Um exo­ne­ra­do afor­tu­na­do

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Es­sa no­tí­cia me dei­xou tris­te, mas me le­vou a uma in­tros­pec­ção, em bus­ca de ex­pli­ca­ções. Mi­nha tris­te­za sem­pre se ex­pres­sa por uma lin­gua­gem pró­pria, o de­sa­ba­fo sem lá­gri­mas. Pa­ra eli­mi­nar a ten­são, pro­cu­ro apren­der a par­tir do que vi­vo. E a no­tí­cia que me dei­xou tris­te não foi no Bra­sil, não! O ex-di­re­tor exe­cu­ti­vo da mon­ta­do­ra ame­ri­ca­na Ford, Mark Fi­elds, foi de­mi­ti­do nes­sa se­gun­da-fei­ra após ape­nas três anos no car­go. As ações da mon­ta­do­ra ha­vi­am caí­do 37% du­ran­te a sua ges­tão e re­cen­te­men­te hou­ve um cor­te de 1.400 pos­tos de tra­ba­lho na Amé­ri­ca do Nor­te e Ásia pa­ra re­du­zir cus­tos e me­lho­rar a ren­ta­bi­li­da­de. No en­tan­to aque­le se­nhor de 56 anos, tão de­sa­cre­di­ta­do, re­ce­be­rá cer­ca de 57 mi­lhões de dó­la­res em in­de­ni­za­ção. A mai­or par­te do seu pa­ga­men­to está em prê­mi­os de ações, ava­li­a­dos em US$ 29,4 mi­lhões. Fi­elds tam­bém tem di­rei­to a cer­ca de US$ 17,5 mi­lhões em be­ne­fí­ci­os de apo­sen­ta­do­ria, além de op­ções de ações no va­lor de US$ 8,1 mi­lhões e um bô­nus de in­cen­ti­vo es­ti­ma­do apro­xi­ma­da­men­te em US$ 2,1 mi­lhões. De­ta­lhe: no ano pas­sa­do, a re­mu­ne­ra­ção to­tal de Fi­elds ha­via su­bi­do 19%, pa­ra US$ 22,1 mi­lhões. Por in­crí­vel que pa­re­ça, o mun­do ao seu re­dor não se des­man­chou quan­do o che­fe o cha­mou a por­tas fe­cha­das, ape­nas fi­cou mais cor de ro­sa. Is­so é ape­nas um exem­plo re­cen­te da nor­ma­li­za­ção da per­ver­si­da­de em nos­sos tem­pos – pre- mi­a­mos o bi­zar­ro nas ar­tes, o não con­for­mis­mo no so­ci­al e, no ca­so dos ex­ces­sos ab­sur­dos, op­ta­mos sim­ples­men­te por ig­no­rá-los, co­mo de­mons­trou o dis­cur­so pa­ra a im­pren­sa do pre­si­den­te do Con­se­lho da Ford, ao anun­ci­ar o des­li­ga­men­to: “Es­tou mui­to gra­to a Mark e ele fez uma óti­ma car­rei­ra aqui, mas es­te é um mo­men­to de mu­dan­ça....” Is­so me cau­sa tris­te­za por­que, quan­do se per­de as re­fe­rên­ci­as, per­de-se o caminho. Com re­fe­rên­ci­as fi­xas, a nos­sa con­du­ta é pre­vi­sí­vel, mas, quan­do se afrou­xam con­cei­tos co­mo “ex­ces­so”, fica qua­se im­pos­sí­vel ca­rac­te­ri­zá-la (ou, de­pen­den­do de quem se be­ne­fi­cia, mais fá­cil de as­si­mi­lar). Tu­do que apren­di em eco­no­mia co­mo es­tu­dan­te par­tiu do prin­cí­pio da es­cas­sez e nun­ca do ex­ces­so. Ri­car­do (1817) es­ta­be­le­ceu a es­cas­sez co­mo uma das du­as fon­tes de va­lor (a ou­tra sen­do a quan­ti­da­de de mão-de-obra); o li­vro dou­tri­ná­rio de Marx “Das Ka­pi­tal” (1867) é uma lon­ga me­di­ta­ção so­bre es­cas­sez. E o pre­cur­sor de am­bos, Malthus (1798), nos aler­tou so­bre o pro­ble­ma da es­cas­sez fren­te ao cres­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal. No en­tan­to, nos tem­pos de ho­je, tu­do é ex­ces­so – po­lui­ção ma­ci­ça, su­búr­bi­os se alas­tran­do, in­for­ma­ção ex­plo­din­do (e res­ci­sões con­tra­tu­ais mi­li­o­ná­ri­as). É ho­ra de re­ver as nos­sas te­o­ri­as. Os pro­ble­mas que en­fren­ta­mos di­a­ri­a­men­te, co­mo a po­bre­za, a de­si­gual­da­de e ou­tros, po­dem re­ce­ber so­lu­ções mais efe­ti­vas se os re­pen­sar­mos em ter­mos de ex­ces­so ou abun­dân­cia, e não de es­cas­sez? O ex­ces­so, con­for­me Key­nes es­cre­veu em 1930, é um pro­ble­ma ur­gen­te, pe­cu­li­ar na vi­da econô­mi­ca mo­der­na. Durkheim o viu co­mo al­go imo­ral, e, na sua obra “O Sui­cí­dio” (1897), se re­fe­riu a ele co­mo a “mo­lés­tia do in­fi­ni­to” (The di­se­a­se of the in­fi­ni­te), ad­ver­tin­do: “In­de­pen­den­te­men­te de qual­quer for­ça re­gu­la­do­ra ex­ter­na, nos­sa ca­pa­ci­da­de de atin­gir­mos a sa­tis­fa­ção é em si um abis­mo in­sa­ciá­vel e sem fun­do. Mas se na­da li­mi­tar es­sa ca­pa­ci­da­de, ela po­de­rá se tor­nar uma fon­te de tor­men­to pa­ra si mes­ma.” Não exis­te a com­pro­va­ção de que um al­to sa­lá­rio in­cen­ti­va al­guém a pro­du­zir mais ou a se es­for­çar mais. Ao con­trá­rio, po­de até re­sul­tar em gran­des de­cep­ções. Mas, daí, o que po­de­rá ser con­si­de­ra­da uma com­pen­sa­ção jus­ta? An­tes de exa­mi­nar o quan­to dis­tri­buir, é bom olhar o pro­ces­so de se­le­ção co­mo um to­do. O pro­ces­so pa­ra se es­co­lher um exe­cu­ti­vo é re­al­men­te igual pa­ra to­dos? Exis­te um viés in­sa­lu­bre so­la­pa­do por um con­fli­to de in­te­res­ses? O nos­so ex-di­re­tor da Ford tam­bém foi alu­no do Har­vard Bu­si­ness Scho­ol. Cau­sa ou coin­ci­dên­cia? Se hou­ver opor­tu­ni­da­des pa­ra to­dos su­pri­rem as su­as ne­ces­si­da­des e um aces­so uni­ver­sal a to­dos os re­cur­sos, não se­rá eli­mi­na­do o ex­ces­so, mas pe­lo me­nos o tor­na­re­mos me­nos pro­ble­má­ti­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.