Jair Bol­so­na­ro

“O mo­men­to po­lí­ti­co do Bra­sil é o pi­or pos­sí­vel. A cri­se não é ape­nas po­lí­ti­ca: é tam­bém éti­ca, mo­ral e econô­mi­ca.”

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Luiz de Car­va­lho car­va­lho@odi­a­rio.com

Aos 62 anos, Jair Bol­so­na­ro está na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos há 26 e co­le­ci­o­nou mais de 30 ações na Jus­ti­ça por fa­lar o que pen­sa - ou fa­lar sem pen­sar. Já de­sa­gra­dou com­pa­nhei­ros de par­la­men­to, po­lí­ti­cos de to­das as li­nhas, prin­ci­pal­men­te os da es­quer­da, ne­gros, ín­di­os, gays e até mu­lhe­res. Mas, se or­gu­lha por­que ne­nhu­ma das ações na Jus­ti­ça­são­por­cor­rup­ção.

Em um mo­men­to em que o Bra­sil acom­pa­nha a mai­or on­da de de­nún­ci­as de cor­rup­ção da his­tó­ria, o de­pu­ta­do mais bem vo­ta­do do Rio de Ja­nei­ro ga­nhou des­ta­que por es­tar em uma po­si­ção em que po­de dis­pa­rar su­as pa­la­vras fe­ri­nas por to­dos os la­dos. Mui­to mais gen­te pas­sou a ver que ele tem ra­zão no que diz e a po­pu­la­ri­da­de cres­ceu, prin­ci­pal­men­te co­ma­for­ça­das­re­des­so­ci­ais.

“Por mui­to tem­po, eu se­ria hos­ti­li­za­do ao com­pa­re­cer a uma uni­ver­si­da­de. Ho­je, che­go, sou ou­vi­do e saio aplau­di­do”. Se­gun­do ele, o tem­po con­tri­buiu pa­ra que as pes­so­as o co­nhe­ces­sem me­lhor e pu­des­sem com­pa­rar seu per­fil com o de po­lí­ti­cos de re­no­me que ho­je es­tão afun­da­dos em de­nún­ci­as, mui­tos de­les já nas gar­ras da Ope­ra­çãoLa­vaJa­to.

O po­lê­mi­co po­lí­ti­co ho­je cau­sa his­te­ria por on­de pas­sa. Tan­to pe­los sim­pa­ti­zan­tes quan­to pe­los ad­ver­sá­ri­os, que já per­ce­be­ram que ele é o ho­mem a ser ba­ti­do. Na sex­ta-fei­ra, sua ba­ru­lhen­ta pas­sa­gem foi por Ma­rin­gá, on­de, ao fi­nal da pro­gra­ma­ção, con­ver­sou de­mo­ra­da­men­te­comODiá­rio.

ODIÁRIO.— Es­teJair Bol­so­na­ro­que­o­po­vo­es­tá co­nhe­cen­do­a­go­ra,co­ma lín­gua­fe­ri­na,éver­da­dei­ro­ou um­per­so­na­gem? JAIR BOL­SO­NA­RO

— Quem me co­nhe­ce há mais tem­po sa­be co­mo sou. Nin­guém con­se­gui­ria pas­sar tan­to tem­po vi­ven­do um per­so­na­gem só pa­ra dar Ibo­pe.

P.—Ogi­ro­pe­loB­ra­sil­jáé cam­pa­nha­e­lei­to­ral? R.—

Não pos­so di­zer que sou pré-can­di­da­to pa­ra não fe­rir a Lei Elei­to­ral, mas es­tou me pre­pa­ran­do pa­ra es­ta pos­si­bi­li­da­de. Se hou­ver opor­tu­ni­da­de, se­rei sim can­di­da­to.

P.—EmMa­rin­gáe­em Lon­dri­naum­pú­bli­co­jo­vem oa­plau­diu­co­men­tu­si­as­mo. Ose­nho­ra­cre­di­ta­que­su­as idei­a­ses­tão­con­ven­cen­doa ju­ven­tu­de? R.—

Até al­gum tem­po atrás, eu se­ria hos­ti­li­za­do em uma uni­ver­si­da­de, ho­je fui bem re­ce­bi­do em uma e o pú­bli­co jo­vem en­ten­deu mi­nha men­sa­gem. É uma men­sa­gem que o Bra­sil pre­ci­sa ou­vir.

P.—Por­que­o­se­nho­re­ra hos­ti­li­za­do? R.—

A hos­ti­li­da­de sem­pre exis­tiu e vai con­ti­nu­ar exis­tin­do e eu era hos­ti­li­za­do prin­ci­pal­men­te por cau­sa das men­ti­ras con­ta­das­pe­la­es­quer­da­so­bre­oB­ra­sil.

P.—Eco­mo­mu­dou? R.—

Mui­tos dos que eram con­tra mim, ven­do to­da es­ta car­ga de in­for­ma­ções, ven­do seus ído­los na po­lí­ti­ca sen­do acu­sa­dos de cor­rup­ção, vão se en­ver­go­nhan­do de fa­zer ma­ni­fes­ta­ção con­tra mi­nha pes­soa e às ve­zes en­xer­gam que pre­ten­do fa­zer di­fe­ren­te do que es­tão fa­zen­do com o País. Com o tem­po, is­to vai mu­dan­do, as pes­so­as fo­ram ven­do o que era ver­da­de e o que era men­ti­ra, que não sou o bi­cho-pa­pão que­pin­ta­vam.

P.—Qu­e­a­ná­li­se­po­de­ser­fei­ta doB­ra­si­la­tu­al? R.—

O mo­men­to po­lí­ti­co do Bra­sil é o pi­or pos­sí­vel. A cri­se não é ape­nas po­lí­ti­ca: é éti­ca, mo­ral, econô­mi­ca e po­lí­ti­ca. Mas, o Bra­sil tem po­ten­ci­al pa­ra sair des­ta si­tu­a­ção.

P.—Co­mo­che­ga­mo­sa­es­ta si­tu­a­ção? R.—

Éo­lo­te­a­men­to.Oque­le­va àcor­rup­çãoéai­ne­fi­ci­ên­ci­a­do Es­ta­do.Een­quan­to­ti­ver­mos es­te­lo­te­a­men­to­que­ve­mo­se ga­nhou­mui­to­des­ta­que­co­mas úl­ti­mas­de­nún­ci­as.En­quan­too go­ver­no­for­lo­te­a­do,acor­rup­ção vai con­ti­nu­ar.

P.—Evai­sair­dis­to? R.—

Vai ter que sair. Se não, te­mos que com­prar lo­te no cemitério. E ir pa­ra o cemitério não es­tá­nos­meus­pla­nos.

P.—Ose­nho­ra­cha­queo go­ver­noTe­mer­res­pi­ra­por apa­re­lho? R.—

Mi­chel Te­mer re­pre­sen­ta o que é a po­lí­ti­ca tra­di­ci­o­nal bra­si­lei­ra, nun­ca pre­o­cu­pa­do com o fu­tu­ro do País e sim com seu gru­po. Ago­ra, o que vai acon­te­cer no cur­to pra­zo de­pen­de de­le mes­mo, num pri­mei­ro mo­men­to, de­pois do TSE, no iní­cio de ju­nho. Não qu­e­ro bo­tar le­nha na fo­guei­ra, mas a si­tu­a­ção de­le está mui­to com­pli­ca­da e o Bra­sil me­re­ce um qua­dro di­fe­ren­te do que­ti­ve­mos­no­súl­ti­mo­sa­nos.

P.—Na­su­a­o­pi­nião,ele­de­ve­ria se­a­fas­tar? R.—

A re­nún­cia é uma ati­tu­de pes­so­al de­le. Lo­gi­ca­men­te que pa­ra o bem do Bra­sil se­ria me­lhor ele se afas­tar. Fica di­fí­cil, fica com­pro­me­ti­da a cre­di­bi­li­da­de de­le ao acei­tar re­ce­ber, nos po­rões do Ja­bu­ru, pes­so­as que a so­ci­e­da­de já sa­be que es­tão com­pro­me­ti­das di­an­te da Jus­ti­ça. Fica com­pli­ca­do, de­pois de um ges­to des­tes, pa­ra uma pes­soa que está na con­du­ção dos des­ti­nos do Bra­sil.

P.—Emu­ma­e­ven­tu­al­saí­da­ou cas­sa­ção­deTe­mer,qual­se­rá oca­mi­nho? R.—

Se ele vi­er a cair por um mo- ti­vo qual­quer, te­re­mos elei­ções in­di­re­tas pe­lo Par­la­men­to. Es­ta éa­re­gra­do­jo­go.

P.—Nu­ma­e­lei­ção­di­re­ta,o se­nhor­pen­sa­em­con­cor­rer? R.—

De for­ma al­gu­ma. Nes­te ca­so, quem vo­ta são os de­pu­ta­dos e se­na­do­res e es­te é um ti­po de elei­to­ra­do que não quer Bol­so­na­ro no co­man­do do País. Em uma elei­ção in­di­re­ta, as chan­ces fi­cam com os gran­des par­ti­dos e com os acor­dos que se­rão fir­ma­dos. Cer­ta­men­te, al­guém que se­ja elei­to em uma si­tu­a­ção des­tas não te­rá co­mo le­var em fren­te o com­ba­te à cor­rup­ção.

P.—AO­pe­ra­çãoLa­vaJa­to­es­tá em­pe­ri­go? R.—

Sim. Exis­te a pos­si­bi­li­da­de ela se aca­bar. Ago­ra mes­mo dois mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral que­rem rein­ter­pre­tar a pri­são após a con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia. Que­rem pas­sar pa­ra a ter­cei­ra ins­tân­cia. Ba­si­ca­men­te is­to se­rá um gol­pe mor­tal na La­va Ja­to, por­que, no mí­ni­mo, le­va­re­mos 20 anos pa­ra que o STJ [Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça] ve­nha jul­gar e pu­nir os cul­pa­dos em epi­só­di­os co­mo os que es­ta­mos ven­do e que en­ver­go­nham e re­vol­tam o Bra­sil.

P.—Ose­nhor­tem­cri­ti­ca­do os­pro­je­tos­de­re­for­mas do­go­ver­no.Qu­e­de­fei­to te­mo­pro­je­to­que­mu­daa Pre­vi­dên­cia? R.—

Meu pai já di­zia que al­gu­mas coi­sas são co­mo re­men­do no­vo em rou­pa ve­lha. Es­te é o ca­so do pro­je­to pa­ra a Pre­vi­dên­cia. Ele está sen­do mui­to fo­ca­do na ques­tão da ida­de e is­to não po­de ser ge­ne­ra­li­za­do. Eu es­ti­ve no Pi­auí e lá a ex­pec­ta­ti­va de vi­da de um tra­ba­lha­dor é de 69 anos, se­gun­do o IBGE. É de­su­ma­ni­da­de fa­zer le­var uma pes­soa a só se apo­sen­tar no fim da vi­da. Es­te pro­je­to de re­for­ma não tem meu apoio, ape­sar de re­co­nhe­cer que al­gu­ma coi­sa pre­ci­sa ser fei­ta.

P.— E a re­for­ma tra­ba­lhis­ta? R.—

Eu vo­tei fa­vo­rá­vel por­que ela não su­pri­miu ne­nhum di­rei­to até por­que tu­do o que se fa­la, dé­ci­mo ter­cei­ro sa­lá­rio, Fun­do de Ga­ran­tia, en­tre ou­tros di­rei­tos, es­tão pre­vis­tos no ar­ti­go sé­ti­mo da Cons­ti­tui­ção. E o que nós vo­ta­mos foi um pro­je­to de Lei. A clas­se em­pre­ga­do­ra tem di­to que a CLT [Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho] tem que ser re­for­ma­da, afi­nal, é um país de mui­tos di­rei­tos e pou­cos de­ve­res e per­de­mos a com­pe­ti­ti­vi­da­de com o res­to do mun­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.