Ma­tar a bo­la e ato de vi­ver

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Sem­pre acon­te­ce no mês de ju­nho. Uma tur­ma de apai­xo­na­dos de fu­te­bol se reú­ne em Co­ver­ci­a­no, um su­búr­bio opu­len­to de Flo­ren­ça, Itá­lia, pa­ra com­ple­tar a fa­se fi­nal do trei­no de um ti­me pro­fis­si­o­nal. Há nor­mal­men­te dú­zi­as de­les, em gran­de par­te ti­ra­dos das fi­lei­ras de jo­ga­do­res re­cém-apo­sen­ta­dos. Ao lon­go do ano pas­sa­do, eles pas­sa­ram dois di­as por se­ma­na es­tu­dan­do pa­ra uma cer­ti­fi­ca­ção que lhes per­mi­te tra­ba­lhar no mais al­to ní­vel de fu­te­bol eu­ro­peu. É co­nhe­ci­do, ofi­ci­al­men­te, co­mo a UEFA Pro Li­cen­se. Em Co­ver­ci­a­no, eles o cha­mam de Il Mas­ter. Es­ses apren­di­zes an­dam nos pas­sos ilus­tres de An­to­nio Con­te, que ga­nhou o tí­tu­lo da Pre­mi­er Le­a­gue ago­ra pou­co; de Clau­dio Ra­ni­e­ri, que ga­nhou o tí­tu­lo no ano pas­sa­do com o mo­des­to ti­me de Lei­ces­ter, e ou­tros. Es­ses gra­du­a­dos de Co­ver­ci­a­no pre­ten­dem ga­nhar os cam­pe­o­na­tos da Ale­ma­nha, Rús­sia e Itá­lia. Mas an­tes da gló­ria, eles de­vem pas­sar um mês fe­cha­dos en­tre as pa­re­des ama­re­las pá­li­das, te­lha­dos de ter­ra­co­ta e ci­pres­tes es­cul­pi­dos da Ca­sa Itá­lia, se­de dos di­ri­gen­tes do fu­te­bol ita­li­a­no. Um lu­gar agra­dá­vel, on­de, por qua­tro di­as por se­ma­na, du­ran­te qua­tro se­ma­nas, eles tra­ba­lham, e tra­ba­lham mui­to. No fi­nal, en­fren­ta­rão um con­jun­to te­mí­vel de exa­mes orais. Ren­zo Uli­vi­e­ri – o di­re­tor da Scu­o­la Al­le­na­to­ri – e sua equi­pe téc­ni­ca pre­pa­ram os pre­ten­den­tes des­ses car­gos lu­cra­ti­vos em di­ver­sos as­sun­tos, que vão des­de a tá­ti­ca até a co­mu­ni­ca­ção ver­bal. Ca­da can­di­da­to tam­bém de­ve de­fen­der uma te­se que pre­pa­rou du­ran­te o ano an­te­ri­or. Nin­guém, po­rém, de­ve co­me­ter a he­re­sia de usar as du­as fra­ses es­tri­ta­men­te proi­bi­das nes­se cen­tro de trei­na­men­to. O pri­mei­ro é “ai mi­ei tem­pi” (no meu tem­po) e o se­gun­do, ain­da mais ta­bu, “il mio cal­cio” (o meu fu­te­bol). Se al­guém men­ci­o­ná-las es­ta­rá re­pro­va­do au­to­ma­ti­ca­men­te. Nes­te pon­to, o di­re­tor é in­fle­xí­vel por uma ra­zão mui­to sim­ples: o fo­co de­ve sem­pre es­tar nas vi­tó­ri­as a vir e não nas pro­e­zas pas­sa­das. Aque­las du­as fra­ses são con­trá­ri­as a tu­do o que Uli­vi­e­ri, de 76 anos, en­si­na em Co­ver­ci­a­no, a tu­do que ele acre­di­ta, a tu­do o que fez des­te lu­gar, por qua­se 60 anos, o mais fér­til e for­mi­dá­vel cam­po de preparação dos trei­na­do­res do mun­do. Afi­nal, dos úl­ti­mos seis ti­mes que ga­nha­ram a Pre­mi­er Le­a­gue, me­ta­de ti­nham no seu co­man­do um ita­li­a­no: Car­lo An­ce­lot­ti, Ro­ber­to Man­ci­ni e Ra­ni­e­ri, to­dos eles ex-alu­nos de Co­ver­ci­a­no. Tal con­sa­gra­ção não co­mo­ve Uli­vi­e­ri. É uma fon­te de or­gu­lho imen­so, sim, mas co­mo ele pro­pri­a­men­te fri­sa, não es­tá bus­can­do cri­ar dis­cí­pu­los, mas for­jar pes­so­as com­pe­ten­tes. Há uma bi­bli­o­te­ca, on­de to­das as te­ses dos alu­nos pas­sa­dos são ar­ma­ze­na­das, mas Uli­vi­e­ri não in­di­ca tex­tos es­pe­cí­fi­cos. “O fu­te­bol evo­lui mui­to rá­pi­do”, diz ele. “Quan­do um li­vro so­bre tá­ti­ca é pu­bli­ca­do, já es­tá ul­tra­pas­sa­do.” Em vez dis­so, ele in­cen­ti­va seus alu­nos a pen­sar. Um ex-trei­na­dor co­men­tou no seu li­vro de me­mó­ri­as que “Co­ver­ci­a­no não ofe­re­ce ver­da­des, mas pos­si­bi­li­da­des”. A men­sa­gem que Uli­vi­e­ri quer que seus alu­nos com­pre­en­dam é que ca­da jo­go é uma di­nâ­mi­ca flui­da, um es­ta­do de flu­xo per­pé­tuo. As con­di­ções mu­dam, as­sim co­mo os trei­na­do­res. Es­tes de­vem as­su­mir to­do e qual­quer jo­go e ajus­tar, al­te­rar e mo­di­fi­car con­for­me exi­gir a si­tu­a­ção. E, pe­ran­te a ad­ver­si­da­de de uma der­ro­ta imi­nen­te, o que fa­zer? Ele res­pon­de: “Das du­as uma: ou ca­va­mos um tú­nel,...ou par­ti­mos pa­ra ci­ma de­les.” Achei in­te­res­san­te com­par­ti­lhar par­tes des­sa re­por­ta­gem do The New York Ti­mes, pu­bli­ca­da em 11 de maio úl­ti­mo, afi­nal so­mos o País do fu­te­bol. O mais im­por­tan­te é que ne­la exis­tem al­gu­mas li­ções que po­de­mos apren­der. Não há “fu­te­bol per­fei­to” - só há o fu­te­bol cer­to pa­ra o mo­men­to cer­to, ou se­ja, si­ga­mos fir­mes nos prin­cí­pi­os, mas fle­xí­veis na ma­nei­ra e nos mé­to­dos pe­los quais os apli­ca­mos. Pen­sar mui­to bem em vez de apres­sar-se e che­gar em des­van­ta­gem. Em úl­ti­ma ins­tân­cia, va­lo­ri­zar a co­ra­gem pa­ra su­pe­rar e ven­cer, lem­bran­do a fra­se do Vir­gí­lio: “Au­da­ces for­tu­na iu­vat” (A for­tu­na fa­vo­re­ce os ou­sa­dos). O fu­tu­ro per­ten­ce aos que se adap­tam e aos va­len­tes que acei­tam mu­dar a rou­pa­gem. Mu­dar o ti­me do co­ra­ção? Nun­ca!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.