Um brin­de ao vi­nho na­ci­o­nal

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Edi­val­do Ma­gro edi­val­do­ma­gro@gmail.com

Não é no­vi­da­de que o bra­si­lei­ro be­be pou­co vi­nho. Há anos o con­su­mo per ca­pi­ta es­tá abai­xo dos dois li­tros por ha­bi­tan­te. Quan­do se sub­trai des­se nú­me­ro o con­su­mo do cha­ma­do ‘vi­nho de gar­ra­fão’, a fa­tia dos vinhos fi­nos en­co­lhe ain­da mais. O con­su­mi­dor na­ti­vo, ain­da que te­nha evo­luí­do o pa­la­dar nos úl­ti­mos anos e, por ex­ten­são, pres­ta­do mais aten­ção nos ró­tu­los na­ci­o­nais, dei­xa-se seduzir fa­cil­men­te pe­lo pro­du­to im­por­ta­do. Na­da con­tra. O apren­di­za­do no mun­do do vi­nho exi­ge in­fi­de­li­da­de, ou se­ja, a di­ver­si­da­de apu­ra o gos­to e am­plia co­nhe­ci­men­tos.

Mas cau­sa al­gum des­con­for­to quan­do a per­cep­ção de que o vi­nho lo­cal é ‘po­bre em aro- mas e sa­bo­res’, ex­pres­são que pas­sa bem lon­ge da ver­da­de. A op­ção pe­la be­bi­da ian­que, mui­tas ve­zes, es­tá mais as­so­ci­a­da ao es­no­bis­mo do que ao pa­la­dar su­pos­ta­men­te re­fi­na­do. Na prá­ti­ca, is­so sig­ni­fi­ca que o vi­nho na­ci­o­nal é tão bom qu­an­to aque­le pro­du­zi­do em qual­quer re­gião pro­du­to­ra do mun­do. Há con­tro­vér­si­as? Mui­tas. Re­fi­nar es­se de­ba­te é evo­car uma in­fi­ni­da­de enor­me de va­riá­veis que não ca­bem nes­te es­pa­ço – e mui­to me­nos a po­lê­mi­ca que o as­sun­to sus­ci­ta.

Nas úl­ti­mas três dé­ca­das a vi­ti­vi­ni­cul­tu­ra na­ci­o­nal evo­luiu. A qua­li­fi­ca­ção dos ró­tu­los na­ci­o­nais co­me­çou com a ado­ção de prá­ti­cas mais mo­der­nas na ges­tão de to­do o pro­ces­so pro­du­ti­vo – do plan­tio de va­ri­e­da­des mais adap­ta­das ao cli­ma e so­lo das re­giões pro­du­to­ras, pas­san­do pe­las ro­ti­nas e equi­pa­men­tos de vi­ni­fi­ca­ção até ro­tu­la­gem e co­mer­ci­a­li­za­ção. A as­ses­so­ria de pro­fis­si­o­nais re­pu­ta­dos no ex­te­ri­or, co­mo Michel Rol­land, a quem a evo­lu­ção da vi­ti­vi­ni­cul­tu­ra na­ci­o­nal de­ve al­gu­mas pe­dras, tam­bém foi im­por­tan­te pa­ra que o pro­du­to na­ti­vo al­can­ças­se re­per­cus­são in­ter­na­ci­o­nal.

A pro­te­ção à in­dús­tria com a proi­bi­ção das im­por­ta­ções ajudou nes­se pro­ces­so de evo­lu­ção nos anos de 1980, mas so­fre­ria um revés na dé­ca­da se­guin­te qu­an­to caí­ram as bar­rei­ras. O mer­ca­do na­ci­o­nal foi inun­da­do por ró­tu­los de qua­li­da­de du­vi­do- A in­fluên­cia in­ter­na­ci­o­nal no país tam­bém al­can­ça­va os ró­tu­los dos vinhos, que nos anos de 1980/90 re­ve­ren­ci­a­vam áre­as de­mar­ca­das do Ve­lho Mun­do (Champ­ga­ne, Cha­blis, Chi­an­ti...) e bus­ca­va al­gum re­fi­na­men­to no­bre com o uso de ex­pres­sões co­mo Con­de de Fou­cauld, Ba­ron de Lan­ti­er, Clos de No­bles, Mer­lot Ras­chi­at­ti, Mai­son Fo­res­ti­er, Katz Wein, Cos­te­bel, Châ­te­au Du­va­li­er…

O con­su­mi­dor mé­dio, exa­ta­men­te aque­le que a in­dús­tria en­xer­ga, ain­da dis­pen­sa aos ró­tu­los na­ci­o­nais um olhar en­vi­e­sa­do pa­ra mi­rar o pro­du­to im­por­ta­do, mui­tas ve­zes de qua­li­da­de du­vi­do­sa

sa e na proa des­sa in­va­são es­ta­va o ine­vi­tá­vel Li­e­brau­mil­ch, vi­nho bran­co ale­mão co­mer­ci­a­li­za­do no­paí­sem­gar­ra­fa­sa­zuis.

Du­ran­te os anos 1990, épo­ca em que o go­ver­no Col­lor abriu as im­por­ta­ções pa­ra o Bra­sil, o país vi­veu um fenô­me­no que, se­gun­do mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas, mu­dou ra­di­cal­men­te o mer­ca­do na­ci­o­nal de vinhos. É di­fí­cil al­guém que já con­su­mia al­gum ti­po de be­bi­da al­coó­li­ca na­que­la épo­ca, ou pe­lo me­nos que con­vi­via com al­guém que be­bia, não ter ti­do con­ta­to com o vi­nho da gar­ra­fa azul.

O Li­eb­frau­mil­ch, vi­nho bran­co de qua­li­da­de du­vi­do­sa fa­bri­ca­do na Ale­ma­nha, cau­sou uma re­vo­lu­ção de pro­por­ções ini­ma­gi­ná­veis no país. É in­te­res­san­te lem­brar que a ideia de en­gar­ra­far o Li­eb­frau­mil­ch em re­ci­pi­en­tes azuis foi uma jo­ga­da do im­por­ta­dor de bebidas Otá­vio Pi­va, pro­pri­e­tá­rio da Ex­pand, que con­ven­ceu o fa­bri­can­te do vi­nho a pro­du­zir gar­ra­fas na­que­la cor pa­ra en­vi­ar ao Bra­sil. Is­so por­que as pes­so­as ti­nham di­fi­cul­da­des em pe­dir o vi­nho pe­lo no­me. A es­tra­té­gia po­pu­la­ri­zou a pedida: ‘O vi­nho da gar­ra­fa azul’.

Por dois anos se­gui­dos, em 1997/98, o vi­nho li­de­rou as im­por­ta­ções e con­su­mo no país, trans­for­man­do-se num sur­pre­en­den­te ca­se de su­ces­so na área. O pa­la­dar se re­fi­na­ria nos anos se­guin­tes e um vi­nho na­ci­o­nal se des­ta­ca­ria: o Mar­cus Ja­mes, da Cooperativa Vi­ní­co­la Au­ro­ra, o pri­mei­ro ró­tu­lo na­ci­o­nal a pas­sar por carvalho. Im­por­tan­te lem­brar que o ró­tu­lo era ex­por­ta­do pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos des­de a dé­ca­da de 1980 e ga­nhou fa­ma en­tre os con­su­mi­do­res bra­si­lei­ros ao ser ser­vi­do em vo­os in­ter­na­ci­o­nais da Va­rig.

FO­TOS: DI­VUL­GA­ÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.