Mil ve­zes Odil­la Mes­tri­ner

A SA­GA DE ODIL­LA MES­TRI­NER

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Luiz de Car­va­lho car­va­lho@odi­a­rio.com

Pu­bli­ca­ção reú­ne inú­me­ras obras de ar­tis­ta que dei­xou ex­ten­so le­ga­do em mu­seus bra­si­lei­ros Li­vro foi or­ga­ni­za­do pe­lo ma­rin­ga­en­se An­to­nio Mes­tri­ner, ir­mão da ar­tis­ta plás­ti­ca que mor­reu em 2009

A pin­to­ra bra­si­lei­ra Odil­la Mes­tri­ner, que mor­reu em 2009 aos 80 anos, dei­xan­do obras nos prin­ci­pais mu­seus bra­si­lei­ros e mesmo em ou­tros paí­ses, tem sua vi­da con­ta­da no li­vro “A sa­ga de Odil­la Mes­tri­ner”, que traz um ca­tá­lo­go com mais de mil tra­ba­lhos da ar­tis­ta, in­di­ca­ção de on­de se en­con­tram seus qua­dros e ro­tei­ro das ex­po­si­ções re­a­li­za­das.

Con­tan­do a vi­da for­ma cro­no­ló­gi­ca, com de­ta­lhes que só al­guém mui­to ín­ti­mo po­de­ria co­nhe­cer e com sumário em In­glês, “A sa­ga” é es­cri­to pe­lo mé­di­co gi­ne­co­lo­gis­ta e obs­te­tra ma­rin­ga­en­se An­to­nio Mes­tri­ner, ir­mão de Odil­la que mo­ra em Ma­rin­gá des­de 1964 e foi Au­tor: An­to­nio Mes­tri­ner Editora Co­ru­ja Nú­me­ro de pá­gi­nas: 250 www.edi­to­ra­co­ru­ja.com.br sócio de al­guns dos mais im­por­tan­tes hos­pi­tais da cidade, co­mo o San­ta Cruz, Ma­rin­gá e San­ta He­le­na. O ir­mão au­tor faz fluir lem­bran­ças con­ti­das den­tro de si, der­ra­man­do-as em ca­ma­das, or­ga­ni­za­das cro­no­lo­gi­ca­men­te.

O vo­lu­me em ca­pa du­ra foi edi­ta­do pe­la Editora Co­ru­ja, de Ri­bei­rão Pre­to, e já po­de ser en­con­tra­do nas li­vra­ri­as de Ma­rin­gá.

Pre­fa­ci­a­do pe­lo es­cri­tor Lau­ren­ti­no Gomes, au­tor dos best sel­lers “1808” e “1922”, o li­vro é mais um ins­tru­men­to pa­ra a pre­ser­va­ção da his­tó­ria e obra de Odil­la. Já exis­te um ins­ti­tu­to com o nome da ar­tis­ta e ela é des­ta­que em vá­ri­os ca­nais de di­vul­ga­ção das ar­tes bra­si­lei­ras, entre eles o Itaú Cul­tu­ral.

“Es­te li­vro le­vou o nome de ‘Sa­ga’ por­que a vi­da de Odil­la re­al­men­te foi uma sa­ga”, con­ta o au­tor. “Ela era uma ar­tis­ta do in­te­ri­or, sem­pre vi­veu em Ri­bei­rão Pre­to, au­to­di­da­ta que te­ve que con­cor­rer com os gran­des no­mes da pin­tu­ra do pós­mo­der­nis­mo, mesmo as­sim foi uma ven­ce­do­ra, com participação em se­te Bi­e­nais In­ter­na­ci­o­nais, ga­nhou o res­pei­to de ar­tis­tas e crí­ti­cos do Bra­sil e de ou­tros paí­ses, te­ve su­as obras em im­por­tan­tes ex­po­si­ções e es­tá pre­sen­te nos prin­ci­pais mu­seus de ar­tes do Bra­sil”.

O tes­te­mu­nho de quem co­nhe­ceu e con­vi­veu com a ar­tis­ta des­de a in­fân­cia, viu o ta­len­to des­per­tan­do na cri­an­ça que pin­ta­va com ma­te­ri­ais rús­ti­cos em pa­pel de em­bru­lho e ain­da me­ni­na re­tra­ta­va a mãe, o pai, ir­mãos, fru­tas e flo­res, é ri­ca­men­te ilus­tra­do com al­gu­mas das mais im­por­tan­tes obras de Mes­tri­ner.

—FOTO: REPRODUÇÃO

OBRA. ”Ga­tos em na­mo­ro”, de 1965: nan­quim e co­la­gem: com a te­la, Odil­la par­ti­ci­pou da Bienal Internacional de SP.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.