Ro­ta­ti­vo: o que vo­cê pre­ci­sa sa­ber?

O Diario do Norte do Parana - - SEU DINHEIRO ESPECIAL -

No­vas re­gras são pa­ra as des­pe­sas fei­tas a par­tir de 3 de abril, com fa­tu­ra pa­ga des­de o dia 3 de maio Me­di­da res­trin­ge pa­ga­men­to mí­ni­mo da fa­tu­ra a 1 mês; ju­ros ain­da são exor­bi­tan­tes

Da­qui pa­ra a fren­te, quem com­prar com o car­tão de cré­di­to e fi­nan­ci­ar os gas­tos pe­lo cré­di­to ro­ta­ti­vo te­rá de se ha­bi­tu­ar a acom­pa­nhar e ve­ri­fi­car três ti­pos de ju­ro: o do ro­ta­ti­vo re­gu­lar, o do ro­ta­ti­vo não re­gu­lar e o do mi­gra­do par­ce­la­do. Is­so por­que o Ban­co Cen­tral (BC) pas­sou a di­vul­gar as ta­xas de­fi­ni­das den­tro das três mo­da­li­da­des, em fun­ção das mu­dan­ças que ocor­re­ram nes­se seg­men­to des­de o dia 3 de abril des­te ano.

Só re­lem­bran­do: até es­sa da­ta, o con­su­mi­dor que não ti­nha con­di­ções de pa­gar o va­lor in­te­gral da fa­tu­ra do car­tão na da­ta de seu ven­ci­men­to fi­ca­va obri­ga­do a pa­gar, no mí­ni­mo, 15% do to­tal. O res­tan­te po­de­ria ser fi­nan­ci­a­do pa­ra os me­ses se­guin­tes, in­de­fi­ni­da­men­te, e pe­las ta­xas mais sal­ga­das­do­mer­ca­do.

A ca­da ven­ci­men­to, no en­tan­to, ti­nha de de­sem­bol­sar, pe­lo me­nos, os 15% da fa­tu­ra. Me­ca­nis­mo cru­el, que trans- for­ma­va a dí­vi­da em bo­la de ne­ve, le­van­do mui­ta gen­te ao su­pe­ren­di­vi­da­men­to. É que a amor­ti­za­ção da dí­vi­da era ra­pi­da­men­te en­go­li­da pe­la ta­xa de ju­ro, com o sal­do de­ve­dor cres­cen­do a ca­da mês.

Já pa­ra as des­pe­sas fei­tas a par­tir de 3 de abril, com fa­tu­ra pa­ga des­de o dia 3 de maio, os cri­té­ri­os são ou­tros. No dia de ven­ci­men­to da fa­tu­ra, o con­su­mi­dor per­ma­ne­ce obri­ga­do a pa­gar a par­ce­la mí­ni­ma de 15% do sal­do de­ve­dor e o que res­tar se­rá, ago­ra, fi­nan­ci­a­do pe­los ju­ros do ro­ta­ti­vo re­gu­lar.

Se­gun­do o BC, em abril as ta­xas mé­di­as co­bra­das nes­sa li­nha fi­ca­ram em 296% ao ano ou 12,15% ao mês. Ní­veis abai­xo dos que vi­nham sen­do pra­ti­ca­dos em mar­ço, no ro­ta­ti­vo tra­di­ci­o­nal, de 431% ao ano ou 14,93% ao mês. De to­do mo­do, ain­da ele­va­dos pa­ra quem não quer fi­car pa­gan­do­ju­ro­sa­vi­da­to­da.

Só que es­se fi­nan­ci­a­men­to, o ro­ta­ti­vo re­gu­lar, po­de­rá ser fei­to por ape­nas 30 di­as, até o ven­ci­men­to da fa­tu­ra se­guin­te, quan­do o con­su­mi­dor te­rá du­as op­ções: qui­tar o to­tal do sal­do ou re­ne­go­ci­ar a dí­vi­da em ou­tras con­di­ções, pa­gan­do um nú­me­ro pré-de­ter­mi­na­do de par­ce­las e com va­lo­res fi­xos, den­tro do cha­ma­do mi­gra­do par­ce­la­do. Ain­da de acor­do com o BC, nes­sa mo­da­li­da­de de cré­di­to, a mé­dia das ta­xas fi­cou em 151,2% ao ano ou 7,98%ao­mês.

O va­lor re­fe­ren­te a es­sa dí­vi­da de­ve­rá ser pa­go den­tro do pra­zo e va­lo­res pre­vi­a­men­te acor­da­dos. O usuá­rio até po­de con­ti­nu­ar gas­tan­do com o car­tão, mas não con­vém in­sis­tir nes­sa for­ma de pa­ga­men­to. Se te­ve de re­ne­go­ci­ar é por­que já não vi­nha ten­do con­di­ções de man­ter em dia o com­pro­mis­so.

Já o con­su­mi­dor que não con­se­guiu pa­gar nem o va­lor mí­ni­mo de 15% da dí­vi­da te­rá de ban­car uma ta­xa bem mais sal­ga­da, que fi­cou na mé­dia em 524% ao ano ou 16,48% ao mês, den­tro do ro­ta­ti­vo não re­gu­lar. O fi­nan­ci­a­men­to tam­bém é fei­to por 30 di­as e, de­pois dis­so, é re­ne­go­ci­a­do­pe­lo­mi­gra­do­par­ce­la­do.

Con­si­de­ra­ções

Tro­cam-se os no­mes das li­nhas de cré­di­to, as estatísticas são ou­tras, mas o fa­to é que o pe­so dos ju­ros con­ti­nua ab- sur­do pa­ra o con­su­mi­dor, es­pe­ci­al­men­te pa­ra quem te­ve per­da de ren­da, de­sem­pre­go ou, co­mo tan­tos ou­tros, so­fre com a re­ces­são, a cri­se do País. É pos­sí­vel pre­ver que as no­vas re­gras in­ter­rom­pem o cres­ci­men­to in­con­tro­lá­vel do sal­do de­ve­dor do car­tão, por­que obri­ga o con­su­mi­dor a pa­gar a dí­vi­da em 30 di­as ou acer­tar ou­tra for­ma de pa­ga­men­to com ju­ros mais bai­xos.

Is­so po­de até dar cer­to fô­le­go pa­ra o or­ça­men­to, mas a re­gra de ou­ro pa­ra o uso cons­ci­en­te do car­tão é li­qui­dar o to­tal dos gas­tos no dia de ven­ci­men­to da fa­tu­ra. Por­tan­to, fa­ça des­pe­sas que de­pois pos­sam ca­ber de for­ma con­for­tá­vel em seu bol­so.

Ou­tra saí­da ade­qua­da é pro­cu­rar por li­nhas de cré­di­to mais ba­ra­tas, co­mo o con­sig­na­do, que está com ju­ros mé­di­os em tor­no de 28% ao ano pa­ra apo­sen­ta­dos, 26% ao ano pa­ra ser­vi­do­res pú­bli­cos, em tor­no de 40% ao ano pa­ra em­pre­ga­dos do se­tor pri­va­do, ou até mes­mo o cré­di­to pes­so­al, com ju­ros mé­di­os de 80% ao ano. Ní­veis mais bai­xos que qual­quer li­nha do ro­ta­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.