Ao Su­pre­mo, Ro­dri­go Ja­not pe­de pa­ra in­ter­ro­gar Mi­chel Te­mer

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Agên­cia Es­ta­do ge­ral@odi­a­rio.com

Em so­li­ci­ta­ção a Fa­chin, pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca des­ta­ca que é ne­ces­sá­rio ra­pi­dez na in­ves­ti­ga­ção por­que há réu pre­so PGR tam­bém quer ou­vir Aé­cio Ne­ves e Ro­cha Lou­res

O pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ro­dri­go Ja­not, pe­diu au­to­ri­za­ção ao mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), pa­ra to­mar o qu­an­to an­tes o de­poi­men­to do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mi­chel Te­mer (PMDB), o senador afas­ta­do Aé­cio Ne­ves (PSDB-MG) e o de­pu­ta­do fe­de­ral Ro­dri­go Ro­cha Lou­res (PMDB-PR) no cur­so inqué­ri­to aber­to con­tra os três a par­tir da de­la­ção da JBS. Em re­la­ção ao de­poi­men­to de Te­mer, Ja­not dis­se a Fa­chin que a oi­ti­va de­ve acon­te­cer “nos mol­des a se­rem de­fi­ni­dos por Vos­sa Ex­ce­lên­cia Fa­chin”.

Ja­not afir­ma que, por ha­ver in­ves­ti­ga­dos pre­sos - An­drea Ne­ves e Frederico Pa­che­co de Me­dei­ros, ir­mã e pri­ma de Aé­cio, e Mendher­son Sou­za Li­ma -, o pra­zo pa­ra a con­clu­são da in­ves­ti­ga­ção por par­te da Po­lí­cia Fe­de­ral e da pró­pria apre­sen­ta­ção da de­nún­cia pe­la Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca(PGR)émais­cur­to.

“Con­ju­gan­do o re­gi­me pre­co­ni­za­do pe­lo Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal e pe­lo Re­gi­men­to In­ter­no do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, a Po­lí­cia Fe­de­ral tem o pra­zo de 10 di­as, con­ta­dos da re­a­li­za­ção da pri­são, pa­ra fi­na­li­zar as in­ves­ti­ga­ções e re­me­ter o inqué­ri­to pa­ra o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral, que, por sua vez, pos­sui o pra­zo de 5 di­as pa­ra ofe­re­cer de­nún­cia ou re­que­rer o ar­qui­va­men­to”, dis­se Ja­not.

“Há a ne­ces­si­da­de de ul­ti­ma­ção de inqué­ri­to no pra­zo aci­ma apon­ta­do em vir­tu­de de ha­ver in­ves­ti­ga­do pre­so, de­ven­do ser efe­ti­va­das di­li­gên­ci­as a fim de an­ga­ri­ar ele­men­tos a for­ma­ção da opi­nio de­lic­ti”, dis­se Ja­not. Além de ou­vir os in­ves­ti­ga­dos, Ja­not fa­lou que tam­bém é ne­ces­sá­rio ana­li­sar o ma­te­ri­al apre­en­di­do na Ope­ra­ção Pat­mos de bus­ca­e­a­pre­en­são,no­dia18.

Ou­tra pen­dên­cia no inqué­ri­to é a con­clu­são da pe­rí­cia dos áu­di­os das con­ver­sas gra­va­das pe­lo de­la­tor Jo­es­ley Ba­tis­ta, do Gru­po J&F. Ja­not co­men­ta que já con­cor­dou com a re­a­li­za­ção da aná­li­se da va­li­da­de dos áu­di­os.

Te­mer, Aé­cio e Ro­cha Lou­res são in­ves­ti­ga­dos por cor­rup­ção pas­si­va, cons­ti­tui­ção e par­ti­ci­pa­ção em or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa e obs­tru­ção à in­ves­ti­ga­ção de or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa.

Con­fis­são

Ja­not tam­bém afir­mou que Te­mer fez uma “con­fis­são es­pon­tâ­nea” du­ran­te os pro­nun­ci­a­men­tos pú­bli­cos re­a­li­za­dos após o es­cân­da­lo vir à to­na, ao ad­mi­tir o en­con­tro, à noi­te, com Jo­es­ley no Pa­lá­cio do Ja­bu­ru, o diá­lo­go so­bre pos­sí­vel cor­rup­ção de juí­zes, diá­lo­go so­bre a re­la­ção de Jo­es­ley com o ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra Edu­ar­do Cunha, e o fa­to de Te­mer ter in­di­ca­do o de­pu­ta­do afas­ta­do Ro­dri­go Ro­cha Lou­res pa­ra tra­tar de te­mas com o em­pre­sá­rio.

“Ocor­re que, em que pe­se Mi­chel Te­mer ale­gar ili­ci­tu­de da gra­va­ção e ques­ti­o­nar a in­te­gri­da­de téc­ni­ca des­ta, cum­pre res­sal­tar que, em pro­nun­ci­a­men­tos re­cen­tes, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não ne­gou o en­con­tro nem diá­lo­go no­tur­no e secreto com o co­la­bo­ra­dor JO­ES­LEY BA­TIS­TA, tam­pou­co ne­ga que o co­la­bo­ra­dor te­nha lhe con­fes­sa­do fa­tos cri­mi­no­sos gra­ves, o que de­man­da­ria, no mí­ni­mo, co­mu­ni­ca­ção de tais cri­mes as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes”, afir­mou Ja­not.

Ja­not in­ter­pre­tou que, nos pro­nun­ci­a­men­tos de Te­mer, hou­ve “con­fis­são no sen­ti­do de que os in­ter­lo­cu­to­res di­a­lo­ga­ram so­bre pos­sí­vel cor­rup­ção de agen­tes pú­bli­cos”.

O pro­cu­ra­dor-ge­ral ci­ta um tre­cho de dis­cur­so de Te­mer: “De­vo até re­gis­trar, de­vo até re­gis­trar, que é in­te­res­san­te qu­an­do os se­nho­res exa­mi­nam o seu de­poi­men­to e o áu­dio, os se­nho­res ve­ri­fi­cam que a co­ne­xão de uma sen­ten­ça a ou­tra, não a co­ne­xão de quem diz: olhe eu es­tou com­pran­do o si­len­cio de um ex-de­pu­ta­do e es­tou dan­do tan­to a ele. Não! A co­ne­xão é com a fra­se: ‘eu me dou mui­to bem com o ex-de­pu­ta­do, man­te­nho uma boa re­la­ção’, e eu dis­se: ‘man­te­nha is­so, viu?’ En­fa­ti­zou mui­to o ‘viu’.”

Em se­gui­da, Ja­not re­to­ma e diz que: “de fa­to, o que cons­ta des­se tre­cho do dis­cur­so e o re­co­nhe­ci­men­to por par­te do in­ves­ti­ga­do MI­CHEL TE­MER da exis­tên­cia do diá­lo­go com JO­ES­LEY e da boa re­la­ção en­tre JO­ES­LEY com EDU­AR­DO CUNHA”.

“A in­ter­pre­ta­ção do diá­lo­go e do que sig­ni­fi­ca es­ta anuên­cia por par­te do in­ves­ti­ga­do MI­CHEL TE­MER se­rá ava­li­a­da no mo­men­to da for­ma­ção da opi­nio de­lic­ti”, diz Ja­not.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.