Cres­ce nú­me­ro de ado­ções na ci­da­de

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Pau­li­ne Al­mei­da pau­li­ne@odi­a­rio.com

Em 2014 foi re­gis­tra­do ape­nas um pro­ce­di­men­to, con­tra 17 no ano pas­sa­do Per­fil de cri­an­ça de­se­ja­do pe­los pais é um dos fa­to­res que tra­vam ado­ções

De um la­do, 139 fa­mí­li­as aguar­dan­do por uma ado­ção, do ou­tro, ne­nhu­ma cri­an­ça na fi­la por no­vos pais. Es­sa é a re­a­li­da­de em Ma­rin­gá. Não sig­ni­fi­ca a ine­xis­tên­cia de ado­ções no mu­ni­cí­pio, mas uma re­a­li­da­de de mais en­tre­gas vo­lun­tá­ri­as que li­ti­gi­o­sas, quan­do há a des­ti­tui­ção do po­der fa­mi­li­ar.

O nú­me­ro de ado­ções su­biu de ape­nas um, em 2014, pa­ra 17 em 2016. Em 2017, no­ve pro­ces­sos es­tão adi­an­ta­dos, com as cri­an­ças mo­ran­do com os pos­sí­veis pais, fa­se cha­ma­da de es­tá­gio de con­vi­vên­cia. Pa­ra os be­bês, es­se pe­río­do é des­car­ta­do, en­quan­to pa­ra os mais ve­lhos du­ra de seis me­se­sau­ma­no,em­mé­dia.

Se­gun­do o Nú­cleo de Aten­di­men­to Es­pe­ci­a­li­za­do (NAE) da Va­ra da In­fân­cia e Ju­ven­tu­de de Ma­rin­gá, as en­tre­gas vo­lun­tá­ri­as têm um per­fil. Ge­ral­men­te são mães com boa es­co­la­ri­da­de que apa­re­cem so­zi­nhas no Fó­rum após des­co­bri­rem a pos­si­bi­li­da­de pe­los mei­os de co­mu­ni­ca­ção. O fi­nan­cei­ro não é o fa­tor que pe­sa, e sim, a fal­ta de apoio fa­mi­li­ar ou o fa­to da gra­vi­dez ser in­de­se­ja­da.

“En­tre­gar é uma ati­tu­de res­pon­sá­vel, pre­vis­ta em lei. As pes­so­as fi­cam cho­ca­das, mas de­pois elas pen­sam que es­sa cri­an­ça é que vai vi­rar o fi­lho de quem es­pe­ra na fi­la da ado­ção”, lem­brou Mar­ce­la Gre­co, psi­có­lo­ga do NAE .

Os be­bês são re­ti­ra­dos do con­ví­vio da mãe lo­go após o par­to, le­va­dos pa­ra fa­mí­li­as tem­po­rá­ri­as até o fim do pu­er­pé­rio, pe­río­do em que a mu­lher fica mais sen­sí­vel de­vi­do à car­ga hor­mo­nal e ‘ga­nha’ tem­po pa­ra pen­sar so­bre a de­ci­são.

Per­fil­co­mo­ta­bu

Na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra (25) foi co­me­mo­ra­do o Dia Na­ci­o­nal da Ado­ção. No País, exis­tem 7.633 cri­an­ças dis­po­ní­veis e 39.727 pre­ten­den­tes, en­quan­to no Pa­ra­ná são 901 e 4.035. Ape­sar da abun­dân­cia de fa­mí­li­as à pro­cu­ra de fi­lhos, a con­ta não fe­cha. O per­fil pro­cu­ra­do é o prin­ci­pal ta­bu. Os fu­tu­ros pais que­rem cri- PA­RA­NÁ BRA­SIL PA­RA­NÁ BRA­SIL an­ças mais no­vas, sem ir­mãos e sau­dá­veis. No en­tan­to, a mai­or par­te é de ado­les­cen­tes, 65% têm ir­mãos e qua­se 25% apre­sen­tam al­gum­ti­po­de­do­en­ça.

A en­fer­mei­ra Ra­quel Hen­ri­ques e o es­po­so Val­ter Fe­lí­cio de Car­va­lho, am­bos de 39 anos, de­ci­di­ram par­tir pa­ra ado­ção após cin­co anos ten­tan­do fi­lhos bi­o­ló­gi­cos e rom­pe­ram o ta­bu do per­fil. Pa­ra evi­tar a fi­la du­as ve­zes, já op­ta­ram por até três ir­mãos, ini­ci­al­men­te de ze­ro a seis anos. Uma mu­dan­ça ocor­reu quan­do re­ce­be­ram um te­le­fo­ne­ma de Cu­ri­ti­ba com a no­tí­cia de que exis­ti­am dois ga­ro­ti­nhos da ida­de es­ta­be­le­ci­da, po­rém, com um ir­mão mais ve­lho, de 11 anos.

O ca­sal apos­tou na chan­ce e pre­ci­sou mo­rar um mês na ca­pi­tal pa­ra o es­tá­gio de con­vi­vên­cia com os me­ni­nos, que es­ta­vam há dois anos em um abri­go. Na ten­ta­ti­va de evi­tar a ex­pec­ta­ti­va, só fez mu­dan­ças no apar­ta­men­to e avi­sou a fa­mí­lia de­pois do te­le­fo­ne­ma. Ser­vi­do­ra pú­bli­ca, Ra­quel pe­gou seis me­ses de li­cen­ça pa­ra se fo­car na adap­ta­ção dos fi­lhos Jho­nathan, Fe­li­pe e Edu­ar­do, ho­je com 14, 7 e 5 anos, res­pec­ti­va­men­te.

Se­gun­do Ra­quel, o iní­cio foi um pe­río­do de cons­tru­ção de con­fi­an­ça. Com Jho­nathan acon­te­ce­ram mais atri­tos de re­la­ci­o­na­men­to, po­rém, por ser mais ve­lho, ti­nha mais in­de­pen­dên­cia, fa­tor que aju­dou na cor­ri­da ro­ti­na da fa­mí- lia. Es­sa ex­pe­ri­ên­cia de ado­tar cri­an­ças mais ve­lhas le­vou Ra­quel a in­cen­ti­var ami­gos, que al­te­ra­ram o per­fil de­se­ja­do.

Pe­los pro­ble­mas fa­mi­li­a­res an­te­ri­o­res à ado­ção, os ir­mãos ti­nham um com­por­ta­men­to ex­plo­si­vo e ca­ren­te de ca­ri­nho, por is­so, os pais ga­nha­ram aju­da psi­co­ló­gi­ca da Va­ra da In­fân­cia e Ju­ven­tu­de pa­ra li­dar com a si­tu­a­ção. Ho­je, pas­sa­da a adap­ta­ção, os de­sa­fi­os são os mes­mos en­con­tra­dos por qual­quer pai. “É pre­ci­so im­por li­mi­tes, di­fí­cil, mas ne­ces­sá­rio. O la­ço foi cons­truí­do mais tar­de, mas pa­re­ce que eles sem­pre fo­ram meus. É pre­ci­so ti­rar da ca­be­ça que só po­de be­bê”, de­fen­de Ra­quel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.