Qu­an­to va­le seu imó­vel?

O Diario do Norte do Parana - - IMÓVEIS - Fer­nan­da Ber­to­la fer­nan­da@odi­a­rio.com

Ava­li­ar ade­qua­da­men­te o va­lor de um imó­vel de­pen­de de al­guns cri­té­ri­os cru­ci­ais. Jo­gar o pre­ço nas al­tu­ras, atin­gin­do uma ci­fra que pou­co ou na­da con­diz com o que a ca­sa ou o apar­ta­men­to ofe­re­ce, pro­va­vel­men­te fa­rá o anún­cio en­ve­lhe­cer, des­per­tan­do o in­te­res­se de pou­co.

Imo­bi­li­a­ris­ta e pro­fes­so­ra na área, Clau­de­te Iwa­ta ex­pli­ca que o pri­mei­ro fa­tor que pe­sa a fa­vor da va­lo­ri­za­ção do imó­vel é a localização. Qu­an­to mais pró­xi­mo do cen­tro ou qu­an­to mais tran­qui­lo e com­ple­to for o bair­ro, mais ca­ro se­rá o me­tro qua­dra­do. Em Ma­rin­gá, são mais va­lo­ri­za­dos os imó­veis que fi­cam no cen­tro, Zo­na 2, 4 e 5, nes­sa or­dem.

De­pois, ava­lia-se o ti­po de cons­tru­ção. Se é ca­sa, apar­ta­men­to, o ti­po da es­tru­tu­ra , se o imó­vel é ge­mi­na­do, se fi­ca em con­do­mí­nio fe­cha­do ou não. “Ne­nhum des­ses fa­to­res iso­la­do de­ci­de o va­lor do imó­vel. É pre­ci­so so­mar a ou­tros. Há ca­sas ge­mi­na­das óti­mas e que ven­dem rá­pi­do, por exem­plo, e ou­tras ca­sas enor­mes que não ven­dem, por­que a ten­dên­cia é de as pes­so­as op­ta­rem por es­pa­ços me­no­res”, ex­pli­ca.

Ela acres­cen­ta que, quan­do o imó­vel é ex­tre­ma­men­te per­so­na­li­za­do, tam­bém é mais di­fí­cil de ven­der. Um so­bra­do com ape­nas du­as suí­tes, por­que o ca­sal ti­nha so­men­te um fi­lho, em­per­rou nas ven­das, se­gun­do ela, por­que é di­fí­cil de aten­der às ne­ces­si­da­des de gran­de par­te das pes­so­as.

Tam­bém con­ta na ho­ra de ava­li­ar o imó­vel o en­tor­no. Se hou­ver far­má­cia, su­per­mer­ca­do, pa­da­ria e ou­tros es­ta­be­le­ci­men­tos que ofe­re­çam fa­ci­li­da­des, pon­to pa­ra o ven­de­dor. A me­tra­gem qua­dra­da do imó­vel ob­vi­a­men­te in­flu­en­cia, mas tu­do de­pen­de dos de­mais fa­to­res. O va­lor de uma ca­sa gran­de e com boa es­tru­tu­ra, mas num bair­ro mui­to dis­tan­te po­de não com­prar uma ca­sa ou apar­ta­men­to me­nor no cen­tro.

A ma­nu­ten­ção é ou­tro fa­tor de­ci­si­vo. Pa­re­de des­cas­ca­da, de­sign mui­to an­ti­qua­do, sem al­te­ra­ções, po­dem fa­zer cair o pre­ço.

Con­si­de­ra-se, ain­da, a vo­ca­ção ter­ri­to­ri­al. Clau­de­te ex­pli­ca que a re­gião po­de ten­der mais a imó­veis co­mer­ci­ais do que a re­si­den­ci­ais, por exem­plo, e is­so im­pli­ca no pre­ço.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.