PRO­CES­SO É NE­CES­SÁ­RIO PA­RA PRO­TE­GER FA­MÍ­LIA E CRI­AN­ÇA

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ -

Se es­pe­rar por um fi­lho bi­o­ló­gi­co por no­ve me­ses ge­ra uma gran­de ex­pec­ta­ti­va, aguar­dar na fi­la por ado­ção am­plia a an­si­e­da­de, já que nun­ca se sa­be quan­do o te­le­fo­ne vai to­car. Vá­ri­os pre­ten­den­tes re­cla­mam da de­mo­ra e bu­ro­cra­cia. Pa­ra Ra­quel Her­nan­des, que ado­tou os três fi­lhos, o pro­ces­so ain­da foi one­ro­so, pois pre­ci­sou alu­gar um apar­ta­men­to por um mês, em Cu­ri­ti­ba, pa­ra o es­tá­gio de con­vi­vên­cia. Che­fe da en­fer­ma­gem na ala pe­diá­tri­ca do Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio, ela acom­pa­nhou vá­ri­os ca­sos de vi­o­lên­cia con­tra cri­an­ças e acre­di­ta que as des­ti­tui­ções do po­der fa­mi­li­ar de­ve­ri­am ser mais rá­pi­das. “Ser ge­ne­ti­ca­men­te com­pa­tí­vel nem sem­pre é o me­lhor”, de­cla­rou. Pa­ra o Nú­cleo de Apoio Es­pe­ci­a­li­za­do (NAE) da Va­ra da In­fân­cia e Ju­ven­tu­de de Ma­rin­gá, os pou­cos ca­sos de des­ti­tui­ção não re­fle­tem uma bu­ro­cra­cia ex­ces­si­va, mas uma re­de de pro­te­ção atu­an­te. Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e Jus­ti­ça de­fen­dem a ne­ces­si­da­de de trâ­mi­tes bem de­li­mi­ta­dos pa­ra evi­tar fu­tu­ros pro­ble­mas, co­mo acon­te­ceu em 2013 em Ma­rin­gá, com um ca­sal que trou­xe uma ado­les­cen­te de Per­nam­bu­co e de­pois a de­vol­veu. “Os pais pre­ci­sam ter cons­ci­ên­cia da res­pon­sa­bi­li­da­de que é as­su­mir os cui­da­dos de uma cri­an­ça. A sen­ten­ça de ado­ção é ir­re­vo­gá­vel, os pais não po­dem vol­tar atrás”, des­ta­cou o pro­mo­tor da In­fân­cia e Ju­ven­tu­de, Ri­car­do Ma­lek Fre­de­go­to. Se os pre­ten­den­tes vol­tam atrás em meio ao es­tá­gio de con­vi­vên­cia sem uma jus­ti­fi­ca­ti­va plau­sí­vel, po­dem res­pon­der por da­nos mo­rais, já que cau­sa­ram uma no­va sen­sa­ção de aban­do­no e im­pe­di­ram que a cri­an­ça pas­sas­se a ou­tra pos­sí­vel com­bi­na­ção. Após a sen­ten­ça, pas­sa a ser um pro­ces­so de aban­do­no, de um fi­lho dei­xa­do pe­los pais. Ou­tro pro­ble­ma que per­meia a im­pres­são de de­mo­ra é a ado­ção ir­re­gu­lar, fei­ta sem o co­nhe­ci­men­to da Jus­ti­ça, por meio de acor­dos in­for­mais e ile­gais. “Mes­mo que de­mo­re na fi­la, a ado­ção ir­re­gu­lar po­de de­mo­rar mais anos ain­da em pro­ces­so ju­di­ci­al”, aler­tou a psi­có­lo­ga do Nú­cleo de Aten­di­men­to Es­pe­ci­a­li­za­do Mar­ce­la Gre­co. O acor­do ge­ra in­se­gu­ran­ça pa­ra am­bos os en­vol­vi­dos. Os pais ado­ti­vos po­dem so­frer com bus­ca e apre­en­são da cri­an­ça ou a mu­dan­ça de de­ci­são de quem a en­tre­gou. Já os pais bi­o­ló­gi­cos po­dem ter o fi­lho de­vol­vi­do. Se com­pro­va­da tran­sa­ção em di­nhei­ro, to­do res­pon­dem cri­mi­nal­men­te por trá­fi­co de pes­soa. O pro­mo­tor Ri­car­do Ma­lek Fre­de­go­to ar­gu­men­ta que o ri­gor do trâ­mi­te ga­ran­te se­gu­ran­ça aos en­vol­vi­dos, es­pe­ci­al­men­te à cri­an­ça. Ele ain­da des­ta­ca ou­tro di­rei­to do ado­ta­do: o de sa­ber su­as ori­gens. A ver­da­de é a me­lhor op­ção, es­pe­ci­al­men­te por­que, após os 18 anos, o ago­ra jo­vem po­de bus­car quem são seus pais bi­o­ló­gi­cos se sen­tir a ne­ces­si­da­de. /// Pau­li­ne Al­mei­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.