Cor­rer mui­to e nun­ca che­gar

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL VEÍCULOS - Thi­a­go Las­co Agên­cia Es­ta­do

Maio Ama­re­lo bus­ca cons­ci­en­ti­zar mo­to­ris­tas qu­an­to aos ris­cos de aci­den­tes de trânsito Al­ta ve­lo­ci­da­de é uma das mai­o­res vi­lãs

Um du­e­lo en­tre uma Fer­ra­ri e um Pors­che po­de ser ele­tri­zan­te em am­bi­en­te ade­qua­do, co­mo um au­tó­dro­mo. Em vi­as pú­bli­cas, a com­bi­na­ção tem tu­do pa­ra dar er­ra­do, co­mo se viu na ma­dru­ga­da do dia 8 des­te mês, quan­do dois des­ses es­por­ti­vos se en­vol­ve­ram em um gra­ve aci­den­te na Ave­ni­da 23 de Maio, em São Paulo (iro­ni­ca­men­te, maio é o mês de­di­ca­do a uma cam­pa­nha mun­di­al pa­ra cons­ci­en­ti­zar a po­pu­la­ção so­bre os ris­cos de aci­den­tes de trânsito), du­ran­te um su­pos­to “ra­cha”. Acre­di­ta-se que os dois car­ros es­ta­vam ro­dan­do­a­mais­de150km/h.

Pa­ra os fãs de au­to­mó­veis, ace­le­rar traz uma des­car­ga de adre­na­li­na fas­ci­nan­te. Mas pa­ra quem não é pi­lo­to e se aven­tu­ra fo­ra das pis­tas, es­se pra­zer po­de cus­tar ca­ro. Em si­tu­a­ções ines­pe­ra­das, co­mo se sur­gir um obs­tá­cu­lo ou um pe­des­tre à fren­te, o mo­to­ris­ta te­rá bem me­nos tem­po­pa­ra­re­a­gir.

Além dis­so, em aci­den­tes em al­tas ve­lo­ci­da­des, as con­sequên­ci­as ten­dem a ser pi­o­res. “Di­ver­sos es­tu­dos mos­tram que a ve­lo­ci­da­de é o prin­ci­pal fa­tor de­sen­ca­de­an­te das gran­des le­sões em aci­den­tes de trânsito”, afir­ma o di­re­tor da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Me­di­ci­na de Trá­fe­go (Abra­met), Dir­ceu Ro­dri­gues Al­ves Jr. “Os ca­sos mais gra­ves, que che­gam ao Ins­ti­tu­to Mé­di­co Le­gal, têm re­la­ção di­re­ta com a ve­lo­ci­da­de­em­que­o­veí­cu­lo­es­ta­va.”

A ener­gia ci­né­ti­ca ge­ra­da pe­lo mo­vi­men­to do veí­cu­lo é uma ame­a­ça à in­te­gri­da­de fí­si­ca de quem es­tá den­tro de­le. Em co­li­sões, um car­ro se­gu­ro de­ve se de­for­mar ao má­xi­mo, pa­ra evi­tar que es­sa ener­gia se­ja re­pas­sa­da à ca­bi­ne e seus ocu­pan­tes. “Qu­an­to mai­or a ve­lo­ci­da­de, mai­or se­rá a ener­gia acu­mu­la­da e mai­o­res se­rão as le­sões”, afir­maAl­vesJr. O ris­co é mai­or pa­ra o pe­des­tre (ve­ja no qua­dro à di­rei­ta). “En- qu­an­to em um atro­pe­la­men­to a 32 km/h há 5% de óbi­tos, a 48 km/h o por­cen­tu­al so­be pa­ra qua­se 50%. Is­so mos­tra o qu­an­to o pe­des­tre é frá­gil no trânsito”, diz o es­pe­ci­a­lis­ta.

Na prá­ti­ca, a di­men­são dos fe­ri­men­tos de­pen­de­rá tam­bém do ní­vel de se­gu­ran­ça ofe­re­ci­do pe­lo car­ro que atro­pe­lar a ví­ti­ma. “Há mo­de­los que são mais ‘ gen­tis’ com o pe­des­tre, pois fo­ram de­sen­vol­vi­dos pre­ven­do es­se ris­co, e ou­tros que não o são”, ex­pli­ca o por­ta-voz do La­tin NCAP, Ale­jan­dro Fu­ras. “O mes­mo va­le pa­ra a pro­te­ção dos ocu­pan­tes do veí­cu­lo.”

Pa­ra o di­re­tor da Abra­met, o Bra­sil de­ve­ria acom­pa­nhar a ten­dên­cia de re­du­ção de ve­lo­ci­da­de nas vi­as que vem sen­do fei­ta nos paí­ses eu­ro­peus. “Por aqui, não há uma cons­ci­ên­cia do es­tra­go que es­sas má­qui­nas so­bre ro­das são ca­pa­zes de pro­du­zir pa­ra as pes­so­as. Os ris­cos en­vol­vi­dos só são des­co­ber­tos de­pois que os aci­den­tes ocor­re­ram.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.