pa­ra in­te­ra­gir com os ou­tros. “Eu sin­to que, quan­do me ar­ru­mo, sou eu de ver­da­de. Sem na­da, pa- re­ce que ape­nas exis­to. Me ani­ma pas­sar ba­se, pó, co­lo­car uma blu­sa ar­ru­ma­di­nha”, afir­ma. O es­ti­lo de Ali­ne é “so­ci­al mo­der­no”, uma mis­tu­ra equi­li­bra­da de pe­ças de bom cor­te e cai­men­to tra­di­ci­o­nal, mas sem­pre em co­ne­xão com as no­vi­da­des da mo­da.

A con­sul­to­ra de ima­gem e es­ti­lo pessoal, Glen­da Per­don­ci­ni ex­pli­ca que to­da em­pre­sa tem um có­di­go de ves­ti­men­ta (co­de dress), mas nem sem­pre é ex­plí­ci­to e o fun­ci­o­ná­rio de­ve ob­ser­var os co­le­gas. Ain­da as­sim, equí­vo­cos po­dem acon­te­cer. Se a em­pre­sa diz, por exem­plo, que o co­de dress é ca­su­al e não ex­pli­ca ao fun­ci­o­ná­rio o que é ou não per­mi­ti­do, ca­da um in­ter­pre­ta o con­cei­to à sua ma­nei­ra.

O co­la­bo­ra­dor bem ves­ti­do trans­mi­te efi­ci­ên­cia, ideia as­so­ci­a­da à em­pre­sa, es­pe­ci­al­men­te na re­cep­ção ou aten­di­men­to ao pú­bli­co. A pri­mei­ra im­pres­são é cons­truí­da em se­gun­dos e, se ne­ga­ti­va, po­de até ser re­ver­ti­da, mas vai le­var tem­po.

A con­sul­to­ra de es­ti­lo Joy Ban­dei­ra en­fa­ti­za que é mui­to di­fí­cil sus­ten­tar uma ima­gem que não é re­al. Por is­so, o tra­ba­lha­dor tem que pro­cu­rar o equi­lí­brio.

Se­guir o co­de dress da em­pre­sa con­tra­ri­an­do o pró­prio es­ti­lo po­de ge­rar in­sa­tis­fa­ção e per­da de iden­ti­da­de. A saí­da é acres­cen­tar ele­men­tos de gos­to pessoal co­mo um aces­só­rio, cor­te de ca­be­lo, per­fu­me, sem, com is­so, con­fli­tar com as nor­mas.

“Vo­cê não po­de acres­cen­tar um co­lar gran­de, es­ti­lo ba­la­da, a uma ves­ti­men­ta só­bria, mas po­de usar ou­tro, que tam­bém lhe agra­de”, ex­pli­ca Joy.

Ela acres­cen­ta que a apre­sen­ta­ção é par­te da cons­tru­ção da ima­gem pro­fis­si­o­nal e vai além da rou­pa que a pessoa ves­te. Dei­xan­do a mo­da de la­do, boa apa­rên­cia é trans­mi­tir saú­de e equi­lí­brio. In­de­pen­den­te­men­te da fun­ção, al­guém com os cui­da­dos pes­so­ais (hi­gi­e­ne, pe­le lim­pa e ca­be­lo cor­ta­do) em dia, rou­pas lim­pas, pas­sa­das e no ta­ma­nho cer­to, es­ta­rá sem­pre bem no am­bi­en­te de tra­ba­lho.

—FOTO: CAUHÊ SANCHES

VI­SU­AL. Uni­ver­si­tá­ria Ali­ne Ri­bei­ro: “Eu sin­to que, quan­do me ar­ru­mo, sou eu de ver­da­de.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.