Cor­po de Bom­bei­ros ame­a­ça fe­char pos­tos

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Nai­le­na Fai­an nai­le­na@odi­a­rio.com Res­sar­ci­men­to

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­diu que os mu­ni­cí­pi­os não po­dem mais cobrar ta­xa de in­cên­dio. O va­lor ar­re­ca­da­do anu­al­men­te por meio do Imposto Pre­di­al e Ter­ri­to­ri­al Ur­ba­no (IPTU) era re­pas­sa­do, no Pa­ra­ná, pa­ra o Fun­do de Re­e­qui­pa­men­to do Cor­po de Bom­bei­ros (Fun­re­bom). Com o fim da ta­xa, o Cor­po de Bom­bei­ros de Ma­rin­gá acre­di­ta que não vai con­se­guir man­ter em fun­ci­o­na­men­to os­seis­pos­tos­que­tem­na­ci­da­de.

Do­nos de imó­veis co­mer­ci­ais são ta­xa­dos con­for­me a me­tra­gem do imó­vel e a ati­vi­da­de exer­ci­da (co­mér­cio, in­dús­tria ou ser­vi­ço). Pa­ra imó­veis re­si­den­ci­ais, le­va-se­em­con­ta­a­me­tra­ge­me­se são­de­al­ve­na­ri­a­ou­ma­dei­ra.

Nos úl­ti­mos cin­co anos, Ma­rin­gá ar­re­ca­dou cer­ca de R$ 17,2 mi­lhões com o pa­ga­men­to da ta­xa de in­cên­dio. So­men­te até abril des­te ano, o fun­do re­ce­beu cer­ca R$ 3,5 mi­lhões. Es­se va­lor, con­for­me o ca­pi­tão Ni­val­do do Rê­go, do 5º Gru­pa­men­to do Cor­po de Bom­bei­ros, é des­ti­na­do pa­ra com­pras de equi- pa­men­tos, vi­a­tu­ras, ma­te­ri­ais e trei­na­men­to dos so­cor­ris­tas.

“Es­sa ar­re­ca­da­ção pro­por­ci­o­na a Ma­rin­gá ser um dos quar­téis mais bem equi­pa­dos da re­gião, com equi­pa­men­tos de qua­li­da­de, fro­ta no­va de veí­cu­los, tu­do pa­ra aten­der a po­pu­la­ção com pro­pri­e­da­de. Es­sa proi­bi­ção da ta­xa vai pre­ju­di­car mui­to aa­ti­vi­da­de­dos­bom­bei­ros.”

O Cor­po de Bom­bei­ros é um ór­gão do Es­ta­do, por­tan­to o go­ver­no­des­ti­naum­mon­tan­te­a­nu­al­men­te pa­ra man­tê-lo. En­tre­tan­to, com o qu­ar­tel cen­tral e mais cin­co pos­tos – Ma­rin­gá Ve­lho, Vi­la Ope­rá­ria, Jar­dim Al­vo­ra­da, Jar­dim Ae­ro­por­to e no dis­tri­to de Igua­te­mi –, o ca­pi­tão acre­di­ta que a ver­ba es­ta­du­al não se­rá su­fi­ci­en­te. “Vidas se­rão cei­fa­das por­que não va­mos ter con­di­ções de aten­der a de­man­da sem a con­tra­par­ti­da do mu­ni­cí­pio”, de­fen­de. A pre­fei­tu­ra in­for­mou que vai se reu­nir com o ór­gão e bus­car al­ter­na­ti­vas. A de­ci­são do STF, anun­ci­a­da quar­ta-fei­ra, de­fi­ne que os con­tri­buin­tes po­de­rão pe­dir res­sar­ci­men­to à pre­fei­tu­ra re­fe­ren­te aos úl­ti­mos cin­co anos. O se­cre­tá­rio de Fa­zen­da, Or­lan­do Chi­que­to, diz que os co­fres pú­bli­cos se­rão pre­ju­di­ca­dos. “Não en­ten­do a de­ci­são, por­que, in­di­vi­du­al­men­te,ova­lor­pa­go­não­com­pro­me­te o con­tri­buin­te. A ad­mi­nis­tra­ção­mu­ni­ci­pal­per­de­a­ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­to, já que vai ter que des­ti­nar di­nhei­ro pa­ra o res­sar­ci­men­to”, afir­ma.

Pa­ra o res­sar­ci­men­to, o con­tri­buin­te de­ve con­tra­tar ad­vo­ga­do pa­ra que se­ja fei­ta uma ação de re­pe­ti­ção de in­dé­bi­to. Tam­bém é pos­sí­vel en­trar com uma ação ci­vil pú­bli­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.