Po­lí­cia Ci­vil apu­ra denúncia so­bre venda de be­bê

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Ro­ber­to Silva ro­ber­to­sil­va@odi­a­rio.com Oca­so

O de­le­ga­do ti­tu­lar do 4º Dis­tri­to Po­li­ci­al de Ma­rin­gá, An­dré Luis de Oliveira Vi­le­la, ins­tau­rou uma Ve­ri­fi­ca­ção de Pro­ce­dên­cia de In­for­ma­ções (VPI) pa­ra apu­rar a su­pos­ta venda de um re­cém-nas­ci­do pa­ra um ca­sal­deMa­rin­gá.

A denúncia che­gou ao co­nhe­ci­men­to da po­lí­cia de­pois de um de­nun­ci­an­te anônimo in­for­mar o Con­se­lho Tu­te­lar de Sa­ran­di que o be­bê te­ria si­do ven­di­do por R$ 1,6 mil. “É uma in­ves­ti­ga­ção pre­li­mi­nar e a no­tí­cia in­ve­rí­di­ca po­de cau­sar da­nos. Pre­ci­sa­mos ter cau­te­la na apu­ra­ção dos fa­tos”, diz Vi­le­la, ao ex­pli­car a op­ção pe­la VPI an­tes do Inqué­ri­to Po­li­ci­al .

O de­le­ga­do con­tou que to­mou co­nhe­ci­men­to do ca­so sex­ta­fei­ra (19), mas que só on­tem re­ce­beu as oi­ti­vas (de­cla­ra­ções e depoimentos) de al­guns en­vol­vi­dos. Se­gun­do ele, a apu­ra­ção ain­da es­tá na fa­se em­bri­o­ná­ria e é ne­ces­sá­rio che­car in­for­ma­ções pa­ra apu­rar o que de fa­to ocor­reu, co­mo o nome do hos­pi­tal on­de a cri­an­ça nas­ceu, o nome da mulher que deu à luz, bus­car o pron­tuá­rio e re­gis­tro de nascimento, ou­vir a mãe e o ca­sal en­vol­vi­do e aci­o­nar a as­sis­tên­cia so­ci­al pa­ra con­fir­mar on­de a cri­an­ça es­tá e se es­tá re­ce­ben­do­a­ten­di­men­to.

“Al­gu­mas par­tes ou­vi­das na se­ma­na pas­sa­da já ge­ra­ram con­tro­vér­si­as. Tu­do pre­ci­sa ser apu­ra­do an­tes de de­ci­dir pe­la ins­tau­ra­ção do inqué­ri­to po­li­ci­al. O mais im­por­tan­te, no mo­men­to, é que a cri­an­ça já foi en­con­tra­da”, ob­ser­va Vi­le­la. A denúncia da su­pos­ta venda do be­bê te­ria si­do fei­ta de for­ma anô­ni­ma, dia 18, ao Con­se­lho Tu­te­lar de Sa­ran­di, em ra­zão de a mãe ser re­si­den­te na­que­le mu­ni­cí­pio. No en­tan­to, di­an­te da in­for­ma­ção de que o be­bê te­ria si­do ven­di­do pa­ra um ca­sal de Ma­rin­gá, os con­se­lhei­ros aci­o­na­ram o Con­se­lho Tu­te­lar lo­cal. O be­bê foi en­con­tra­do na ma­nhã de sex­ta-fei­ra e en­ca­mi­nha­do a um abri­go. Após ou­vir al­guns dos en­vol­vi­dos, co­mo a mãe e o ca­sal que te­ria com­pra­do o be­bê, o con­se­lhei­ro tu­te­lar Car­los Bon­fim, de Ma­rin­gá, no­tou não haver consenso e ló­gi­ca nas afir­ma­ções­do­sen­vol­vi­dos.

O con­se­lho des­co­briu que o me­ni­no nas­ceu dia 15 na San­ta Casa e que a mãe for­ne­ce­ra um en­de­re­ço, em Ma­rin­gá, co­mo lo­cal de re­si­dên­cia. Os con­se­lhei­ros fo­ram ao imó­vel, mas a mãe não foi en­con­tra­da. No en­tan­to, uma mo­ra­do­ra re­pas­sou o con­ta­to do ca­sal que estava com a cri­an­ça.

Ini­ci­al­men­te, o ho­mem te­ria afir­ma­do que era o pai do be­bê, mas ao che­gar na de­le­ga­cia mudou a ver­são e dis­se que a mãe da cri­an­ça é quem ha­via di­to que ele era o pai. Ain­da se­gun­do o con­se­lho, a com­pa­nhei­ra do ho­mem te­ria acom­pa­nha­do to­da a gravidez da mãe e a aju­da­do com co­mi­da e dinheiro. Ela tam­bém te­ria se apre­sen­ta­do no hos­pi­tal co­mo tia do be­bê e acom­pa­nha­do o par­to.

A mãe, por sua vez, alegou aos con­se­lhei­ros que o be­bê ha­via si­do sub­traí­do pe­lo ca­sal. Ela che­gou a ser le­va­da à de­le­ga­cia, on­de sus­ten­tou a ver­são do rap­to, mas a hi­pó­te­se foi des­car­ta­da, já que não ha­via re­gis­tro de bo­le­tim de ocor­rên­cia.

Se­gun­do Bon­fim, o ho­mem acei­tou fa­zer exa­me de DNA pa­ra sa­ber se é o pai do be­bê. Até que a si­tu­a­ção se­ja re­sol­vi­da, a cri­an­ça per­ma­ne­ce­rá no Abri­go Mu­ni­ci­pa­lemMa­rin­gá.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.