Após 11 as­sal­tos, a 12

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Ro­ber­to Sil­va ro­ber­to­sil­va@odi­a­rio.com

Mo­ra­do­res di­zem que cri­mes vi­ra­ram ro­ti­na no Jar­dim Su­ma­ré Mas em um quar­tei­rão, uma es­co­pe­ta ca­no lon­go ga­ran­te a paz e a tran­qui­li­da­de

O me­do e an­gús­tia es­tão pre­sen­tes no co­ti­di­a­no dos cer­ca de mil mo­ra­do­res do Jar­dim Su­ma­ré, re­gião nor­te de Ma­rin­gá. Dis­tan­te se­te quilô­me­tros do Cen­tro da ci­da­de e se­pa­ra­do pe­lo Con­tor­no Nor­te, o bair­ro en­fren­ta uma on­da de ar­rom­ba­men­tos sem pre­ce­den­tes. Mo­ra­do­res di­zem que, apro­vei­tan­do da fal­ta de po­li­ci­a­men­to cons­tan­te e da de­mo­ra da po­lí­cia em aten­der a um cha­ma­do de so­cor­ro, la­drões pas­sa­ram a agir a qual­quer ho­ra do dia e da noi­te e nem mes­mo mu­ros al­tos, ca­chor­ros, cer­cas elé­tri­cas, alar­mes e câ­me­ras são bar­rei­ras­pa­ra­os­cri­mi­no­sos.

Na ver­da­de, nem tu­do é ca­os no Su­ma­ré. Em ao me­nos um quar­tei­rão a tran­qui­li­da­de ain­da exis­te. Den­tro de uma pe­que­na mer­ce­a­ria, ao la­do do cai­xa, re­pou­sa um ins­tru­men­to ca­paz de afu­gen­tar o mal e as­se­gu­rar a paz e o sos­se­go: uma es­co­pe­ta ca­li­bre 12, ca­no lon­go e ca­pa­ci­da­de pa­ra se­te car­tu­chos. Ape­nas pa­ra efei­to com­pa­ra­ti­vo, a cin­co me­tros de dis­tân­cia o bu­ra­co aber­to por uma mu­ni­ção des­se nai­pe equi­va­le à di­men­são deum­pu­nho­fe­cha­do.

Com­pra­da há dois anos, a po­ten­te ar­ma ga­ran­te não ape­nas a se­gu­ran­ça­do­do­no­do­es­ta­be­le­ci­men­to, mas de vá­ri­os ou­tros co­mer­ci­an­tes vi­zi­nhos. “É ver­da­de. Des­de que es­sa ar­ma che­gou, a gen­te se sen­te mais se­gu­ro. Es­se ca­ra é in­crí­vel, não tem me­do de na­da”, des­ta­ca um vi­zi­nho, ao se re­fe­rir ao do­no da es­co­pe­ta, o co- mer­ci­an­teFer­nan­do,59anos.

Ti­ro­se­pe­dra­das

De bai­xa es­ta­tu­ra, ma­gro e vi­su­al pa­ca­to, Fernando con­ta que de­ci­diu com­prar a ar­ma de­pois de so­frer 11 as­sal­tos num in­ter­va­lo de três anos, mé­dia de um rou­bo a ca­da três me­ses. Nos úl­ti­mos dois ca­sos, a re­vol­ta foi tão gran­de que ele saiu per­se­guin­do os la­drões a pe­dra­das pe­la rua, en­quan­to se es­qui­va­va de ti­ros. De­pois de com­prar a es­co­pe­ta,o co­mer­ci­an­te agi­gan­tou-se e trans­for­mou a re­vol­ta em des­te­mor. “Se vi­e­rem me rou­bar vão le­var ti­ro. Da­qui, só sai um vi­vo”, aler­ta ele, en­quan­to ali­sa o ca­no da com­pa­nhei­rain­se­pa­rá­vel.

Fernando faz ques­tão de res­sal­tar que com­prou a ar­ma de for­ma le­gal, com au­to­ri­za­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral (PF). Ele con­ta que, ao pe­dir au­to­ri­za­ção pa­ra com­prar a es­co­pe­ta, um agen­te quis sa­ber o mo­ti­vo. “Ex­pli­quei que era pa­ra ga­ran­tir a se­gu­ran­ça no meu co­mér­cio e ele (agen­te) me dis­se que is­so era tra­ba­lho pa­ra a po­lí­cia. Mas de­pois de con­tar a mi­nha his­tó­ria, tu­do o que ha­via pas­sa­do, o agen­te me en­tre­gou um for­mu­lá­rio e dis­se: ‘Pre­en­che aí!’, lem­bra ele. De pos­se da ar­ma, Fernando já co­lo­cou qua­tro as­sal­tan­tes pra cor­rer, to­dos ar­ma­dos. Uma das ações foi gra­va­da pe­las câ­me­ras de se­gu­ran­ça da lo­ja. Des­de en­tão, nun­ca mais nin­guém ten­tou agir con­tra ele ou no quar­tei­rão. “Por aqui, to­dos di­zem que sou lou­co”, diz, rin­do, o co­mer­ci­an­te.

Al­guns quar­tei­rões aci­ma, ou­tro co­mer­ci­an­te, de 56 anos, dis­se ter so­fri­do qua­tro as­sal­tos nos úl­ti­mos anos e sa­li­en­ta que as as câ­me­ras de vi­gi­lân­cia não fo­ram em­pe­ci­lho pa­ra os la­drões. Ele con­tou que dois rou­bos ocor­re­ram no pe­río­do da ma­nhã, um à tar­de e ou­tro à noi­te e se­quer o gran­de nú­me­ro de cli­en­tes fez os cri­mi­no­sos re­cu­a­rem. “Apon­ta­ram ar­mas, ren­de­ram to­do mun­do e le­va­ram o que qui­se­ram”, de­sa­ba­fou ele, acres­cen­tan­do que os cri­mes nun­ca fo­ram es­cla­re­ci­dos. A es­po­sa­lem­bra­que­cer­to­di­a­foi­cha­ma­da à de­le­ga­cia pa­ra for­ma­li­zar o re­co­nhe­ci­men­to de um sus­pei­to, que te­ria con­fes­sa­do um dos cri­mes, mas não con­se­guiu re­co­nhe­cê-lo em ra­zão de os as­sal­tan­tes­te­re­mu­sa­do­ca­pa­ce­tes.

Fur­tos

Mo­ra­do­res dis­se­ram que o ar- rom­ba­men­to é o cri­me da vez. En­tre os vá­ri­os ca­sos re­la­ta­dos, está o de Ivo­ne, 42 anos, que te­ve a re­si­dên­cia in­va­di­da há 15 di­as e per­deu ele­tro­e­le­trô­ni­cos, ce­lu­la­res, joi­as e ou­tros ob­je­tos. Mes­mo com a ca­sa de­pe­na­da, la­drões ten­ta­ram ar­rom­bar no­va­men­te o imó­vel, do­min­go pas­sa­do (21). Ivo­ne fri­sou que sua car­tei­ra com do­cu­men­tos foi en­con­tra­da em Sa­ran­di (Re­gião Me­tro­po­li­ta­na), de­ta­lhe que ex­pli­ca­ria a pre­fe­rên­cia de la­drões pe­lo bair­ro, si­tu­a­do nu­ma área com di­ver­sas ro­tas de fu­ga,in­cluin­do­zo­na­ru­ral.

Re­du­ção­cri­mi­nal

Pro­cu­ra­da, a Po­lí­cia Mi­li­tar (PM) in­for­mou que en­tre ja­nei­ro e 22 de maio do ano pas­sa­do o Jar­dim Su­ma­ré to­ta­li­zou 11 ca­sos de fur­to con­tra co­mér­cio, re­si­dên­cia, pes­so­as e veículos, con­tra três no mes­mo pe­río­do des­te ano, re­du­ção de 72%. O rou­bo a mão ar­ma­da con­tra co­mér­cio, re­si­dên­cia e pes­soa to­ta­li­zou ape­nas dois ca­sos em 2016, e um nes­te­a­no,re­du­ção­de50%.

De acor­do com a ofi­ci­al de co­mu­ni­ca­ção do 4º Ba­ta­lhão de Po­lí­cia Mi­li­tar (BPM), te­nen­te Kelly Cris­ti­na Ca­mar­go Cha­gas, uma pes­soa foi pre­sa no bair­ro, nes­te ano, de­cor­ren­te de um man­da­do de pri­são em aber­to. “Co­mo nos­sos da­dos con­fir­mam re­du­ção cri­mi­nal, ori­en­ta­mos os mo­ra­do­res a não dei­xa­rem de re­gis­trar o bo­le­tim de ocor­rên­cia (B.O). O re­gis­tro ser­ve pa­ra ma­pe­ar os ti­pos cri­mi­nais, bem co­mo ba­se pa­ra pla­ne­ja­men­to de ações po­li­ci­ais no bair­ro”, ex­pli­cou­a­o­fi­ci­al­daPM.

—FO­TO: RO­BER­TO SIL­VA

DESTEMIDO. Co­mer­ci­an­te e ‘com­pa­nhei­ra’ de tra­ba­lho. Após com­pra da ar­ma, ele diz se sen­tir mais se­gu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.