Uni­dos pe­los pe­los

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Se­ma­na de Lua Min­guan­te é qu­an­do nem os corações pe­lu­dos re­sis­tem à ce­ra quen­te. O ca­len­dá­rio lu­nar al­te­ra, sim, o cres­ci­men­to das ma­dei­xas e dos pe­los, fa­to com­pro­va­do ci­en­ti­fi­ca­men­te pe­la dou­to­ra mi­nha mãe e por mim tam­bém. Via de re­gra, é a se­ma­na da de­pi­la­ção. Mas es­se mês es­ti­ve nu­ma cor­re­ria tão gran­de, que a lua min­guan­te va­zou an­tes que eu che­gas­se à Depyl. Se­ria o aca­so? Fui de­pi­lar ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te no pri­mei­ro dia de Lua No­va. Che­guei às 16h, já pas­sa­va das 17h e eu es­ta­va lá sem es­pe­ran­ças de ser aten­di­da tão ce­do. O pre­ço da fi­de­li­da­de à de­pi­la­do­ra é al­to. Ou­tras dez pro­fis­si­o­nais es­tão à mi­nha dis­po­si­ção, mas fa­ço ques­tão de de­pi­lar com a Li­li­an, que já es­tá aten­den­do ou­tra cli­en­te e, na sequên­cia, irá aten­der es­sa mu­lher que es­tá ama­men­tan­do seu fi­lho de dois me­ses e que, por aca­so, não sen­tia uma ce­ra quen­te no cou­ro des­de as vés­pe­ras de dar a luz. Es­ta­va sen­ta­da na ca­dei­ra de fren­te pa­ra a por­ta, to­man­do um cap­puc­ci­no, com o olho no fe­ed do Ins­ta­gram e a ca­be­ça no car­dá­pio do al­mo­ço do dia se­guin­te, qu­an­do en­fim iria me re­en­con­trar com o Vi­ni. Já pu­bli­quei uma crô­ni­ca aqui fa­lan­do que há dois anos ele largou tu­do e to­dos pa­ra fa­zer uma mis­são re­li­gi­o­sa no Ce­a­rá e des­de en­tão só po­día­mos nos co­mu­ni­car por car­ta ou por bre­ves e-mails às se­gun­das-fei­ras. Não sei ago­ra, mas an­tes de de­di­car dois anos ex­clu­si­va­men­te a Deus, o Vi­ni sem­pre bo­tou mui­ta fé em mim. Em mim e nas mi­nhas idei­as, por mais mi­ra­bo­lan­tes que pu­des­sem ser. E o mais ma­ra­vi­lho­so é que eu ti­nha idei­as, e ele as exe­cu­ta­va me­lhor do que eu po­de­ria pre­ver. Na dé­ca­da que an­te­ce­deu o ad­ven­to do Whatsapp, es­ta­va eu, pe­ram­bu­lan­do pe­los bre­chós de Cu­ri­ti­ba, de re­pen­te me de­pa­ro com um so­fá de co-u-ro mar­rom, com di­rei­to à ca­pi­to­nê e tu­do mais. Li­guei pra ele na ho­ra, pas­sei a des­cri­ção do so­fá com to­dos os su­per­la­ti­vos que sa­bia e, na se­ma­na se­guin­te, es­ta­va lá o so­fá, di­van­do em ple­na sa­la da casa do Vi­ni. E a vez que eu en­fi­ei na ca­be­ça que um pro­te­tor so­lar ca­rís­si­mo com cor e tex­tu­ra de mous­se era a so­lu­ção pa­ra os nos­sos pro­ble­mas de au­to­es­ti­ma. Vi a be­le­zi­nha à ven­da na far­má­cia na­que­le es­que­ma: le­ve dois e pa­gue me­nos. Con­ven­ci­me de que pre­ci­sa­va da­qui­lo pa­ra vi­ver, e ele se con­ven­ceu do meu con­ven­ci­men­to. De­pois fi­ca­mos os dois, com a ca­ra to­da be­sun­ta­da co­mo se ti­vés­se­mos saí­do de den­tro de uma chur­ras­quei­ra. Com a Depyl não foi di­fe­ren­te, há qua­se dez anos, lo­go que a gen­te vi­rou ami­go, a Depyl sur­giu na mi­nha vi­da e, au­to­ma­ti­ca­men­te, na do Vi­ni tam­bém. E mais uma vez es­tou aqui com es­sa mi­nha ma­nia de que­rer quan­ti­fi­car as coi­sas pa­ra ci­tar da­dos com mais exa­ti­dão nas crô­ni­cas e sem­pre aca­bo me fer­ran­do. Cons­ta­tei que, além de ve­lha, tam­bém es­tou mais po­bre ao cal­cu­lar que já de­vo ter dei­xa­do na­da me­nos que uns do­ze mil na­que­le es­ta­be­le­ci­men­to. Meu ami­go Fe­li­pe, cor­re­tor de in­ves­ti­men­tos, que não me ou­ça, por­que, com es­se di­nhei­ro apli­ca­do, eu já es­ta­ria ryyyy­ca! O fa­to é que o Vi­ni tam­bém vi­rou as­sí­duo da Depyl. E além de­le, só du­as pes­so­as na vi­da lem­bra­ri­am o no­me da mi­nha de­pi­la­do­ra, uma de­las é mi­nha ir­mã e a ou­tra é qua­se. Vol­tan­do à sa­la de es­pe­ra, já em­bri­a­ga­da com o ter­cei­ro co­po de cap­puc­ci­no, quem abre a por­ta? O pró­prio. De­pois de mais de 700 di­as de dis­tân­cia pen­san­do co­mo que se­ria en­con­trar com ele de no­vo, não che­guei a vis­lum­brar uma ce­na mais apro­pri­a­da. Não sa­bia se ria, se cho­ra­va, pa­re­cia que tu­do es­ta­va em slow mo­ti­on, até aque­la gar­ga­lha­da es­can­da­lo­sa de­le. Pen­sa em du­as pes­so­as atra­ca­das se abraçando no meio da Depyl. Pa­ra a mu­lhe­ra­da que as­sis­tia à ce­na, de­via pa­re­cer um epi­só­dio do “De Vol­ta pa­ra a Mi­nha Ter­ra”, do Do­min­go Le­gal, ao vi­vo. Pas­sa­do o êx­ta­se, ele me per­gun­ta, co­mo se ti­ves­se me vis­to pe­la úl­ti­ma vez na se­ma­na pas­sa­da “Vo­cê tá es­pe­ran­do pra de­pi­lar com a Ju?” “Não”, res­pon­di, “nes­se tem­po que vo­cê es­ta­va fo­ra a Ju foi pro­mo­vi­da, e ago­ra a de­pi­la­do­ra ti­tu­lar é a Li­li­an. Se qui­ser fa­zer com ela tam­bém, vai ter que me es­pe­rar”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.