Au­tóp­sia de um tem­po

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Pau­lo Cam­pag­no­lo* Es­pe­ci­al pa­ra O Diá­rio

Fes­te­ja­do co­mo obra-pri­ma e exem­plo de um no­vo ci­ne­ma ar­gen­ti­no, “O Pân­ta­no” é car­taz de ho­je pe­lo Con­vi­te ao Ci­ne­ma Exi­bi­ção é às 20 ho­ras, no Hé­lio Mo­rei­ra

A pa­la­vra au­tóp­sia, do gre­go, sig­ni­fi­ca “ver por si pró­prio”. Uma iro­nia, uma vez que o “ob­je­to” em ques­tão já não te­rá con­di­ções de ver mais na­da. Pa­ra is­so, ele con­ta­rá com o mé­di­co le­gis­ta. Es­te, mu­ni­do de ob­je­tos dig­nos dos pi­o­res fil­mes de hor­ror, pre­ci­sa ser cui­da­do­so, e mi­nu­ci­o­so, pa­ra não dei­xar “es­ca­par” na­da que por­ven­tu­ra pos­sa vir a ser a “pro­va” da mor­te da­que­le cor­po.

Seu olhar mi­cros­có­pi­co per­mi­ti­rá des­ven­dar os mis­té­ri­os do “de den­tro”, num tra­ba­lho, ima­gi­no, cer­ta­men­te pa­ra pou­cos. É mais ou me­nos des­sa ma­nei­ra que a di­re­to­ra ar­gen­ti­na Lu­cre­cia Mar­tel deu tra­ta­men­to a seu fil­me “O Pân­ta­no”, car­taz do Con­vi­te ao Ci­ne­ma de ho­je, às 20 ho­ras, no Au­di­tó­rio Hé­lio Mo­rei­ra. Ba­se­a­do em me­mó­ri­as pes­so­ais, che­ga a ser im­pres­si­o­nan­te co­mo es­se de­ta­lhe re­ver­be­ra no re­tra­to cor­ro­si­vo de uma so­ci­e­da­de que se trans­for­mou num “sin­to­ma” de uma cri­se que, à épo­ca, co­lo­cou a Ar­gen­ti­na­nu­ma­re­ces­são­vi­o­len­ta.

Da pri­mei­ra à úl­ti­ma ce­na, do pri­mei­ro ruí­do às úl­ti­mas pa­la­vras, “O Pân­ta­no” ab­sor­ve-nos na sua es­tag­na­ção, na sua umi­da­de, no seu prin­cí­pio de tra­gé­dia (anun­ci­a­da por vi­as tor­tas), na der­ro­ca­da ali­e­nan­te de su­as per­so­na­gens que se ar­ras­tam lân­gui­dos, bê­ba­dos e su­a­dos em tor­no de uma pis­ci­na de águas po­dres.

Fes­te­ja­do co­mo obra-pri­ma, o fil­me se trans­for­mou no mais em­ble­má­ti­co de um no­vo ci­ne- ma ar­gen­ti­no, que sur­giu no fi­nal da dé­ca­da de 1990 e que tra­du­zia os an­sei­os do país di­an­te da cri­se (econômica, po­lí­ti­ca e, por­con­sequên­cia,mo­ral).

Ra­di­cal­na­su­a­at­mos­fe­ra­pe­ga­jo­sa e per­tur­ba­dor no uso so­fis­ti­ca­do do ex­tra-cam­po (de sons e ima­gens), o fil­me nar­ra al­guns di­as de um ve­rão su­fo­can­te en­tre du­as fa­mí­li­as, na pro­vín­cia de Sal­ta. Me­cha e Ta­li são pri­mas. Am­bas têm qua­tro fi­lhos. Me­cha mo­ra num sí­tio com uma plan­ta­ção de pi­men­tões. Ta­li vai com a fa­mí­lia pa­ra o sí­tio. As cri­an­ças brin­cam, cor­rem. Por Di­re­ção: Lu­cre­cia Mar­tel Qu­an­do: ho­je, às 20h On­de: Au­di­tó­rio Hé­lio Mo­rei­ra (ane­xo à Pre­fei­tu­ra) Re­a­li­za­ção: Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Cultura Apoio: O Diá­rio, ma­rin­gá.com, e RPC Clas­si­fi­ca­ção: 16 anos En­tra­da fran­ca ve­zes aden­tram a flo­res­ta misteriosa ao re­dor.

Os fi­lhos mais ve­lhos, de Me­cha, es­par­ra­mam-se pe­las ca­mas. Pul­sões se­xu­ais aqui e ali. La­tên­ci­as in­ces­tu­o­sas. A ado­les­cen­te Mo­mi pa­re­ce apai­xo­na­da pe­la cri­a­da. Ques­tões de clas­se. Vi­o­lên­cia si­len­ci­o­sa em to­dos os âm­bi­tos. Um des­con­for­to. Um sen­ti­men­to de cons­tan­te in­qui­e­ta­ção. Um mun­do apar­ta­do na es­tra­nhe­za ab­sur­da da­qui­lo que é con­si­de­ra­do ba­nal e co­ti­di­a­no.

Aci­den­tes, ci­ca­tri­zes. De­ta­lhes. Tu­do re­si­de nos de­ta­lhes.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

VE­RÃO SU­FO­CAN­TE. Ce­na de “O Pân­ta­no”, fil­me ar­gen­ti­no em car­taz nes­te sábado: di­re­to­ra Lu­cre­cia Mar­tel se ba­se­ou em me­mó­ri­as pes­so­ais pa­ra com­por a obra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.