Co­pa na Rús­sia, pri­vi­lé­gio pa­ra quem tem o ‘bol­so pre­pa­ra­do’

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL IMÓVEIS - Pau­li­ne Al­mei­da pau­li­ne­al­mei­da@odi­a­rio.

O Bra­sil foi o pri­mei­ro país a se clas­si­fi­car pa­ra a Co­pa do Mun­do da Rús­sia em 2018. O bom futebol do ti­me co­man­da­do por Ti­te já faz os bra­si­lei­ros so­nha­rem com o he­xa­cam­pe­o­na­to, es­pe­ci­al­men­te pa­ra su­pe­rar o ve­xa­me dos 7 a 1 den­tro de ca­sa. Po­rém, não bas­ta ar­ru­mar as ma­las e tor­cer, é pre­ci­so pre­pa­rar o bol­so, já que pas­sar os 32 di­as do tor­neio na ter­ra da vod­ca de­ve cus­tar cer­ca de R$ 25 mil, fo­ra ali­men­ta­ção.

Po­de pa­re­cer ca­ro, mas o es­tran­gei­ro que veio pa­ra a Co­pa do Bra­sil­gas­tou­ain­da­mais,cer­ca­de R$ 34 mil. O eco­no­mis­ta e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá, Joil­son Di­as, acre­di­ta que quem não pou­pou até ago­ra e não pos­sui ren­da su­pe­ri­or a R$ 5 mil fica pra­ti­ca­men­te im­pos­si­bi­li­ta­do de ir à Co­pa. Res­tan­do 14 me­ses, mes­mo in­ves­ti­men­tos não ga­ran­tem a vi­a­gem. “Eu re­co­men­do ir so­men­te se for um so­nho a ser re­a­li­za­do. Pa­ra ir era pre­ci­so ter guar­da­do di­nhei­ro des­de o fim da úl­ti­ma Co­pa do Mun­do. Ago­ra, ou ven­de um be­mou­pre­ci­sa­te­rum­ren­di­men­to­mui­to­al­to”,ava­li­ou.

Oque­es­pe­rar­daRús­sia?

É o mai­or país do mun­do em ter­ri­tó­rio e tem uma for­ma­ção ge­o­grá­fi­ca e po­pu­la­ci­o­nal he- te­ro­gê­nea, com 21 re­pú­bli­cas, no­ve ter­ri­tó­ri­os, 46 uni­da­des fe­de­ra­ti­vas, du­as ci­da­des fe­de­rais, uma uni­da­de autô­no­ma e qua­tro dis­tri­tos autô­no­mos. São 146 mi­lhões de pes­so­as de mais de 140 na­ci­o­na­li­da­des e gru­pos ét­ni­cos, fa­lan­do cer­ca de 100 idi­o­mas.

A Rús­sia ge­ral­men­te é lem­bra­da pe­lo frio, a vod­ca, o ba­lé e o po­lê­mi­co pre­si­den­te Vla­di­mir Pu­tin. O pro­fes­sor do de­par­ta­men­to­deHis­tó­ri­a­daUEM,Re­gi­nal­do Di­as, pre­pa­ra-se pa­ra a se­gun­da tem­po­ra­da no país e ga­ran­te que a ex­pe­ri­ên­cia é fas­ci­nan­te, es­pe­ci­al­men­te pe­la ar­qui­te­tu­ra, ar­te e his­tó­ria. Pa­ra ele, Bra­sil e Rús­sia têm se­me­lhan­ças. “São paí­ses de di­men­sões con­ti­nen­tais, cul­tu­ra de Es­ta­do for­te e do ‘jei­ti­nho’ pa­ra con­se­guir as coi­sas.”

O ima­gi­ná­rio de um po­vo des­con­fi­a­do e du­ro pa­re­ce não se con­cre­ti­zar. “É um po­vo com mui­to or­gu­lho da sen­sa­ção de gran­de­za do país e ele­va­da ta­xa edu­ca­ci­o­nal. A lín­gua aca­ba sen­do uma bar­rei­ra, es­pe­ci­al­men­te pa­ra ler pla­cas e es­ta­ções do me­trô. Mas a no­va ge­ra­ção, que já nas­ceu no pósU­nião So­vié­ti­ca, está bem sin­to­ni­za­da com o apren­di­za­do da lín­gua in­gle­sa.”

A es­tu­dan­te La­ris­sa Pi­e­ra­li­si fez in­ter­câm­bio de dois me­ses em uma ci­da­de da Si­bé­ria e tam­bém vol­tou en­can­ta­da. Nes­te pe­río­do apren­deu o quan­to as rus­sas an­dam bem ar­ru­ma­das, as cri­an­ças são es­ti­mu­la­das des­de ce­do pa­ra a cul­tu­ra, a fal­ta de or­ga­ni­za­ção na ho­ra das fi­las e o quan­to a car­ne é ca­ra. A ali­men­ta­ção é for­ma­da por so­pas, con­ser­vas, pan­que­cas, man­ta (bo­li­nho de car­ne re­che­a­do) e mui­to cho­co­la­te. Já pa­ra be­ber, vod­ca e chá.

Em re­la­ção à se­gu­ran­ça, cui­da­do com os ‘ba­te­do­res’ de car­tei­ra e a fa­ma de cor­rup­ta da po­lí­cia. A mo­e­da ofi­ci­al é o ru­blo (co­ta­ção de 18 pa­ra ca­da R$ 1). Se­gun­do o pro­pri­e­tá­rio da ICI In­ter­câm­bio e Tu­ris­mo, Mar­ce­lo Le­me, não é pre­ci­so vis­to, po­rém, o pas­sa­por­te de­ve ter da­ta de va­li­da­de su­pe­ri­or a seis me­ses, já o se­gu­ro de vi­a­gem é obri­ga­tó­rio. Pa­ra Le­me, a me­lhor op­ção é che­gar e sair por Mos­cou, pois as ci­da­des-se­de são dis­tan­tes, va­ri­an­do de 417 a 1.784 quilô­me­tros da ca­pi­tal. A mais longe é Eca­te­rim­bur­go, a úni­ca es­co­lhi­da par­te asiá­ti­ca.

O pro­pri­e­tá­rio da CVC, Bru­no Qui­li­ci, des­ta­ca que a Rús­sia é um des­ti­no exó­ti­co até pa­ra as agên­ci­as. Elas es­tão pre­pa­ran­do seus pa­co­tes, apro­vei­tan­do que a Co­pa se­rá no ve­rão, quan­do as tem­pe­ra­tu­ras são pa­re­ci­das com as de Cu­ri­ti­ba. Quem for ao país em 2018 te­rá mui­to tem­po pa­ra tu­ris­mo, pois o meio do ano guar­da o fenô­me­no das noi­tes bran­cas, em que o sol se põe após as 22h, com cre­pús­cu­lo du­ran­te to­da­a­ma­dru­ga­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.