Trono va­zio

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Ho­je eu vi uma mu­lher grá­vi­da chei­ran­do um me­lão. O me­lão es­ta­va lin­do. Ela tam­bém. Não sei se te­ria re­pa­ra­do se o me­lão ou mu­lher fos­sem fei­os. Em ge­ral, olha­mos mais – e me­lhor – pa­ra as coi­sas bonitas do mun­do. Só da­mos aten­ção a elas. As coi­sas sem be­le­za po­dem pas­sar, tro­pe­çar em nos­sa som­bra, mas não nos im­por­ta­mos. Não qu­e­re­mos ver. Não qu­e­re­mos ver a fo­me, não qu­e­re­mos ver o me­do. Não qu­e­re­mos ver o mal que fa­ze­mos aos ou­tros, mas fa­ze­mos. Te­nho me­do, con­fes­so. Mi­nha es­pe­ran­ça min­gua­da só re­a­pa­re­ce quan­do ve­jo ce­nas tão be­las qu­an­to uma mu­lher grá­vi­da chei­ran­do um ama­re­lo me­lão. Não sei en­ten­der co­mo um mun­do que com­por­ta tan­ta vi­da, tam­bém faz ques­tão de ma­tar tan­to. Quem já viu uma mu­lher grá­vi­da sa­be, a vi­da é um des­ses mi­la­gres que dá von­ta­de de rir e cho­rar ao mes­mo tem­po. Quem já sen­tiu o chei­ro de um me­lão ma­du­ro sa­be que o perfume que sai da terra é ini­gua­lá­vel. Quem já viu os céus es­tam­pan­do estrelas miú­das na co­ber­tu­ra do mun­do sa­be, a vi­da não é tão pou­co, a vi­da é o pró­prio sa­gra­do se trans­for­man­do em ma­té­ria. Mas, con­fes- so, te­nho me­do. Te­nho me­do por­que há mui­ta vi­o­lên­cia. A vi­o­lên­cia é con­sequên­cia de um de­sa­mor inex­pli­cá­vel. Aliás, po­de-se até ex­pli­car, mas ca­re­ce de jus­ti­ça o acei­tar. Faz to­do sen­ti­do que uma pes­soa que pas­se a vi­da to­da que­ren­do uma ca­sa e um car­ro se­jam cor­rup­tí­veis an­te a qual­quer pe­ca­do. O pro­ble­ma é que o cen­tro da vi­da do nos­so ci­da­dão co­mum é com­prar uma coi­sa qual­quer. Ama-se mui­to o ter. Aliás, exis­te um de­se­jo, um fe­ti­che, pe­lo con­su­mo tão for­te que já não exis­te a ne­ces­si­da­de do amor. Dei­xa-se de la­do o ca­ri­nho que é pró­prio de tu­do aqui­lo que é hu­ma­no em prol da aqui­si­ção de brin­que­dos per­ver­sos que não são na­da ne­ces­sá­ri­os ao vi­ver. Eu não pre­ci­so de tu­do que eu te­nho, mas qu­e­ro ain­da mais coi­sas. Es­sa é uma ló­gi­ca do­en­te. E é por is­so que as pes­so­as se ven­dem, as em­pre­sas se ven­dem, os po­lí­ti­cos se ven­dem. Quem se esquece de ser hu­ma­no es­pa­lha me­do pe­lo mun­do e nos­so mun­do es­tá cheio de me­do. Nós so­mos a vi­o­lên­cia que se es­pa­lha pe­lo mun­do, mas não de­ve­ría­mos ser. De­ve­ría­mos ser o que de fa­to so­mos, hu­ma­nos. Não sei qual se­rá o fu­tu­ro do nos­so País. Não sei qual se­rá o fu­tu­ro da po­lí­ti­ca. Não ou­so di­zer quem ocu­pa­rá o pla­nal­to da­qui a uns di­as, mas pos­so di­zer com con­vic­ção que, quan­do o trono es­tá va­zio, o me­do to­ma con­ta do po­der. O me­do es­tá nos go­ver­nan­do. Por que vi­ve­mos no rei­no do me­do se o mi­la­gre da exis­tên­cia es­tá dis­po­ní­vel a to­dos e a ca­da um de nós? Se ain­da sou­bés­se­mos amar um pou­co, o me­do to­do iria em­bo­ra e nos­so es­ta­do se equi­li­bra­ria e não per­de­ría­mos nos­sas vidas de­se­jan­do qual­quer coi­sa que não te­mos. Ho­je eu vi uma mu­lher chei­ran­do um me­lão vo­lup­tu­o­sa­men­te ama­re­lo. Te­nho es­pe­ran­ça de que a cri­an­ça que pas­sa­rá a vi­ver nun­ca co­nhe­ça nos­so mun­do. Es­pe­ro que a cri­an­ça se­ja mais en­si­na­da a amar do que a ga­nhar di­nhei­ro. Es­pe­ro que ela não se­ja mais um ide­a­lis­ta do me­do, ter­ro­ris­ta so­ci­al pre­gan­do o ódio a tu­do aqui­lo que não ca­be na cai­xi­nha pe­que­na da ve­lha mo­ral. A re­pú­bli­ca es­tá fa­li­da sim, mas nos­sos co­ra­ções tam­bém. Nos­sos co­ra­ções são re­fle­ti­dos em nos­sa his­tó­ria de san­gue e vi­o­lên­cia. Pre­ci­sa­mos apren­der a vi­ver di­fe­ren­te. Pre­ci­sa­mos apren­der a vi­ver.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.