Ar­mas pa­ra mu­lhe­res e ‘Fo­ra PT’

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Luiz de Carvalho carvalho@odi­a­rio.com

Vin­da do de­pu­ta­do fe­de­ral a Ma­rin­gá foi mar­ca­da por ma­ni­fes­ta­ções de apoio e pro­tes­tos da es­quer­da Par­la­men­tar pa­rou pa­ra sel­fi­es e fez du­ras crí­ti­cas à po­lí­ti­ca e à eco­no­mia

“Ago­ra, vou tor­tu­rar es­ta gen­te!”, es­bra­ve­jou Jair Bol­so­na­ro (PSC) ao su­bir em uma ca­dei­ra no ple­ná­rio da Câ­ma­ra de Ma­rin­gá,em­bru­lha­do­po­ru­ma­ban­dei­ra do Bra­sil e sob gri­tos in­com­pre­en­sí­veis da pla­teia que lo­tou­o­ple­ná­ri­o­on­temà­tar­de.

É cla­ro que tan­to a fra­se qu­an­to o tom de voz fo­ram com iro­nia. O “es­ta gen­te” era um gru­po que se pos­tou à es­quer­da do sa­lão com uma bandeira do mo­vi­men­to gay e ou­tra da União Bra­si­lei­ra­dosEs­tu­dan­tesSe­cun­da­ris­tas (Ubes), que des­de a en­tra­da vai­a­va Bol­so­na­ro.

“So­mos mai­o­ria aqui. E é bom já ir se acos­tu­man­do que es­ta mi­no­ria já era. Nun­ca vi mi­no­ria tão in­sig­ni­fi­can­te. Cres­çam e apa­re­çam!”.

O dis­cur­so de Bol­so­na­ro na Câ­ma­ra du­rou três mi­nu­tos e era di­fí­cil en­ten­der as pa­la­vras, de­vi­do aos gri­tos de “mi­to”, “pre­si­den­te”, “ele exis­te!” e fra­ses de efei­to, co­mo “É bom já ir se acos­tu­man­do”, “um dois, três, qua­tro, cin­co, mil, que­re­mos Bol­so­na­ro pre­si­den­te do Bra­sil!”. O gru­po à es­quer­da tam­bém gri­ta­va al­gu­ma coi­sa, mas os gri­tos fo­ram aba­fa­dos pe­los dos sim­pa­ti­zan­tes.

Nem pa­ra o Hi­no Na­ci­o­nal a pla­teia fez si­lên­cio. Du­ran­te to­do o tem­po, o que se via eram bra­ços er­gui­dos, qua­se to­dos com ce­lu­lar fil­man­do. O gru­po con­trá­rio tam­bém per­ma­ne­ceu com a mão le­van­ta­da e o de­do mé­dio man­dan­do um re­ca­do ao pos­sí­vel can­di­da­to à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

O de­pu­ta­do mais po­lê­mi­co do País, prin­ci­pal­men­te pe­los dis­cur­sos de ata­ques a esquerdistas, cor­rup­tos, gays, ne­gros, ín­di­os e mu­lhe­res, veio a Ma­rin­gá a con­vi­te do de­pu­ta­do fe­de­ral Fernando Fran­cis­chi­ni (SD) e re­ce­beu apoio na ci­da­de do Mo­vi­men­to Pa­tri­o­tas do Bra­sil. Ele ad­mi­tiu que su­as an­dan­ças pe­lo País vi­sam uma pos­sí­vel can­di­da­tu­raàP­re­si­dên­ci­a­em2018.

“Não pos­so di­zer que sou can­di­da­to, pois is­to é con­tra a lei eleitoral, mas es­ta an­dan­ça me pre­pa­ra pa­ra uma pos­sí­vel dis­pu­ta se meu par­ti­do achar que de­vo ser can­di­da­to”, dis­se. “Te­nho uma men­sa­gem que o Bra­sil pre­ci­sa ou­vir e o po­vo pa­re­ce en­ten­der, pois mi­nha acei­ta­ção vem cres­cen­do.”

Acom­pa­nha­do por Fran­cis­chi­ni e seu fi­lho Edu­ar­do Bol­so­na­ro, de­pu­ta­do fe­de­ral pe­lo PSC, Bol­so­na­ro che­gou pe­la ma­nhã e o pri­mei­ro com­pro­mis­so foi fa­lar a in­te­gran­tes das po­lí­ci­as Mi­li­tar, Ci­vil e Fe­de­ral e da Gu­ar­daMu­ni­ci­pal­naU­ni­ce­su­mar.Es- tu­dan­te­sa­ju­da­ra­ma­lo­ta­ro­au­di­tó­rio e ou­vi­ram o pos­sí­vel pre­si­den­ciá­vel fa­zer du­ras crí­ti­cas ao atu­al mo­men­to do Bra­sil. “É um ca­os econô­mi­co, mo­ral, éti­co e po­lí­ti­co. O po­vo co­bra mu­dan­ças, mas elas não po­dem vir de uma­clas­se­po­lí­ti­ca­com­pro­me­ti­da­e­de­nun­ci­a­da­por­cor­rup­ção.”

Pa­ra ele, a cor­rup­ção não é no­va, mas nun­ca foi tão gran­de qu­an­to du­ran­te os go­ver­nos pe­tis­tas. “A cri­se não co­me­çou de on­tem pa­ra ho­je. A es­quer­da, atra­vés do po­pu­lis­mo, ven­den­do a per­fei­ção hi­po­té­ti­ca, le­vou a es­te ca­os. A cor­rup­ção sem­pre exis­tiu, mas não aos ní­veis da épo­ca do go­ver­no do PT. E a con­ta es­tá aí pa­ra ser pa­ga”.

Du­ran­te o dis­cur­so na Uni­ce­su­mar, Bol­so­na­ro le­vou a pla­teia ao de­lí­rio ao de­fen­der a li­ber­da­de pa­ra se por­tar ar­mas, des- ta­can­do­que­as­mu­lhe­res,prin­ci­pais ví­ti­mas de vi­o­lên­cia, de­ve­ri­a­man­da­rar­ma­das.

De­pois de al­mo­çar no par­que de ex­po­si­ções, ele foi pa­ra um en­con­tro com o po­vo na Câ­ma­ra e mais ou­viu do que fa­lou. O dis­cur­so foi cur­to e gros­so, mas o can­di­da­to a can­di­da­to não con­se­guia sair de­vi­do aos inú­me­ros pe­di­dos pa­ra sel­fi­es, abra­ços e elo­gi­os. Mas, em mo­men­to al­gum a pro­gra­ma­ção di­vul­ga­da so­freu atra­so. Na ho­ra mar­ca­da pa­ra en­cer­rar o en­con­tro, ele se des­pe­diu e foi pa­ra uma rá­pi­da vi­si­ta à Es­co­la de For­ma­ção, Aper­fei­ço­a­men­to e Es­pe­ci­a­li­za­ção de Pra­ças da Po­lí­cia Mi­li­tar, no Jar­dim No­vo Ho­ri­zon­te. Às 16h30, co­mo pro­gra­ma­do, o de­pu­ta­do, que já foi mi­li­tar e se ga­ba de sua pon­tu­a­li­da­de vin­da da dis­ci­pli­na da ca­ser­na, che­gou ao ae­ro­por­to. O que ele não es­pe­ra­va é que, em vez de 17 ho­ras, co­mo acha­va, seu avião só sai­ria às 18h30.

—FO­TO: JC FRAGOSO

MEIO DO PO­VO. Bol­so­na­ro dis­cur­sou rá­pi­do na Câ­ma­ra: ‘Ago­ra vou tor­tu­rar es­ta gen­te!’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.