Pes­qui­sa diz que 58% da po­pu­la­ção é se­den­tá­ria

O Diario do Norte do Parana - - PARANÁ - Pau­li­ne Al­mei­da pau­li­ne@odi­a­rio.com

Pa­ra­na­en­ses pre­ci­sam se exer­ci­tar mais Fal­ta de es­pa­ços pú­bli­cos é uma das cau­sas do pro­ble­ma

Quem vê es­pa­ços co­mo o Par­que do In­gá e a pra­ça da Ca­te­dral, em Ma­rin­gá, chei­os de pes­so­as quei­man­do ca­lo­ri­as não ima­gi­na o de­sa­fio que o se­den­ta­ris­mo re­pre­sen­ta. Pes­qui­sa do Ins­ti­tu­to Brasileiro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca em par­ce­ria com o Mi­nis­té­rio do Esporte mos­tra da­dos pre­o­cu­pan­tes. Ape­nas 16,2% das pes­so­as com mais de 15 anos pra­ti­cam al­gum ti­po de ati­vi­da­de fí­si­ca e 26,1% al­gum ti­po de esporte no Pa­ra­ná. No Bra­sil, são 61,3 mi­lhões nes­se gru­po, en­quan­to ou­tros 100 mi­lhões es­tão pa­ra­dos.

A Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra­deDo­mi­cí­lio(Pnad)co­lheu da­dos en­tre se­tem­bro de 2014 e 2015. “Quan­do a gen­te põe em nú­me­ros ge­ral­men­te se de­cep­ci­o­na, mas o re­sul­ta­do não sur­pre­en­de. Des­de quan­do se ini­ci­ou o Pnad, em 1967, so­men­te em 2015 hou­ve a pes­qui­sa so­bre prá­ti­ca es­por­ti­va, mos­tran­do o quão ca­ren­te é es­sa di­men­são”, apon­tou o pro­fes­sor do de­par­ta­men­to de Edu­ca­ção Fí­si­ca da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá,Nel­sonNar­doJu­ni­or.

Fá­bio Ro­ber­to da Sil­va, pro­pri­e­tá­rio de uma lan­cho­ne­te na Ave­ni­da Mauá, está en­tre os 58% de pa­ra­na­en­ses que não fa­zem qual­quer exer­cí­cio. Acor­da ce­do pa­ra le­var os fi­lhos à es­co­la, abre seu es­ta­be­le­ci­men­to às 8h e só volta pa­ra ca­sa per­to das 22h. A fal­ta de ati­vi­da­des tem con­sequên­ci­as. “A gen­te sen­te o cor­po pe­sa­do, mal-es­tar.” Com so­bre­pe­so, ele já en­fren­ta cri­se de pres­são al­ta e, mes­mo mo­ran­do a cer­ca de 300 me­tros do Par­que do In­gá, não con­se­gue tem­po pa­ra fu­gir do se­den­ta­ris­mo.

Os­re­sul­ta­dos

Um dos itens le­van­ta­dos na pes­qui­sa na­ci­o­nal é que os adep­tos de ati­vi­da­des fí­si­cas e es­por­tes au­men­tam con­for­me a es­co­la­ri­da­de, sen­do 17,3% en­tre a fai­xa sem ins­tru­ção e 56,7% na com en­si­no su­pe­ri­or. A prá­ti­ca tam­bém cres­ce com a ren­da. “As pes­so­as que têm mais es­co­la­ri­da­de, de sa­lá­rio mais al­to, têm mais con­di­ções de es­ta­be­le­cer um es­ti­lo de vi­da be­né­fi­co. Já as pes­so­as de ní­vel mais bai­xo de­pen­dem do aces­so. Vão con­ti­nu­ar es­ses per­cen­tu­ais re­la­ti­va­men­te bai­xos se a gen­te não con­se­guir mu­dar as po­lí­ti­cas”, ava­lia Nar­do .

Um tó­pi­co que re­for­ça a ne­ces­si­da­de de re­pen­sar as po­lí­ti­cas pú­bli­cas é o lo­cal. Se­gun­do o es­tu­do, 33,7% fre­quen­tam um­pa­go,en­quan­to17,8%um­pú­bli­co. “Es­sa di­fe­ren­ci­a­ção tam­bém tem re­la­ção com o se­xo. O futebol, mais pra­ti­ca­do por ho­mens, tem qua­se um equi­lí­brio en­tre pa­go e sem cus­to. Já as mu­lhe­res, por uma ques­tão de se­gu­ran­ça, vão op­tar pe­lo pa­go. A po­lí­ti­ca de esporte pre­ci­sa ca­mi­nhar com ou­tras, prin­ci­pal­men­te de se­gu­ran­ça pú­bli­ca”, diz.

En­tre os pra­ti­can­tes de es­por­tes, a mo­da­li­da­de fa­vo­ri­ta é o futebol (39,3%), se­gui­do pe­la ca­mi­nha­da (24,6%), que apa­re­ceu em pri­mei­ro no ran­king de ati­vi­da­des fí­si­cas, com 49,1%. Em Ma­rin­gá, nos úl­ti­mos três anos, a cor­ri­da tem re­gis­tra­do um cres­ci­men­to mé­dio de 25%, se­gun­do o edu­ca­dor fí­si­co Lu­ci­a­no de Frei­tas, trei­na­dor­do­clu­be12km.“Ma­rin­gáéu­ma­ci­da­de­pri­vi­le­gi­a­da,aar­bo­ri­za­ção­fa­vo­re­ce”,apon­ta.

En­tre os atle­tas ama­do­res que re­ce­be, 90% vêm pe­la von­ta­de de per­der pe­so ou me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da. “Po­de ha­ver uma di­fi­cul­da­de no co­me­ço, mas de­pois de três a qua­tro se­ma­nas co­me­çam os be­ne­fí­ci­os. Pri­mei­ra­men­te me­lho­ra o so­no, de­pois a ca­pa­ci­da­de fí­si­ca, a pes­soa fica mais dis­pos­ta. Com três se­ma­nas vem o efei­to na me­di­da das rou­pas.”

Frei­tas ob­ser­va que a en­tra­da da ati­vi­da­de fí­si­ca na ro­ti­na mu­da ou­tros há­bi­tos, co­mo a ali­men­ta­ção sau­dá­vel. Nar­do lem­bra que jus­ta­men­te um dos efei­tos de fi­car pa­ra­do é a obe­si­da­de. “É to­do um pa­co­te. As coi­sas vão fi­can­do mais di­fí­ceis por­que têm pro­ble­mas que se so­mam. A co­mu­ni­da­de não se sen­te se­gu­ra pa­ra pra­ti­car esporte. Por es­tar con­fi­na­da à ca­sa e ao tra­ba­lho, ten­de a au­men­tar o con­su­mo de ali­men­tos.”

Na lu­ta con­tra o se­den­ta­ris­mo, o pro­fes­sor de­fen­de a im­por­tân­cia da prá­ti­ca es­por­ti­va na es­co­la e te­me pe­la re­ti­ra­da da obri­ga­to­ri­e­da­de da edu­ca­ção fí­si­ca na re­for­ma as­si­na­da pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer. Já pa­ra o pú­bli­co adul­to, su­ge­re mais es­pa­ços se­gu­ros e tam­bém ori­en­ta­do­res com gru­pos que pro­mo­vam vín­cu­los e o en­si­no cor­re­to das mo­da­li­da­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.