Vo­ta­ção co­me­ça entre 5 e 12 de ju­nho, diz Maia

O Diario do Norte do Parana - - ECONOMIA - Agên­cia Estado eco­no­mia@odi­a­rio.com

Pro­pos­ta pre­ci­sa ser apre­ci­a­da em dois tur­nos pe­los de­pu­ta­dos Pre­si­den­te da Câ­ma­ra su­ge­re “diálogo” em mo­men­to de cri­se

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anun­ci­ou na tar­de de on­tem que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia co­me­ça­rá a ser vo­ta­da no ple­ná­rio da casa entre os di­as 5 e 12 de ju­nho. Por se tra­tar de uma mu­dan­ça na cons­ti­tui­ção, a pro­pos­ta pre­ci­sa passar por du­as vo­ta­ções no ple­ná­rio e, pa­ra ser apro­va­da, pre­ci­sa de pe­lo me­nos 308 vo­tos fa­vo­rá­veis.

Maia re­co­nhe­ceu que, des­de quar­ta-fei­ra pas­sa­da, o Bra­sil vi­ve uma cri­se “mui­to gran­de”, após o pre­si­den­te Michel Temer ser ci­ta­do pe­la de­la­ção de exe­cu­ti­vos do gru­po JBS. Cri­se que, na ava­li­a­ção, de Maia, pre­ci­sa ser su­pe­ra­da com “mui­ta pa­ci­ên­cia e diálogo”.

Se­gun­do o pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, es­se é um mo­men­to “de­li­ca­do”, mas ca­be aos pre­si­den­tes dos po­de­res cum­pri­rem seus pa­péis. “À Câ­ma­ra,ca­be­le­gis­la­re­va­mos­le­gis­lar pa­ra ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de do País”, dis­se.

Rodrigo Maia afir­mou que, mesmo em meio à cri­se, es­pe­ra vo­tar nes­ta se­ma­na ma­té­ri­as econô­mi­cas im­por­tan­tes, entre elas o pro­je­to que tra­ta da con­va­li­da­ção de in­cen­ti­vos fis­cais con­ce­di­dos por Es­ta­dos a em­pre­sas sem au­to­ri­za­ção do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Po­lí­ti­ca Fa­zen­dá­ria (Con­faz), a cha­ma­da “guer­ra fis­cal”, previsto pa­ra es­ta ter­ça­fei­ra. Ou­tra pau­ta que de­ve ser vo­ta­da, se­gun­do ele, se­rá a me­di­da­pro­vi­só­ria(MP)doRe­fis.

Mei­rel­les

Na ava­li­a­ção foi pe­lo ministro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les, a cri­se po­lí­ti­ca de­fla­gra­da na se­ma­na pas­sa­da po­de atra­sar a agenda econô­mi­ca de re­for­mas “em al­gu­mas se­ma­nas”, dis­se ele em te­le­con­fe­rên­cia com in­ves­ti­do­res e cli­en­tes do banco JP Mor­gan. Na te­le­con­fe­rên­cia em in­glês, o ministro foi ques­ti­o­na­do se eventual atra­so na tra­mi­ta­ção das re­for­mas no Con­gres­so se­ria em “se­ma­nas ou me­ses”. “Mi­nha opi­nião é em ter­mos de se­ma­nas”, dis­se ao in­ves­ti­dor.

Du­ran­te a fa­la ini­ci­al, o ministro da Fa­zen­da re­co­nhe­ceu que a cri­se po­lí­ti­ca po­de “mudar a pro­gra­ma­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia”, mas Mei­rel­les re­pe­tiu dis­cur­so já fei­to em ou­tras oca­siões de que o im­por­tan­te é a apro­va­ção do te­ma.

“O pon­to prin­ci­pal é que (a re­for­ma) vai mos­trar os re­sul­ta­dos”, dis­se o ministro, ao co­men­tar que mui­ta gen­te o ques­ti­o­na so­bre eventual atra­so de um ou dois me­ses. “Na ver­da­de, o im­por­tan­te é a con­fi­an­ça de que se­rá apro­va­do.”

Re­for­ma tra­ba­lhis­ta

Em mais uma de­mons­tra­ção de ali­nha­men­to com o go­ver­no, o pre­si­den­te do PSDB e da Co­mis­são de As­sun­tos Econô­mi­cos (CAE) do Se­na­do, Tas­so Je­reis­sa­ti (CE), anun­ci­ou jun­ta­men­te com o re­la­tor da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, o tu­ca­no Ri­car­do Fer­ra­ço (ES), que o pa­re­cer do pro­je­to se­rá li­do nor­mal­men­te na co­mis­são, ho­je, e que o ca­len­dá­rio de tra­mi­ta­ção da re­for­ma es­tá man­ti­do. “A re­for­ma não é uma ques­tão de go­ver­no, mas de País”, afir­mou ele.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.