Pou­cos têm re­ser­va fi­nan­cei­ra; co­nhe­ça a im­por­tân­cia de­la

O Diario do Norte do Parana - - SEU DINHEIRO ESPECIAL - Re­gi­na Pi­tos­cia Agên­cia Es­ta­do

O Ser­vi­ço de Pro­te­ção ao Cré­di­to (SPC-Bra­sil) e a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas, re­a­li­zam pe­ri­o­di­ca­men­te es­tu­dos pa­ra co­nhe­cer me­lhor os há­bi­tos de con­su­mo e fi­nan­cei­ros do brasileiro. Tem um, cha­ma­do In­di­ca­dor de Re­ser­va Fi­nan­cei­ra, que mos­tra a ca­pa­ci­da­de de­pou­par­noPaís.

O ín­di­ce de mar­ço re­ve­lou que 65% os bra­si­lei­ros não pos­su­em uma re­ser­va fi­nan­cei­ra. A pes­qui­sa mos­tra ain­da que, em mar­ço, 76% dos con­su­mi­do­res não con­se­gui­ram pou­par. E des­se to­tal, nas fai­xas de mai­or po­der aqui­si­ti­vo, 37% con­se­gui­ram guar­dar al­gum di­nhei­ro, já nas de­mais fai­xas, ape­nas 13%. E na mé­dia o to­tal re­ser­va­do fi­cou em R$ 502 nes­se mes­mo mês.

Se­gun­do a eco­no­mis­ta-che­fe do SPC Bra­sil, Mar­ce­la Kawau­ti, o bai­xo nú­me­ro de pou­pa­do­res tem re­la­ção di­re­ta com a cri­se econô­mi­ca, que po­ten­ci­a­li­za a fal­ta de cul­tu­ra de pou­par.

“O de­sa­fio de boa par­te das fa­mí­li­as é su­pe­rar a que­da da ren­da de­cor­ren­te do au­men­to do de­sem­pre­go e do avan­ço re­cen­te da in­fla­ção, que cor­ro­eu o po­der de com­pra do con­su­mi­dor.”

Em re­la­ção ao des­ti­no do di­nhei­ro a ser in­ves­ti­do, 64% di­zem pre­fe­rir a ca­der­ne­ta de pou­pan­ça, 20%, man­ter em ca­sa, 10% apli­car em fun­dos de in­ves­ti­men­tos, 7% em Pre­vi­dên­cia Pri­va­da, 6% em CDB, e 4% em tí­tu­los do go­ver­no, pe­lo Te­sou­ro Di­re­to. Ain­da de acor­do com Mar­ce­la, a es­co­lha da mo­da­li­da­de de apli­ca­ção de­ve sem­pre con­si­de­rar o pro­pó­si­to da re­ser­va.

Se for pa­ra pa­ga­men­tos de im­pre­vis­tos que sur­gem a ca­da mês, o di­nhei­ro pre­ci­sar ir pa­ra seg­men­tos de mai­or li­qui­dez, quer di­zer, que per­mi­tem sa­ques em cur­to es­pa­ço de tem­po, co­mo a pou­pan­ça e o CDB. Se o ob­je­ti­vo é a for­ma­ção de uma re­ser- va fi­nan­cei­ra no lon­go pra­zo, há ou­tras op­ções mais ren­tá­veis, que pren­dem os re­cur­sos por bem mais tem­po.

Im­pre­vis­tos

Um pla­ne­ja­men­to fi­nan­cei­ro vai fa­ci­li­tar a ta­re­fa de quem está pre­ten­den­do fa­zer uma pou­pan­ça, ter um pou­co mais de con­for­to e es­tar pre­pa­ra­do pa­ra im­pre­vis­tos. Acon­te­ci­men­tos co­mo per­da de em­pre­go, mor­te do ma­ri­do ou mu­lher, di­vór­cio, do­en­ça são ex­pe­ri­ên­ci­as que, além de do­lo­ro­sas, le­vam a per­da de re­cei­tas e au­men­to de des­pe­sas.

Há es­pe­ci­a­lis­tas que re­co­men­dam guar­dar o equi­va­len­te a três me­ses de des­pe­sas fi­xas. Es­se di­nhei­ro po­de­rá aten­der su­as ne­ces­si­da­des bá­si­cas, ca­so al­gu­ma si­tu­a­ção ines­pe­ra­da ve­nha re­du­zir ou in­ter­rom­per a en­tra­da de re­cur­sos no seu or­ça­men­to. Os va­lo­res de­vem fi­car apli­ca­dos em uma mo­da­li­da­de con­ser­va­do­ra, a que ofe­re­ce me­nos ris­co pos­sí­vel ao pou­pa­dor.

Sem em­pre­go

A per­da de em­pre­go, qual­quer que se­ja o mo­ti­vo, é um mo­men­to que dei­xa qual­quer um fra­gi­li­za­do, tan­to emo­ci­o­nal quan­to fi­nan­cei­ra­men­te. O de­sa­pa­re­ci­men­to ines­pe­ra­do de re­cei­ta le­va em ge­ral ao atra­so no pa­ga­men­to de con­tas e à acu­mu­la­ção de dí­vi­das.

O mais im­por­tan­te nes­sas ho­ras é não dei­xar o bar­co fi­nan­cei­ro ir à de­ri­va; é pre­ci­so man­ter o con­tro­le do or­ça­men­to até que a vi­da vol­te à nor­ma­li­da­de. Nes­sa ho­ra, é pre­ci­so ava­li­ar ra­pi­da­men­te o or­ça­men­to e ter pul­so fir­me pa­ra usar a te­sou­ra e cor­tar o que for pos­sí­vel, re­du­zir o mais que pu­der os cus­tos fi­xos, des­pe­sas de to­do mês.

É pre­ci­so ser mui­to co­me­di­do e usar com bas­tan­te cri­té­rio o car­tão de cré­di­to, ja­mais ro­lan­do a dí­vi­da, pois os ju­ros são im­pa­ga­vel­men­te ele­va­dos.

O con­jun­to des­sas me­di­das po­de­rá pro­por­ci­o­nar cer­ta fol­ga até que se­ja en­con­tra­do ou­tro tra­ba­lho ou em­pre­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.