An­ti­gas brin­ca­dei­ras de cri­an­ça

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Mary El­len Ro­sa­da Com­por­ta­men­to­se­va­lo­res

O de­sa­fio de es­ti­mu­lar as ati­vi­da­des sau­dá­veis em meio à era di­gi­tal

Qu­ei­ma­da, bets, fu­te­bol, brin­car de ro­da, pu­lar ama­re­li­nha, pe­ga­pe­ga, es­con­de-es­con­de, po­lí­cia e la­drão. Es­sas e ou­tras brin­ca­dei­ras fi­ze­ram par­te da nos­sa in­fân­cia. Mas até on­de, de­vi­do à era di­gi­tal, a ex­tin­ção de brin­ca­dei­ras an­ti­gas afe­ta o de­sen­vol­vi­men­to in­fan­til?

Hoje, mui­tas brin­ca­dei­ras ain­da es­tão pre­sen­tes no dia a dia de vá­ri­as cri­an­ças, mas al­go mu­dou, sim, e co­mo mu­dou. Se an­tes gran­de par­te dos pe­que­nos pas­sa­va o dia brin­can­do na rua com os ami­gos, hoje é ca­da vez mais co­mum ver­mos cri­an­ças den­tro de ca­sa a mai­or par­te do tem­po com ta­ble­tes, com­pu­ta­do­res e vi­de­o­ga­mes. Tal re­a­li­da­de foi acar­re­ta­da por di­ver­sos fa­to­res ao lon­go dos anos — co­mo o que­si­to “se­gu­ran­ça”, es­pe­ci­al­men­te em ci­da­des gran­des. Mas a tec­no­lo­gia tam­bém te­mum­de­do­nes­sahis­tó­ria.

Em um mundo cheio de es­tí­mu­los di­gi­tais, cer­tas brin­ca­dei­ras in­fan­tis en­tra­ram em ex­tin­ção. Bas­ta olhar qual­quer tí­pi­co play­ground de clas­se mé­dia bra­si­lei­ra pa­ra cons­ta­tar que brin­ca­dei­ras an­ti­gas, co­mo bo­ne­ca de pa­pel, ama­re­li­nha, car­ri­nho de ro­li­mã, peão, pe­te­ca, pi­pa e tan­tas ou­tras, pra­ti­ca­men­te não exis­tem mais. As cri­an­ças de hoje pa­re­cem pou­coin­te­res­sa­da­sem brin­que­dos que não se­jam apa­re­lhos ele­trô­ni­cos. A cha­ma­da Ge­ra­ção Y, pes­so­as que nas­ce­ram após os anos 1980, vi­ven­ci­ou mui­tos avan­ços tec­no­ló­gi­cos, cres­ci­men­to de di­ver­sos paí­ses que aca­ba­ram tor­nan­do-se po­tên­ci­as mun­di­ais, e pos­su­em uma vantagem em re­la­ção a ou­tras ge­ra­ções.

Já na Ge­ra­ção Z – os que per­ten­cem ao mundo tec­no­ló­gi­co e vir­tu­al - é im­pos­sí­vel ima­gi­nar um mundo sem in­ter­net, ce­lu­la­res, com­pu­ta­do­res, vi­de­o­ga­mes, te­le­vi­so­res e ví­de­os em al­ta de­fi­ni­ção e ca­da vez mais no­vi­da­des nes­te ra­mo. Sua vi­da é re­ga­da a mui­ta in­for­ma­ção, pois tu­do que acon­te­ce é no­ti­ci­a­do em tem­po re­al e mui­tas ve­zes es­se vo­lu­me imen­so aca­ba se tor­nan­do ob­so­le­to em pou­co tem­po. Es­tes tam­bém en­tram no mundo das tro­cas de men­sa­gens ins­tan­tâ­ne­as na in­ter­net e pe­lo ce­lu­lar.

Es­tu­dos com­pro­vam que as cri­an­ças da era di­gi­tal se de­sen­vol­vem ca­da vez mais rá­pi­das do pon­to de vis­ta in­te­lec­tu­al. Mas edu­ca­do­res aler­tam so­bre os ris­cos em re­la­ção ao de­sen­vol­vi­men­to emo­ci­o­nal das cri­an­ças.

De acor­do com a pro­fes­so­ra pós-gra­du­a­da em Edu­ca­ção es­pe­ci­al, Ba­cha­rel e Li­cen­ci­a­tu­ra em Edu­ca­ção Fí­si­ca, Aliny Re­na­ta Ca­bral, “a Era Di­gi­tal é vis­ta co­mou­ma­fer­ra­men­ta­que­pos­si­bi­li­ta ao alu­no inú­me­ros co­nhe­ci­men­tos e ex­plo­ra­ção de to­das as áre­as, po­rém é ne­ces­sá­rio que to­do cor­po do­cen­te es­te­ja do­mi­nan­do mui­to bem es­sa fer­ra­men­ta, as­sim co­mo o alu­no, pa­ra­queha­jaum­di­re­ci­o­na­men­to e um acom­pa­nha­men­to efe­ti­vo­des­ses­no­vos­sa­be­res”.

“Já den­tro do am­bi­en­te es­co­lar é ne­ces­sá­rio que ha­ja cau­te­la com o uso des­ses apa­re­lhos, pois nor­mal­men­te a es­co­la ofe­re­ce mul­ti­mí­dia e ou­tros am­pa­ros ele­trô­ni­cos pa­ra o en­ri­que­ci­men­to das au­las. A es­co­la pro­cu­ra­en­vol­ve­ro­sa­lu­no­sem­su­a­sa­ti­vi­da­des diá­ri­as com fer­ra­men­tas pró­pri­as e atu­a­li­za­das”, res­sal­ta a pro­fes­so­ra. O res­ga­te das brin­ca­dei­ras an­ti­gas de­vem se fa­zer pre­sen­te nas es­co­las, pois é atra­vés do brin­car que a cri­an­ça faz en­sai­os pa­ra a vi­da adul­ta, cri­an­do pa­ra si au­to­no­mia pa­ra to­mar de­ci­sões e re­sol­ver con­fli­tos. É no brin­car que a cri­an­ça re­pro­duz sua vi­da, seu dia a dia, vi­ven­do nos jo­gos e brin­ca­dei­ras seu mundo de fan­ta­sia, dei­ma­gi­na­ção.

Pa­ra a pro­fes­so­ra Aliny, “o res­ga­te das brin­ca­dei­ras an­ti­gas é im­por­tan­te, pois, além do tra­ba­lho­mo­tor,háum­tra­ba­lho­de­res­ga­te cul­tu­ral, em que as cri­an­ças apren­dem brin­ca­dei­ras que seus pais brin­ca­vam, pos­si­bi­li­tan­do as­sim uma mai­or in­te­ra­ção dos pais com seus fi­lhos. Um exem­plo é a brin­ca­dei­ra Es­cra­vos de Jó, em que re­a­li­zo uma adap­ta­ção, os mo­vi­men­tos são re­a­li­za­dos com o pró­prio cor­po enão­co­mu­mob­je­to”.

Ago­ra, a te­le­vi­são, o vi­de­o­ga­me de úl­ti­ma ge­ra­ção e o com­pu­ta­dor são ou­tros bons mo­ti­vos que fa­zem com que as cri­an­ças sai­a­main­da­me­nos­de­ca­sa—afi­nal, a di­ver­são en­con­tra-se lo­go ali, no con­for­to e na se­gu­ran­ça do quar­to ou da sa­la de es­tar. Por cau­sa dis­so, di­ver­sos es­tu­dos­fo­ra­me­con­ti­nu­am­sen­do­de­sen­vol­vi­dos a fim de res­pon­der a (po­lê­mi­ca) ques­tão: afi­nal, a tec­no­lo­gi­a­faz­malàs­cri­an­ças?

“A tec­no­lo­gia faz mal des­de que a es­co­la e a fa­mí­lia não sai­bam im­por li­mi­tes e di­re­ci­o­na­men­tos. É im­por­tan­te que a es­co­la e pro­fes­so­res es­te­jam aber­tos ao uso dos apa­re­lhos ele­trô­ni- cos, pois a ten­dên­cia é o au­men­to­das­tec­no­lo­gi­as.Qu­eha­ja­sem­pre o diá­lo­go, a tro­ca de co­nhe­ci­men­tos; e que os apa­re­lhos ele­trô­ni­cos se­jam uma fer­ra­men­ta e não úni­ca op­ção de apren­di­za­gem”, en­fa­ti­za a pro­fes­so­ra Aliny Ca­bral. Tan­to a tec­no­lo­gia atu­al qu­an­to a tra­di­ção an­ti­ga tra­zem apren­di­za­do quan­do uti­li­za­das nas brin­ca­dei­ras dos alu­nos. O se­gre­do é o equi­lí­brio en­tre os dois tem­pos. É pos­sí­vel mis­tu­rar os dois mun­dos. As es­co­las pre­ci­sam ter es­pa­ços li­vres e pre­ci­sam vol­tar a pen­sar na co­le­ti­vi­da­de.

O ato de brin­car é so­ci­al, pre- ci­sa ser en­si­na­do e vi­ven­ci­a­do com o ou­tro. As brin­ca­dei­ras an­ti­gas va­lo­ri­zam o abra­ço, o con­ta­to.

De­ve­mos acei­tar no­vas tec­no­lo­gi­as - elas têm o seu pa­pel -, mas vi­ve­mos em um mundo em que mui­tas­cul­tu­ras­se­mis­tu­ram,po­de­mos sim ab­sor­ver o no­vo e re­vi­ver o que exis­tiu de bom ao mes­mo­tem­po,nãoé­mes­mo?

“É im­por­tan­te que a es­co­la e pro­fes­so­res es­te­jam aber­tos ao uso dos apa­re­lhos ele­trô­ni­cos, pois a ten­dên­cia é o au­men­to das tec­no­lo­gi­as. Que ha­ja sem­pre o diá­lo­go, a tro­ca de co­nhe­ci­men­tos; e que os apa­re­lhos ele­trô­ni­cos se­jam uma fer­ra­men­ta e não úni­ca op­ção de apren­di­za­gem” fi­na­li­za a do­cen­te.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

AMA­RE­LI­NHA. É no brin­car que a cri­an­ça re­pro­duz sua vi­da, seu dia a dia, seu mundo de fan­ta­sia e ima­gi­na­ção.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

EDUCAR. Pro­fes­so­ra Aliny Ca­bral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.