Jack Spar­row, o in­can­sá­vel

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Luiz Car­los Mer­ten Agência Es­ta­do

Após seis anos, Johnny Depp es­tá de vol­ta com o fil­me “Pi­ra­tas do Ca­ri­be” – A Vin­gan­ça de Sa­la­zar” Fil­me é o quin­to epi­só­dio da aven­tu­ra ins­pi­ra­da em brin­que­do de par­que te­má­ti­co da Dis­ney

Em ple­no Fes­ti­val de Can­nes, com 1.001 atra­ções de to­do o mun­do, a pri­mei­ra ses­são de “Pi­ra­tas do Ca­ri­be – A Vin­gan­ça de Sa­la­zar”, na tar­de de quar­ta­fei­ra, lo­tou as sa­las em que foi apre­sen­ta­da. Não era mais o pú­bli­co do fes­ti­val, em­bo­ra hou­ves­se mui­ta gen­te com cra­chás. Era o pú­bli­co pa­gan­te, que veio con­fe­rir o no­vo epi­só­dio da saga in­ter­mi­ná­vel de Jack Spar­row. O fil­me, lan­ça­do on­tem nos cinemas na­ci­o­nais, tem ain­da mais efei­tos que os an­te­ri­o­res. Traz al­gu­ma no­vi­da­de. A nar­ra­ti­va des­lo­ca-se de Spar­row pa­ra Henry Tur­ner, fi­lho de Will Tur­ner, que ser­ve­co­mo­fi­o­con­du­tor.

An­tes mes­mo de ser­mos apre­sen­ta­dos ao si­nis­tro Sa­la­zar, já sa­be­mos da mal­di­ção que atin­ge Will e que seu fi­lho vai ten­tar que­brar. Vo­cê, se é ti­e­te, sa­be que es­ta­mos fa­lan­do de Or­lan­do Blo­om, que ha­via su­mi­do, bem co­mo a per­so­na­gem de Kei­ra Knigh­tley. A “no­vi­da­de” é re­la­ti­va. Con­sis­te em vol­tar ao co­me­ço, in­clu­si­ve à ori­gem da mal­di­ção que trans­for­ma o ca­pi­tão es­pa­nho­lem­fan­tas­ma.

To­da es­sa gen­te – Henry, Jack, Sa­la­zar e uma fei­ti­cei­ra que tam­bém­quer­des­co­brir­su­ai­den­ti­da­de – pro­cu­ra um mí­ti­co tri­den­te que per­ten­ce ao deus do oce­a­no. O tri­den­te é aqui­lo que Al­fredHit­ch­cock­cha­ma­va­de“McGuf­fin”, o mo­tor da nar­ra­ti­va. O tema é ou­tra coi­sa. Pai e fi­lho, pai e fi­lha, e a lu­ta de Spar­row pa­ra re­cu­pe­rar seu na­vio e vol­tar a rei­nar­nos­ma­res.

Re­per­cu­tiu bas­tan­te aqui em Can­nes uma entrevista do pro­du­tor Jer­ry Bruckhei­mer na re­vis­ta Le Film Fran­çais, ex­pli­can­do por­que o quin­to fil­me da sé­rie de­mo­rou tan­to a sair – seis anos. O pri­mei­ro pro­ble­ma é que a sé­rie to­da exis­te em fun­ção de JohnnyDep­pe­da­su­ain­ter­pre­ta­ção­a­fe­ta­da­do­pi­ra­ta­doCa­ri­be.

Pa­ra o mun­do, Depp di­zia ha­ver en­cer­ra­do es­se ci­clo, mas o de­sem­pe­nho de seus fil­mes re­cen­tes na bi­lhe­te­ria foi tão de­sas­tro­so que só Jack Spar­row pa­ra res­sus­ci­tá-lo na in­dús­tria. Lon­ge dos ho­lo­fo­tes, ele deu seu aval,mas­con­di­ci­o­nan­do­o­re­tor­no à his­tó­ria. Foi Jeff Nathan­son, o ro­tei­ris­ta de “In­di­a­na Jones e o Rei­no da Ca­vei­ra de Cris­tal”, que trou­xe­a­so­lu­ção,cri­an­do­os­con­fli­tos fa­mi­li­a­res, en­tre pais e fi­lhos. Só pa­ra lem­brar, o “Rei­no” já era a his­tó­ria do re­en­con­tro de Indy­com­seu­fi­lho.

As­tro e es­tú­dio de­ram seu OK, mas a Dis­ney não pri­o­ri­zou o fil­me na or­dem de su­as pro­du­ções. “Pi­ra­tas” en­trou nu­ma fi­la de es­pe­ra com os block­bus­ters da Mar­vel, da Pi­xar e, cla­ro, com a mí­ti­ca sé­rie “Star Wars”. Bruckhei­mer já an­te­ci­pou a Le Film Fran­çais que Depp e o es­tú­dio es­tão dis­pos­tos a fa­zer uma sex­ta aven­tu­ra, mas vai de­pen­der de pú­bli­co e crí­ti­ca. O pú­bli­co es­tá re­a­gin­do abai­xo da ex­pec­ta­ti­va – 33% de apro­va­ção no si­te Rot­ten To­ma­to­es. A crí­ti­ca tor­ce o na­riz. Na­tu- ral, por­que “A Vin­gan­ça de Sa­la­zar” apos­ta no “mais” e co­lhe “me­nos”. Mais efei­tos, um to­bo­gã de in­ci­den­tes na tra­ma, mas tu­do meio re­pe­ti­ti­vo.

Fal­tam a leveza e a ori­gi­na­li­da­de do pri­mei­ro fil­me, que con­se­guiu re­no­var as aventuras nos ma­res. Es­se gê­ne­ro es­pe­cí­fi­co era con­si­de­ra­do es­go­ta­do. Até o “Pi­ra­tas” de Ro­man Po­lans­ki, tam­bém far­ses­co, foi um fra­cas­so mo­nu­men­tal. O se­gre­do tal­vez te­nha es­ta­do to­do Di­re­ção: Jo­a­chim Røn­ning e Es­pen Sand­berg Gê­ne­ro: aven­tu­ra Du­ra­ção: 2h09­min. Clas­si­fi­ca­ção: 12 anos *Con­fi­ra na pá­gi­na D2 os ho­rá­ri­os dos fil­mes em car­taz nos cinemas da ci­da­de tem­po na per­so­na de Johnny Depp co­mo Jack Spar­row. Mas ago­ra até ele exa­ge­ra no exa­ge­ro. A so­lu­ção do ro­tei­ris­ta foi cri­ar o ca­sal jo­vem.

Com “A Vin­gan­ça de Sa­la­zar” ocor­re uma coi­sa – re­ve­la­do­ra? Bruckhei­mer, ape­sar de seu apre­ço pe­la sé­rie que já ren­deu US$ 3,7 bi­lhões, ad­mi­te que ho­je em dia es­tá mais ocu­pa­do com seus pro­je­tos de te­le­vi­são. No ci­ne­ma, e na sé­rie “Pi­ra­tas”, ele de­le­ga ca­da vez mais. Sua de­fi­ni­ção pa­ra Le Film Fran­çais: “Cer­quei­me de uma equi­pe for­mi­dá­vel. Um pro­du­tor exe­cu­ti­vo fo­ra dos pa­drões, um di­re­tor ar­tís­ti­co ex­cep­ci­o­nal, mon­ta­do­res ge­ni­ais, o me­lhor di­re­tor de fo­to­gra­fia.”

So­bre a du­pla de di­re­to­res, Jo­a­quin Ron­ning e Es­pen Sand­berg, nem uma pa­la­vra. É a per­gun­ta que não quer ca­lar – Ron­ning e Sand­berg pos­su­em no ro­tei­ro um fil­me pa­ra lá de inex­pres­si­vo, “Ban­di­das”. O que os cre­den­ci­ou pa­ra uma pro­du­ção tão ca­ra e am­bi­ci­o­sa? Cer­ta­men­te não foi o ta­len­to, tal­vez o fa­to de se­rem o que em Hollywood se cha­ma de yes-men, di­re­to­res na­da au­to­rais, a ser­vi­ço das de­man­das­da­pro­du­ção. “A Vin­gan­ça de Sa­la­zar” tem pou­co mais de du­as ho­ras. Ter­mi­na bem, mas na mai­or par­te do tem­po pe­sa co­mo chum­bo. Bren­ton Thwai­tes e Kaya Sco­de­la­rio for­mam a no­va du­pla, Johnny Depp (Spar­row) e Ge­of­frey Rush (Bar­bos­sa) re­pe­tem seu nú­me­ro e Ja­vi­er Bar­dem acres­cen­ta mais um vi­lão (Sa­la­zar) a seu cur­rí­cu­lo.

Nu­ma ce­na, apa­re­ce o jo­vem Johnny Depp. Ops! Co­mo...? A ex­pli­ca­ção de Jer­ry Bruckhei­mer – ho­je em dia, tu­do é pos­sí­vel em ma­té­ria de efei­tos. Não foi pre­ci­so nem bus­car um só­sia de Depp e apli­car-lhe uma boa di­gi­ta­li­za­ção. Ele foi es­co­lhi­do pe­la tex­tu­ra da pele. Do res­tan­te, a má­qui­na (o com­pu­ta­dor) deu con­ta. A in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al só ain­da não subs­ti­tui bons di­re­to­res.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

NOS MA­RES. Ja­vi­er Bar­dem faz no­vo vi­lão no ci­ne­ma in­ter­pre­tan­do Sa­la­zar em “Pi­ra­tas do Ca­ri­be - A Vin­gan­ça de Sa­la­zar”: fil­me en­trou em car­taz on­tem nos cinemas de Ma­rin­gá.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.