Di­na­marquês com so­ta­que fran­cês es­tá por trás do Pin­gus

O Diario do Norte do Parana - - GERAL -

“Um dos me­lho­res e mais ex­ci­tan­tes vinhos que já de­gus­tei até ho­je”, de­cla­rou nin­guém me­nos que o crí­ti­co nor­te-ame­ri­ca­no Ro­bert Par­ker, da Re­vis­ta Ro­bert Par­ker’s Wi­ne Ad­vo­ca­te, so­bre o Do­mí­nio de Pin­gus 1995, pri­mei­ra sa­fra do que vi­ria a se tor­nar um dos vinhos mais ra­ros de Ri­be­ra del Du­e­ro. Ape­nas 325 cai­xas fo­ram pro­du­zi­das na­que­le ano, a um pre­ço ini­ci­al de US$ 200 ca­da gar­ra­fa. Pe­ter Sis­seck é o no­me por trás des­ses ra­ros exem­pla­res. O di­na­marquês cres­ceu na Fran­ça, formou-se em eno­lo­gia e de­pois, nos anos 1990, se mu­dou pa­ra a Es­pa­nha, on­de fun­dou a Do­mí­nio de Pin­gus. Sis­seck ga­ran­te: o se­gre­do de seu su­ces­so es­tá no vi­nhe­do. “As vi­nhas das mi­nhas par­ce­las de terra são mui­to velhas”, co­me­ça a ex­pli­car o enó­lo­go so­bre as plan­tas que ul­tra­pas­sam os 70 anos. “Elas nun­ca fo­ram fer­ti­li­za­das ou re­ce­be­ram tra­ta­men­tos à ba­se de pes­ti­ci­das, e to­das cres­ce­ram se­guin­do o tra­di­ci­o­nal sis­te­ma ‘en va­so’ (quan­do as vi­nhas cres­cem li­vre­men­te). Elas são per­fei­tas”, con­clui.

Além do sis­te­ma de con­du­ção, ou­tro fa­tor que di­fe­ren­cia os vinhos da Do­mí­nio de Pin­gus é o tra­ta­men­to bi­o­di­nâ­mi­co re­a­li­za­do nos vi­nhe­dos. Es­ta foi a ma­nei­ra que o enó­lo­go escolheu, con­for­me afir­ma, pa­ra en­con­trar a sin­ce­ri­da­de nos vi­nhe­dos de Ri­be­ra del Du­e­ro, cu­jas prá­ti­cas eram ca­rac­te­ri­za­das pe­lo uso de in­su­mos agrí­co­las e pe­lo in­cen­ti­vo à quan­ti­da­de em vez da qua­li­da­de. De­pois do su­ces­so, o enó­lo­go di­na­marquês co­me­çou a am­pli­ar sua pro­du­ção, tor­nan­do seus vinhos re­la­ti­va­men­te mais aces­sí­veis. Co­nhe­ça os ró­tu­los:

Es­se é o seu vi­nho mais ra­ro. Fei­to 100% de Tem­pra­nil­lo. O vi­nho en­tra no cir­cui­to “cult” e são pro­du­zi­das cer­ca de seis mil gar­ra­fas, so­men­te nas me­lho­res sa­fras. Por es­se mo­ti­vo, não es­pe­re en­con­trá-lo to­dos os anos, e se qui­ser uma gar­ra­fa é ne­ces­sá­rio re­ser­vá-la com um bom tem­po de an­te­ce­dên­cia.

Es­se não é um vi­nho de se­gun­da li­nha, acre­di­te. O Flor de Pin­gus é pro­du­zi­do com a mes­ma uva: Tem­pra­nil­lo. A gran­de di­fe­ren­ça es­tá na lo­ca­li­za­ção dos vi­nhe­dos. Cer­ca de 60 mil gar­ra­fas são pro­du­zi­das anu­al­men­te e es­se ró­tu­lo cos­tu­ma ser mais in­ten­so, da­que­les que pe­dem anos de guar­da (de cin­co a 20)

Um dos tra­ba­lhos mais in­te­res­san­tes do enó­lo­go Pe­ter Sis­seck é o de dei­xar co­mo he­ran­ça pa­ra a re­gião es­pa­nho­la de Ri­be­ra del Du­e­ro uma vi­ti­vi­ni­cul­tu­ra mais cons­ci­en­te. O vi­nho Psi, por exem­plo, é fru­to de um pro­je­to que se­le­ci­o­na al­guns agri­cul­to­res da re­gião e os es­ti­mu­la a pro­du­zi­rem uvas mais sau­dá­veis e de mai­or qua­li­da­de. O enó­lo­go acom­pa­nha o tra­ba­lho de­les du­ran­te o ano, e ao fi­nal do pe­río­do, com­pra as uvas. (Fon­te: Grand­cru.blogs­pot)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.