Uma pai­xão que é he­ran­ça de pai

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL IMÓVEIS - Pe­dro So­lheid pe­dro­so­lheid@odi­a­rio.com

Fi­lho do len­dá­rio Edu­ar­do Sa­ça­ki, des­ta­que do BMX mo­ra e trei­na em Ma­rin­gá

Um dos prin­ci­pais atle­tas de BMX do Bra­sil está mo­ran­do e trei­nan­do em Ma­rin­gá. Pau­lo Sa­ça­ki, de 28 anos, não her­dou do pai ape­nas o so­bre­no­me, mas tam­bém o gos­to pe­los sal­tos em du­as ro­das. Pau­li­nho é fi­lho de Edu­ar­do Sa­ça­ki, o “Ja­po­nês Vo­a­dor”, len­da do Mo­to­cross brasileiro nos anos 80 e 90. Se quan­do cri­an­ça o pai o le­va­va pa­ra an­dar de mo­to des­de os 4 anos, foi na bi­ci­cle­ta que o fi­lho des­co­briu­re­al­men­te­su­a­vo­ca­ção.

A primeira com­pe­ti­ção foi aos 16 anos.,Jun­to veio o pri­mei­ro tí­tu­lo. Fa­tor de­ci­si­vo pa­ra tro­car de vez os mo­to­res pe­los pe­dais. “Meu so­nho sem­pre foi ser pi­lo­to de mo­to­cross, ti­nha re­fe­rên­cia, não dá pra fa­lar que não que­ria. Mas de­pois do aci­den­te do meu pai em 2005 ti­ve­mos que ti­ra­rum­pou­co­o­pé”,con­fes­sa.

Edu­ar­do so­freu um aci­den­te com­pe­tin­do em 2005 e fi­cou 11 di­a­sem­co­ma.

Nas­ci­do em Cu­ri­ti­ba e for­ma­do em Ad­mi­nis­tra­ção, Sa­ça­ki já cons­truiu uma bo­ni­ta car­rei­ra no esporte. Já com­pe­tiu na Itá­lia, Fran­ça, Ale­ma­nha, Es­ta­dos Uni­dos e Estô­nia, con­quis­tan­do bons re­sul­ta­dos, tí­tu­los por to­do o Bra­sil e um vi­ce no 45° Nord Con­test, na Itá­lia, em 2015.

Tam­bém em 2015, quan­do mo­ra­va em Lon­dri­na, ele ex­pli­ca que um ami­go de Ma­rin­gá ofe­re­ceu um es­pa­ço no fun­do de ca­sa pa­ra cons­truir uma pis­ta e ele acei­tou, o es­pa­ço foi ba­ti­za­do de “89 Park” em ho­me­na­gem ao nú­me­ro uti­li­za­do pe­lo pai nas com­pe­ti­ções de Mo­to­cross. “Em Lon­dri­na as pis­tas não eram mui­to boas e não ti­nha mui­to apoio da pre­fei­tu­ra”, jus­ti­fi­ca.

No úl­ti­mo fim de se­ma­na co­me­çou o Cir­cui­to Na­ci­o­nal da mo­da­li­da­de. A primeira eta­pa do BSS Tour foi em Var­gi­nhaMG e mar­cou o re­tor­no de Sa­ça­ki após um ano e meio sem com­pe­tir. Ele te­ve uma fra­tu­ra no os­so na­vi­cu­lar, no pé, en­quan­to gra­va­va um cli­pe pa­ra um pa­tro­ci­na­dor em 2015. “O re­sul­ta­do não foi o que eu es­pe­ra­va, eu fi­quei mui­to tem­po sem com­pe­tir, a pres­são foi gran­de. Es­tou trei­nan­do des­de fe­ve­rei­ro, mas fo­ram ape­nas os úl­ti­mos dois me­ses no meu rit­mo nor­mal”, la­men­ta. Mes­mo abai­xo da ex­pec­ta­ti­va, o atle­ta fi­cou em 12° e so­mou pon­tos pa­ra a tem­po­ra­da. A pró­xi­ma eta­pa se­rá em Ja­ra­guá­doSul,no­fim­deJu­nho.

Co­me­çou tam­bém es­sa se­ma­na o Cam­pe­o­na­to Mun­di­al, po­rém, por fal­ta de apoio fi­nan­cei­ro, Pau­li­nho não con­se­guiu vi­a­jar pa­ra a Fran­ça pa­ra dis­pu­tar a primeira eta­pa. “É um in­ves­ti­men­to al­to, in­fe­liz­men­te não con­se­gui­mos des­sa vez, mas ain­da pre­ten­do par­ti­ci­par de ou­tras eta­pas ain­da es­te ano”, co­men­ta.

Ele ex­pli­ca que “é com­pli­ca­do pa­ra um atle­ta vi­ver ape­nas dos cam­pe­o­na­tos, ele pre­ci­sa de pa­tro­cí­nio”, e bus­ca par­ce­ri­as pa­ra con­ti­nu­ar vi­ven­do do que ama fa­zer. O pró­xi­mo com­pro­mis­so é o Are­na Banks, nos di­as 24 e 25 de ju­nho, em São Ber­nar­do do Cam­po.

Além das com­pe­ti­ções, um dos so­nhos de Pau­li­nho é pro­mo­ver e in­cen­ti­var o esporte. Pa­ra is­so ele pre­ten­de fun­dar a primeira as­so­ci­a­ção da mo­da­li­da­de em Ma­rin­gá e plei­te­ar ver- bas de in­cen­ti­vo ao esporte da Pre­fei­tu­ra. “Eu con­ver­sei com o se­cre­tá­rio de es­por­tes, te­mos al­guns pro­je­tos em men­te pa­ra no ano que vem tra­ba­lhar­mos jun­tos. De­sen­vol­ver es­co­li­nhas, ofi­ci­nas e cons­tru­ção de pis­ta, pa­ra po­der ala­van­car o esporte”, co­men­ta. “Já era al­go que eu que­ria fa­zer há mui­tos anos, mas não con­se­guia dar tan­ta ên­fa­se, es­se ano pa­ra­do ser­viu to­car al­guns pro­je­tos”, com­ple­ta.

De­cla­ra­da­men­te apai­xo­na­do pe­lo BMX, Sa­ça­ki con­fes­sa que, en­tre as cin­co mo­da­li­da­des – Mi­ni ramp com spi­ne, Dirt Jump, Ver­ti­cal, Stre­et e Park – sua pre­fe­ria é a Dirt Jump, dis­pu­ta­da na ter­ra. Se­gun­do ele, sem re­la­ção com o ter­re­no on­de o pai fez su­ces­so, “é ape­nas uma pre­fe­rên­ci­a­mes­mo”.

Pa­ra ele, an­dar de bi­ci­cle­ta vai mui­to além de um esporte, é um es­ti­lo de vi­da. “O ca­ra po­de es­co­lher an­dar de bi­ci­cle­ta ou re­al­men­te se de­di­car a is­so. Tem di­as que vo­cê fa­la que vai trei­nar e re­al­men­te con­se­gue, mas tem di­as que não vai ro­lar e vo­cê pre­ci­sa só cur­tir”. Além de qua­tro ho­ras diá­ri­as pe­da­lan­do, pa­ra man­ter o pre­pa­ro fí­si­co, ele gas­ta ou­tras três en­tre trei­nos de mus­cu­la­ção e na­ta­ção.

FO­TO: JOÃO PAU­LO SAN­TOS

PRE­PA­RA­ÇÃO. Pau­lo Sa­ça­ki ado­tou a Ci­da­de Can­ção pa­ra trei­nos, on­de dis­põe de pis­ta ex­clu­si­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.