Um trem con­tra o sos­se­go de to­dos

O Diario do Norte do Parana - - PARANÁ - Ale­xan­dre Gai­o­to gai­o­to@odi­a­rio.com

Quan­do o trem en­tra em ce­na, tu­do mu­da. Cri­an­ças e ado­les­cen­tes que se­guem ru­mo aos co­lé­gi­os Ola­vo Bi­lac, Ma­ria An­to­na e Es­co­la Mu­ni­ci­pal Cri­an­ça Es­pe­ran­ça pre­ci­sam in­ter­rom­per a ca­mi­nha­da, e al­guns pro­va­vel­men­te­re­ce­be­rão­do­pro­fes­sor uma ad­ver­tên­cia verbal pe­lo atra­so. Uma mu­lher que bus­cou o fi­lho na ca­sa da ami­ga e dei­xou no for­no al­gum bo­lo ou ou­tra so­bre­me­sa pa­ra a jan­ta, pro­va­vel­men­te er­ra­rá o pon­to da re­cei­ta e te­rá de fa­zer tu­do de no­vo. Um ho­mem que pos­sui uma amante do ou­tro la­do da li­nha te­rá de re­fre­ar seus de­se­jos, for­çan­do-se a pen­sar em ce­nas ale­a­tó­ri­as, com­pon­do sequên­ci­as que po­dem­du­ra­ra­té­mei­aho­ra.

Uma am­bu­lân­cia car­re­gan­do uma pes­soa em si­tu­a­ção de ris­co, em di­re­ção à UPA, a pou­cas qua­dras da li­nha fér­rea, te­rá de amar­gar uma es­pe­ra que po­de du­rar 30 mi­nu­tos, até to­dos os 200 va­gões se­gui­rem ru­mo. A tra­je­tó­ria de mui­ta gen­te mu­da com a pas­sa­gem do trem, que bu­zi­na a ca­da tra­ves­sa de au­to­mó­veis e mo­to­ci­clis­tas nos 5 km de fer­ro­via na área ur­ba­na de Sa­ran­di. De acor­do com a Ru­mo Amé­ri­ca La­ti­na Lo­gís­ti­ca (ALL), em­pre­sa que ad­mi­nis­tra a li­nha fér­rea, são cer­ca de dez trens cru­zan­do Sa­ran­di, dia e noi­te, com uma si­re­ne que, de acor­do com a norma NBR n° 16447, da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Nor­mas Téc­ni­cas (ABNT), obri­ga­to­ri­a­men­te de­ve os­ci­la en­tre 96 a 110 de­ci­béis.

É um ba­ru­lho tão po­ten­te que, mes­mo mo­ran­do a cer­ca de cin­co qua­dras de dis­tân­cia da li­nha, a ge­ren­te co­mer­ci­al Ale­teia Duarte, 42, es­cu­ta ca­da tom da bu­zi­na. “É um hor­ror. To­do o dia, a mes­ma coi­sa. To­do mun­do acor­da”, re­cla­ma. Cri­an­ças es­go­e­lam cho­ros, ve­lhos le­van­tam as­sus­ta­dos, casais são des­per­ta­dos da paz que ha­via nos tra­ves­sei­ros: to­da a ro­ti­na de uma ca­sa é al­te­ra­da pe­la tra­ves­sia da lo­co­mo­ti­va. Sa­ran­di sem­pre acor­da pa­ra o trem. “É uma desgraça. Nin­guém mais aguen­ta es­se in­fer­no. Tem que ti­rar es­se trem daí”, su­ge­re o bor­ra­chei­ro Mai- con da Sil­va, que tra­ba­lha a al­guns­me­tros­da­li­nha.

A pra­ça da Ju­ven­tu­de, lo­ca­li­za­da en­tre as ru­as Atí­lio Sal­va­la­gio e José Mu­nhoz, é um dos pon­tos mais crí­ti­cos do trem em Sa­ran­di. Nas du­as ex­tre­mi­da­des da pra­ça, a si­na­li­za­ção nas ru­as é pre­cá­ria pa­ra a pas­sa­gem do trem. Há dois pos­tes de­pre­da­dos nos dois sen­ti­dos das vi­as, com si­nal de “pa­re” e de “li­nha fér­rea”, mas não há can­ce­las e a al­tu­ra do ma­to dos ter­re­nos bal­di­os di­fi­cul­ta a vi­são de mo­to­ris­tas e mo­to­ci­clis­tas quan­do o trem se apro­xi­ma. Se­gun­do mo­ra­do­res, os si­na­lei­ros ele­trô­ni­cos dos pos­tes não fun­ci­o­nam há uma dé­ca­da. “Vol­ta e meia o trem acer­ta um car­ro aí. Acon­te­ce di­re­to”, co- men­ta um apo­sen­ta­do que não quis ser iden­ti­fi­ca­do.

Na pra­ça, não são ape­nas os mo­to­ris­tas que es­tão ex­pos­tos aos pe­ri­gos da cru­za­da do trem. Con­tor­nan­do um dos la­dos da pra­ça, a li­nha fér­rea sur­ge sem qual­quer bar­rei­ra de se­pa­ra­ção en­tre­pe­des­tre­se­va­gões­que­pas­sam por lá. No meio da pra­ça, háum­ca­mi­nho­pro­je­ta­do­ex­clu­si­va­men­te pa­ra pe­des­tres e ci­clis­tas que con­duz à li­nha fér­rea, sem qual­quer ti­po de si­na­li­za­ção ou aler­ta. Mui­tas cri­an­ças, in­clu­si­ve, fa­zem da li­nha do trem uma ban­que­ta im­pro­vi­sa­da. “Aqui, a gen­te nun­ca sa­be quan­do o trem vai apa­re­cer. É mui­to pe­ri­go­so não ter na­da, nem uma can­ce­la”, ob­ser­va a es- tu­dan­te Ra­fa­e­la Li­ma, 24. Pi­san­do em tri­lhos, mo­ra­do­res es­tão cons­ci­en­tes do ris­co que cor­rem. “To­do mun­do sa­be que é pe­ri­go­so. Não tem ca­tra­ca nem avi­so”, ob­ser­va a es­tu­dan­te Be­a­triz Ro­sa, 12.

O pre­fei­to de Sa­ran­di, Wal­ter Vol­pa­to, afir­ma que a pre­sen­ça da li­nha fér­rea em Sa­ran­di é “um trans­tor­no pa­ra o mu­ni­cí­pio” e re­co­nhe­ce que “há mui­tos anos fal­ta si­na­li­za­ção ade­qua­da” na pra­ça da Ju­ven­tu­de. Se­gun­do o pre­fei­to, “há uns oi­to anos não tem can­ce­las” pa­ra se­pa­rar, no lo­cal, a li­nha fér­rea de mo­to­ris­tas e mo­to­ci­clis­tas. “Pa­ra mim, is­so é um pro­ble­ma da Ru­mo ALL”, diz Vol­pa­to.

O se­cre­tá­rio do Meio Am­bi­en­te, Re­gi­nal­do Ga­lin­do, che­gou a no­ti­fi­car ofi­ci­al­men­te a Ru­mo ALL, de acor­do com Vol­pa­to, por não cui­dar ade­qua­da­men­te de al­guns tre­chos. “Ti­nha mui­to ma­to e mui­to aban­do­no na li­nha fér­rea”, cri­ti­ca. Pa­ra o pre­fei­to, o trân­si­to no lo­cal, que po­de pre­ju­di­car o tra­ba­lho de equi­pes mé­di­cas, é uma das pi­o­res con­sequên­ci­as da pre­sen­ça do trem. “A UPA fi­ca lo­go do la­do da li­nha... Tem ca­sos que os trens que têm uns 200 va­gões, is­so ge­ra mui­to trân­si­to”, diz.

Vol­pa­to não sou­be res­pon­der se é pos­sí­vel di­mi­nuir ou até mes­mo proi­bir o trân­si­to de trens em de­ter­mi­na­dos ho­rá­ri­os da ma­dru­ga­da. “Tem que ver com o pes­so­al que ad­mi­nis­tra a li­nha fér­rea. Me pa­re­ce, aliás, queháa­téu­ma­reu­nião­já­mar­ca­da, em Cu­ri­ti­ba, pa­ra de­ci­dir as me­lho­ri­as­pa­ra­o­mu­ni­cí­pio.”

Em no­ta, a Ru­mo ALL res­sal­ta que su­as ope­ra­ções se­guem to­das as nor­mas vi­gen­tes e que pro­cu­ra cau­sar “o me­nor im­pac­to pos­sí­vel” à po­pu­la­ção. A con­ces­si­o­ná­ria es­cla­re­ce que a bu­zi­na é item “es­sen­ci­al de se­gu­ran­ça, uti­li­za­da por fer­ro­vi­as do mun­do in­tei­ro”, e to­dos os ma­qui­nis­tas são pe­ri­o­di­ca­men­te trei­na­dos pa­ra “se­gui­rem cor­re­ta­men­te o pro­ce­di­men­to de aci­o­na­men­to des­te dis­po­si­ti­vo”.

Di­fe­ren­te­men­te do pre­fei­to Wal­ter Vol­pa­to, a Ru­mo ALL afir­ma que a se­gu­ran­ça do trân­si­to em zo­nas ur­ba­nas é res­pon­sa­bi­li­da­de da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca Mu­ni­ci­pal. “Com­pe­te aos ór­gãos e en­ti­da­des de trân­si­to de ca­da mu­ni­cí­pio, de acor­do com o Có­di­go de Trân­si­to Bra­si­lei­ro.

A Com­pa­nhia se co­lo­cou à dis­po­si­ção da pre­fei­tu­ra pa­ra dis­cu­tir so­lu­ções de me­lho­ri­as nas si­na­li­za­ções das pas­sa­gens em Sa­ran­di.

—FO­TO: JC FRA­GO­SO

INCÔ­MO­DO. Lo­co­mo­ti­va ar­ras­ta até 200 va­gões atra­pa­lhan­do trân­si­to de car­ros e pes­so­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.