Nós e eles

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

É mui­to co­mum que, quan­do os fi­lhos in­gres­sam no En­si­no Mé­dio, re­ce­bam dos pais uma au­to­no­mia que, até en­tão, não ha­via no Fun­da­men­tal II. É co­mo se, ao en­trar pa­ra es­se ní­vel de en­si­no, o ado­les­cen­te pre­ci­sas­se ca­mi­nhar pe­las pró­pri­as per­nas, ser mais in­de­pen­den­te e dar con­ta so­zi­nho das su­as res­pon­sa­bi­li­da­des na es­co­la. Es­sa vi­são faz sen­ti­do, mas a tran­si­ção pre­ci­sa ser vi­vi­da com equi­lí­brio. É cla­ro que, com 14 ou 15 anos, por exem­plo, es­pe­ra-se que um alu­no con­si­ga re­sol­ver a mai­o­ria das su­as pen­dên­ci­as es­co­la­res, mas não se de­ve ima­gi­nar que ele te­nha ma­tu­ri­da­de pa­ra or­ga­ni­zar seus es­tu­dos sem a in­ter­ven­ção de um adulto. Con­ce­der opor­tu­ni­da­des pa­ra que os ado­les­cen­tes fa­çam su­as es­co­lhas e as­su­mam as con­sequên­ci­as de­las é im­por­tan­te, mas ja­mais de­ve­mos nos es­que­cer que é pre­ci­so con­ti­nu­ar mo­ni­to­ran­do sua ro­ti­na. Além do mais, a pre­sen­ça da fa­mí­lia é im­pres­cin­dí­vel à for­ma­ção de­les, tal­vez com mais in­ten­si­da­de ain­da na ado­les­cên­cia. Nes­sas ho­ras, mui­tos pais e mães fi­cam per­di­dos por­que pa­re­ce que exis­te um abis­mo en­tre as ge­ra­ções. O diá­lo­go se tor­na di­fí­cil por­que o si­lên­cio ju­ve­nil vai mi­nan­do as chan­ces de con­ver­sa. Ou en­tão não é a fal­ta de pa­la­vras que atra­pa­lha o re­la­ci­o­na­men­to, mas a di­fi­cul­da­de de com­pre­en­der a lin­gua­gem da me­ni­na­da. Sem­pre di­go em mi­nhas pa­les­tras que, ao con­trá­rio do de­se­jo da mai­o­ria, não exis­te re­cei­ta, se­gre­do ou fór­mu­la pa­ra acom­pa­nhar es­sa fa­se da vi­da dos nos­sos fi­lhos, mas de uma coi­sa te­nho cer­te­za: pre­ci­sa­mos per­sis­tir. É fa­to que a nos­sa di­fe­ren­ça de ida­de às ve­zes nos afas­ta, mas se en­ga­na quem acha que as pon­tes en­tre nós e es­sa fai­xa etá­ria são im­pos­sí­veis de ser cons­truí­das. Elas são ape­nas de­sa­fi­a­do­ras. Pen­sei nis­so por­que, há pou­cos di­as, ti­ve a opor­tu­ni­da­de de vi­ver um mo­men­to mui­to es­pe­ci­al, que apro­xi­mou ge­ra­ções. Alu­nos do Fun­da­men­tal II e do En­si­no Mé­dio e su­as mães fo­ram con­vi­da­dos pe­lo co­lé­gio on­de tra­ba­lho pa­ra uma fes­ta dos anos 1970 e 1980. Me­ni­nos e me­ni­nas de 10 a 17 anos pas­sa­ram al­gu­mas ho­ras nos em­ba­los de mú­si­cas que ser­vi­ram de tri­lha so­no­ra pa­ra os qua­ren­tões e cin­quen­tões de hoje. Te­ve Fre­né­ti­cas, RPM, Me­nu­dos, Trem da Ale­gria, Xu­xa, Bee Ge­es, Mi­cha­el Jack­son, Blitz, Sid­nei Ma­gal, en­tre ou­tros íco­nes des­sas dé­ca­das. E quem ima­gi­nou que eles fos­sem re­sis­tir ao agi­to se sur­pre­en­deu. Dan­ça­ram mui­to e se di­ver­ti­ram de ver­da­de. Sem cons­tran­gi­men­tos, sem ver­go­nha de es­ta­rem cur­tin­do o som das co­ro­as. Che­gou a ser emo­ci­o­nan­te as­sis­tir à ce­na. Quer di­zer, par­ti­ci­par de­la, por­que es­ti­ve co­mo pro­fes­so­ra e tam­bém co­mo mãe. Meu ca­çu­la e eu nos es­bal­da­mos, com di­rei­to a tra­je tí­pi­co: ele usou pe­ru­ca “black power”, no me­lhor es­ti­lo Tony Tor­na­do, e eu fui de ri­pon­ga. Pa­ra tor­nar a fes­ta ain­da mais nos­tál­gi­ca, ca­da con­vi­da­do trou­xe o fa­mo­so “pra­ti­nho” de do­ce ou sal­ga­do. Sim, por­que no pas­sa­do era mui­to di­fí­cil quem pu­des­se ban­car uma fes­ta so­zi­nho e es­ta his­tó­ria de to­do mundo ir pa­ra uma piz­za­ria e ca­da um pa­gar sua par­te nem era co­gi­ta­da. En­fim... co­mi­da, be­bi­da e mú­si­ca. Mães e fi­lhos. Foi uma mis­tu­ra con­ta­gi­an­te. Ver es­se en­con­tro em um mo­men­to de des­con­tra­ção con­fir­mou a mi­nha te­se de que, quan­do ofe­re­ce­mos opor­tu­ni­da­des, é pos­sí­vel que ha­ja es­sa sin­to­nia en­tre as ge­ra­ções. É cla­ro que não sou in­gê­nua a pon­to de acre­di­tar que eles não pre­fe­rem as ba­la­das atu­ais, mas, se sou­ber­mos con­du­zir as coi­sas, po­de­mos nos apro­xi­mar do uni­ver­so dos nos­sos fi­lhos e tam­bém fa­zê-los ex­pe­ri­men­tar o nos­so. Quan­do há es­sa apro­xi­ma­ção, fi­ca mais fá­cil acom­pa­nhar o de­sen­vol­vi­men­to de­les. Com­pre­en­der quan­do de­ve­mos fi­car a dis­tân­cia pa­ra ga­nha­rem mais in­de­pen­dên­cia e quan­do de­ve­mos per­to, aju­dan­do-os, ori­en­tan­do-os, co­bran­do-os. E os pu­nin­do, se ne­ces­sá­rio. De vez em quan­do al­guém ain­da me per­gun­ta co­mo aguen­to tra­ba­lhar com ado­les­cen­tes. Eu não aguen­to. Eu que­ro es­tar com eles. Quan­do es­tre­ei no ta­bla­do, meus alu­nos ti­nham en­tre 15 e 17 anos e eu, 24. Ago­ra, a pou­cos me­ses dos meus 44, con­ti­nu­am com 15, 16, 17. Ou se­ja: co­mo adul­ta, pre­ci­so me lem­brar da mi­nha res­pon­sa­bi­li­da­de e não de­vo me ren­der ao jei­to de ser des­sa fai­xa etá­ria, mas pos­so sim me ade­quar ao uni­ver­so em que a me­ni­na­da es­tá in­se­ri­da. Is­so va­le pa­ra mim co­mo pro­fes­so­ra e tam­bém co­mo mãe. Te­mos a nos­sa his­tó­ria. Nos­sos fi­lhos têm a de­les. O mais im­por­tan­te é sa­ber quais são os ca­pí­tu­los que es­cre­ve­re­mos jun­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.