Mui­to além das estatísticas

O Diario do Norte do Parana - - EESMPPECRIEAGLOS - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­la@odi­a­rio.com

Es­ta­tís­ti­co é pro­fis­são que de­mons­tra boa pro­je­ção pa­ra o fu­tu­ro no País; nos EUA, se­tor já é aque­ci­do Com ca­da vez mais cam­po, ain­da é bai­xo o nú­me­ro de pro­fis­si­o­nais: UEM for­ma en­tre seis e dez por ano

No dia 29 de maio ce­le­bra-se o dia do Es­ta­tís­ti­co, pro­fis­são ain­da­pou­co­co­nhe­ci­da.OMi­nis­té­rio da Edu­ca­ção au­to­ri­za ape­nas 1.739 va­gas pa­ra o ba­cha­re­la­do no Bra­sil, 176 na re­gião Sul. Na via con­trá­ria, a de­man­da por pro­fis­si­o­nais da área cres­ce­ex­po­nen­ci­al­men­te.Ode­se­qui­lí­brio ele­va os sa­lá­ri­os ini­ci­ais pa­ra a fai­xa dos R$ 2,5 mil e que po­dem che­gar aos R$ 15 mil pa­ra quem in­gres­sa no al­to es­ca­lão do fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co fe­de­ral. A Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM) é uma das três ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or a ofe­re­ce­ro­cur­so­de­gra­du­a­ção­na­re­gião Sul, for­man­do en­tre seis e dez no­vos es­ta­tís­ti­cos por ano.

A co­or­de­na­do­ra do cur­so e che­fe do de­par­ta­men­to de Es­ta­tís­ti­ca da UEM, dou­to­ra Clé­di­na Re­gi­na Lo­nar­dan Acor­si, diz que a área é mui­to pro­mis­so­ra por­que é plu­ri­di­men­si­o­nal, ofe­re­ce qua­li­da­de de vi­da e há mais ofer­ta de em­pre­go que pro­fis­si- onais dis­po­ní­veis. A con­cor­rên­cia do ves­ti­bu­lar é bai­xa, 2,3 por va­ga, en­tão pro­fes­so­res e alu­nos vi­si­tam es­co­las do En­si­no Mé­dio pa­ra­es­cla­re­cer­so­bre­o­cur­so­e­es­ti­mu­lar os jo­vens.

“Ex­pli­ca­mos que não exis­te achis­mo em es­ta­tís­ti­ca, que o pro­fis­si­o­nal in­ter­pre­ta va­riá­veis den­tro de um sis­te­ma pre­ci­so, a ma­nei­ra que usa­mos a ma­te­má­ti­ca, o pla­ne­ja­men­to e aná­li­se de da­dos. Fa­la­mos do mer­ca­do e de pos­si­bi­li­da­des”, ex­pli­ca Clé­di­na.

Os ca­lou­ros da UEM são re­ce­bi­dos com um even­to que re­ce­be es­ta­tís­ti­cos de to­do o País que atu­am em áre­as di­ver­sas. Os uni­ver­si­tá­ri­os têm pa­les­tras so­bre co­mo é tra­ba­lhar pa­ra o go­ver­no, em uma fa­zen­da, in­dús­tria ou la­bo­ra­tó­rio. Alu­no do pri­mei­ro se­mes­tre, Pe­dro Hen­ri­que San­chez da Sil­va, 17 anos, in­te­res­sou-se pe­la Es­ta­tís­ti­ca ain­da no En­si­no Mé­dio, quan­do um pro­fes­sor de Bi­o­lo­gia deu au­las ex­tras so­bre o te­ma. Apro­va­do no pri­mei­ro ves­ti­bu­lar, na se­ma­na aca­dê­mi­ca po­de re­di­men­si­o­nar a apli­ca­ção da ci­ên­cia que es­co­lheu.

Apai­xo­na­do por ma­te­má­ti­ca, ele ado­ra es­tu­dar ge­o­me­tria ana­lí­ti­ca e cál­cu­lo nu­mé­ri­co. “Vo­cê volta a usar as fun­ções in­te­gral e de­ri­va­das por­que elas são a ba­se dos nos­sos sis­te­mas. O que eu acho di­ver­ti­do é que os sis­te­mas re­sol­vem qual­quer ti­po de pro­ble­ma, em qual­quer área”, con­ta.

A con­sul­to­ria jú­ni­or do cur­so, a Es­tats, foi fun­da­da em 2014. Os alu­nos re­a­li­zam ser­vi­ços de Pes­qui­sa de Mer­ca­do, de Sa­tis­fa­ção, Aná­li­se des­cri­ti­va de Da­dos, Tes­tes de Cor­re­la­ção, Pla­no Amos­tral, Pla­ne­ja­men­to e Aná­li­se de Ex­pe­ri­men­tos,en­tre­ou­tros.

“Ava­li­a­mos as so­li­ci­ta­ções e os pro­je­tos um a um, se for viá­vel, a gen­te exe­cu­ta. Al­gu­mas amos­tra­gens con­têm mui­tos da­dos, ou­tras, mui­tas va­riá­veis”, afir­maRo­dri­goYa­ma­sa­ki,aca­dê­mi­co do 4º ano de Es­ta­tís­ti­ca.

O ide­al é pro­cu­rar a con­sul­to­ria ain­da na fa­se de pla­ne­ja­men­to, pa­ra que eles in­di­quem a me­lhor me­to­do­lo­gia e a mar­gem de er­ro se­ja me­nor. “Al­gu­mas pes­qui­sas qua­li­ta­ti­vas po­dem ser mui­to tra­ba­lho­sas de sis­te­ma­ti­zar se fo­rem fei­tas sem pla­ne­ja­men­to”,ori­en­taYa­ma­sa­ki. Nos Es­ta­dos Uni­dos, a Es­ta­tís­ti­ca foi con­si­de­ra­da a se­gun- da me­lhor pro­fis­são de 2016, de acor­do com o si­te Ca­re­erCast. A pro­fes­so­ra Clé­di­na lem­bra que 50% dos re­cém-for­ma­dos­se­guem­pa­ra­aá­re­a­a­ca­dê­mi­ca abrin­do no­vos campos de es­tu­do. Além dis­so os es­ta­tís­ti­cos são­es­sen­ci­ais­no­a­van­ço­tec­no­ló­gi­co e na in­for­má­ti­ca.

As má­qui­nas e a in­te­li­gên- cia ar­ti­fi­ci­al fun­ci­o­nam por meio de mo­de­los es­ta­tís­ti­cos. As­sim, quan­to mais avan­ça­do for o sis­te­ma, mai­or se­rá a im­por­tân­cia do pro­fis­si­o­nal. A UEM já ofe­re­ce o mes­tra­do em bi­o­es­ta­tís­ti­ca, ra­mo do co­nhe­ci­men­to que dá su­por­te pa­ra as áre­as bi­o­ló­gi­cas, de bi­o­me­di­ci­na, me­di­ci­na e saú­de.

—FO­TO: JC FRAGOSO

FOR­MA­ÇÃO. Ro­dri­go Ya­ma­sa­ki, aca­dê­mi­co do 4º ano de Es­ta­tís­ti­ca da UEM: al­ter­na­ti­va pa­ra alu­nos é con­sul­to­ria jú­ni­or.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.