Vai usar aca­de­mia do pré­dio? Pro­cu­re aju­da pro­fis­si­o­nal

O Diario do Norte do Parana - - IMÓVEIS - Fer­nan­da Ber­to­la fer­nan­da@odi­a­rio.com

Uti­li­zar os apa­re­lhos do pré­dio sem ori­en­ta­ção de es­pe­ci­a­lis­tas po­de, em ca­sos ex­tre­mos, le­var à mor­te Con­se­lho de Edu­ca­ção Fí­si­ca diz que faz vis­to­ri­as, mas que os fis­cais nem sem­pre são bem re­ce­bi­dos

Um mo­ra­dor de Ma­rin­gá, de 53 anos, cos­tu­ma­va uti­li­zar a aca­de­mia do pré­dio on­de mo­ra­va, no No­vo Cen­tro, pa­ra pra­ti­car exer­cí­ci­os fí­si­cos. No dia 27 de abril, ele pas­sou mal, foi acu­di­do por ou­tras pes­so­as que es­ta­vam no lo­cal tam­bém se exer­ci­tan­do, mas não re­sis­tiu. A viú­va con­touà­re­por­ta­gem­que­oSer­vi­ço de Aten­di­men­to Mó­vel de Ur­gên­cia (Sa­mu) che­gou em cer­ca de cin­co mi­nu­tos e que os pro­fis­si­o­nais ten­ta­ram re­a­ni­má-lo por cer­ca de uma ho­ra, mas sem su­ces­so.Além­da­mu­lher,ele­dei­xou dois fi­lhos.

O mo­ra­dor que per­deu a vi­da em ra­zão dos es­for­ços fí­si­cos, se­gun­do a mu­lher de­le, nun­ca ha­via apre­sen­ta­do pro­ble­mas de co­ra­ção, mas era hi­per­ten- so. Ela dis­se, ain­da, que ele não ti­nha fei­to check-up mé­di­co an­tes de ini­ci­ar ati­vi­da­des fí­si­cas, nem con­ta­va com a su­per­vi­são de um pro­fis­si­o­nal da Edu­ca­ção Fí­si­ca.

Se­gun­do a ges­to­ra da em­pre­sa res­pon­sá­vel pe­la ad­mi­nis­tra­ção do con­do­mí­nio de Ma­rin­gá on­de hou­ve a mor­te em abril, há re­gu­la­men­ta­ção in­ter­na so­bre o uso da aca­de­mia, que é ape­nas um es­pa­ço dis­po­ní­vel aos mo­ra­do­res. Ela lem­bra que é res­pon­sa­bi­li­da­de­dos­condô­mi­nos­con­tra­tar um per­so­nal train­ner.

Se­gun­do a as­ses­so­ra ju­rí­di­ca doSin­di­ca­to­daHa­bi­ta­ção­eCon­do­mí­ni­os de Ma­rin­gá (Se­co­vi), Éli­da Cris­ti­na Man­da­do­ri, se o con­do­mí­ni­o­o­fe­re­ce­rau­la­sé­pre­ci­so con­tra­tar um pro­fis­si­o­nal ha­bi­li­ta­do. No en­tan­to, se a dis­po­ni­bi­li­za­ção for ape­nas do es­pa­ço, não há es­sa obri­ga­to­ri­e­da­de. Ela re­co­men­da que, no re- gi­men­to in­ter­no dos con­do­mí­ni­os, cons­tem in­for­ma­ções cla­ras so­bre ser de res­pon­sa­bi­li­da­de dos mo­ra­do­res con­tra­tar acom­pa­nha­men­to, e que no do­cu­men­to se­ja re­for­ça­do que o con­do­mí­ni­o­não­se­res­pon­sa­bi­li- za em ca­so de pro­ble­mas nes­se sentido. “Se a fa­lha for do equi­pa­men­to, a cul­pa é do con­do­mí­nio. Se for uso ina­de­qua­do, é do condô­mi­no. Eu fa­ria um ter­mo de res­pon­sa­bi­li­da­de tam­bém pa­ra que usuá­ri­os as­si­nas­se­man­tes­deu­sa­ro­es­pa­ço”.

O pre­si­den­te do Con­se­lho Re­gi­o­nal de Edu­ca­ção Fí­si­ca da 9ª Re­gião (Cref9/PR), An­to­nio Edu­ar­do Bran­co, res­sal­ta que, nas sa­las de gi­nás­ti­ca ou aca­de­mi­as de con­do­mí­nio, bem co­mo nas aca­de­mi­as co­mer­ci­ais, o Cref re­a­li­za fis­ca­li­za­ções che­can­do, além da usa­bi­li­da­de de equi­pa­men­tos, se os usuá­ri­os es­tão sen­do acom­pa­nha­dos por edu­ca­do­res fí­si­cos. No en­tan­to, afir­ma ele, nem sem­pre os con­do­mí­ni­os fa­ci­li­tam a en­tra­da de fis­cais.

Di­fe­ren­te­men­te­dos­con­do­mí­ni­os que dis­po­ni­bi­li­zam ape­nas es­pa­ços, nas aca­de­mi­as re­a­li­za- se, por re­gu­la­men­to, aná­li­se pri­má­ria, his­tó­ri­co de saú­de, ava­li­a­ção de es­for­ço e de me­di­das an­tro­po­mé­tri­cas e, a ca­da três me­ses, re­a­va­li­a­ção.

“A ori­en­ta­ção é im­por­tan­te e aju­da as pes­so­as a co­nhe­ce­rem mais so­bre prá­ti­cas. Por exem­plo, prin­ci­pal­men­te no in­ver­no, sem per­ce­ber in­ge­ri­mos me­nos lí­qui­do. Se a pessoa for hi­per­ten­sa, a pres­são fi­ca mais al­ta. Ca­sos de mor­te acon­te­cem, ge­ral­men­te, em pe­río­dos ma­tu­ti­nos nas aca­de­mi­as”. Ele acres­cen­ta que se as aca­de­mi­as não apli­ca­rem o que diz a re­gu­la­men­ta­ção e não es­ti­ve­rem pre­ca­vi­das pa­ra o ca­so de alu­nos pas­sa­rem mal, tais es­ta­be­le­ci­men­tos res­pon­dem ci­vil e cri­mi­nal­men­te. Se­gun­do o mé­di­co mé­di­co he­mo­di­na­mi­cis­ta e car­di­o­lo­gis­ta Mar­ce­lo Puz­zi, do­cen­te da fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uningá e di­re­tor clí­ni­co do Hos­pi­tal Me­mo­ri­al da mes­ma ins­ti­tui­ção, uma mor­te cau­sa­da pe­lo co­ra­ção, pro­pri­a­men­te di­to, ocor­re, na mai­o­ria das ve­zes, quan­do o pa­ci­en­te já apre­sen­ta al­gu­ma al­te­ra­ção pré­via car­día­ca. Exis­tem os pa­ci­en­tes des­pre­pa­ra­dos fi­si­ca­men­te, que são aque­les que não têm ne­nhu­ma do­en­ça de ba­se, mas ne­ces­si­tam me­lho­rar sua ca­pa­ci­da­de fun­ci­o­nal, mus­cu­lar, car­día­ca e pul­mo­nar. Al­guns se en­qua­dram em um gru­po de ris­co, co­mo hi­per­ten­sos, ta­ba­gis­tas, di­a­bé­ti­cos, ido­sos e his­tó­ri­co fa­mi­li­ar de­mor­te­car­día­ca.

Den­tre os exa­mes que mais au­xi­li­am na pres­cri­ção do exer­cí­cio fí­si­co es­tá o Tes­te Er­go­mé­tri­co ou Tes­te de Es­for­ço, po­den­do ou não ser as­so­ci­a­do Tes­te Car­di­o­pul­mo­nar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.