Obe­di­ên­cia ca­ni­na

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Nos anos 1980, pe­río­do em que vi­vi mi­nha fa­se es­co­lar, sem­pre fui uma boa alu­na. Pa­ra di­zer a ver­da­de, óti­ma. Pa­re­ce fal­ta de mo­dés­tia, mas o fa­to é que, no que­si­to no­tas, até a 8ª sé­rie, atu­al 9º ano, eu era a pri­mei­ra da clas­se. Ti­ve mui­to “100” ador­nan­do meus bo­le­tins, al­guns de­les ain­da guar­da­dos com ca­ri­nho. Mas, sin­ce­ra­men­te, não me re­cor­do de sen­tir, co­mo alu­na, pra­zer por apren­der. Eu me de­di­ca­va a es­tu­dar pa­ra as pro­vas, a fa­zer as ta­re­fas e tra­ba­lhos, a pres­tar mui­ta aten­ção du­ran­te as au­las. En­tre­tan­to, to­da es­sa de­di­ca­ção ti­nha co­mo mai­or ob­je­ti­vo o re­sul­ta­do fi­nal, que era a no­ta al­ta no fi­nal do bi­mes­tre. Da mes­ma ma­nei­ra em que não te­nho cons­tran­gi­men­to em di­zer que fui uma ex­ce­len­te alu­na, ad­mi­to que mais de­co­ra­va que apren­dia. Era is­so. Eu es­tu­da­va mui­to, mas não sei afir­mar se via sen­ti­do em tu­do na­que­les con­teú­dos. Pa­re­ce meio pa­ra­do­xal es­sa afir­ma­ção, mas a ques­tão é que nem sem­pre es­tu­dar e con­se­guir bo­as no­tas sig­ni­fi­cam uma apren­di­za­gem de qua­li­da­de. Re­cor­do-me, por exem­plo, dos ex­ten­sos ques­ti­o­ná­ri­os de Es­tu­dos So­ci­ais. Cin­quen­ta, ses­sen­ta per­gun­tas, to­das res­pon­di­das no qua­dro pe­la pro­fes­so­ra. A mai­o­ria de nós ti­nha uma obe­di­ên­cia ca­ni­na e co­pi­a­va tu­do avi­da­men­te, aten­tan­do pa­ra res­pei­tar as margens do ca­der­no. Mar­ca­do o dia da ava­li­a­ção, era só de­co­rar as res­pos­tas. Era co­mum ela pe­dir dez per­gun­tas. E aí... bin­go! Eu acer­ta­va to­das e ga­nha­va uma es­tre­li­nha. Ou me­lhor, uma no­ta má­xi­ma. Acon­te­cia as­sim tam­bém com as de­ze­nas de exer­cí­ci­os gra­ma­ti­quei­ros que fa­zía­mos, que são os que pe­dem con­cei­tos da lín­gua, mas sem re­fle­xão. “Dê o sinô­ni­mo” era um de­les. Ho­je sei e en­si­no meus alu­nos que não exis­te si­no­ní­mia per­fei­ta e que tu­do de­pen­de do con­tex­to. Na­que­la épo­ca nem que­ría­mos sa­ber dis­so. Car­ro era sinô­ni­mo de au­to­mó­vel e pron­to. Mes­mo que nun­ca na vi­da fôs­se­mos fa­lar “meu pai veio me bus­car na es­co­la ho­je de au­to­mó­vel”. E a ta­bu­a­da en­tão? Sem­pre na pon­ta da lín­gua, pron­ta pa­ra ser de­vol­vi­da quan­do o pro­fes­sor re­sol­ves­se “to­má-la”. Eu fui mui­to apli­ca­da e te­nho or­gu­lho dis­so, é cla­ro, mas ho­je, ao re­fle­tir so­bre co­mo fun­ci­o­na­va o en­si­no-apren­di­za­gem, cons­ta­to que o pro­ces­so era mui­to me­câ­ni­co. Sem au­las prá­ti­cas, sem la­bo­ra­tó­ri­os, sem tex­tos atu­ais que fu­gis­sem aos li­vros di­dá­ti­cos, tu­do ia sen­do di­ge­ri­do pe­la me­ni­na­da e re­gur­gi­ta­do nas pro­vas, aque­las com chei­ri­nho de ál­co­ol. Os li­vros da bi­bli­o­te­ca nos en­can­ta­vam, mas não me lem­bro de ter a opor­tu­ni­da­de de di­zer se ha­via gos­ta­do ou não da his­tó­ria. Lía­mos pa­ra, em se­gui­da, pre­en­cher mais ques­ti­o­ná­ri­os, com per­gun­tas ób­vi­as co­mo o no­me dos per­so­na­gens. Se a ma­nei­ra co­mo a es­co­la en­si­na­va es­ta­va er­ra­da? Creio que não. Creio que, pa­ra a for­ma co­mo a edu­ca­ção era en­xer­ga­da qua­se 40 anos atrás, a ins­ti­tui­ção cum­pria com o seu pa­pel. Mas, es­tan­do em sa­la de au­la co­mo pro­fes­so­ra há du­as dé­ca­das, ve­jo co­mo as trans­for­ma­ções do sé­cu­lo 21 trou­xe­ram des­van­ta­gens e de­sa­fi­os, mas tam­bém co­mo nos brin­da­ram com cri­an­ças e ado­les­cen­tes que, mes­mo ten­do as su­as di­fi­cul­da­des de or­ga­ni­za­ção e de con­cen­tra­ção, são mais ques­ti­o­na­do­res. Alu­nos que per­gun­tam, que que­rem sa­ber a apli­ca­ção do que es­tu­dam. É cla­ro que a cri­ti­ci­da­de e a cha­ti­ce an­dam la­do a la­do e uma li­nha tê­nue se­pa­ra das du­as, mas, com a aju­da de um adul­to res­pon­sá­vel e equi­li­bra­do, a me­ni­na­da po­de aproveitar to­da sua ener­gia da in­fân­cia e da ado­les­cên­cia pa­ra se­rem mais atu­an­tes no meio em que vi­vem. Pre­fi­ro ori­en­tar um alu­no a co­mo con­ter seus im­pul­sos e co­la­bo­rar pa­ra que ele sai­ba vi­ver em so­ci­e­da­de a ter que des­per­tar em um mor­no a von­ta­de de fa­zer a di­fe­ren­ça. Es­tu­dan­tes pas­si­vos, que acei­tam to­das as re­gras sem re­fle­tir so­bre elas e que ape­nas se pre­o­cu­pam com a no­ta, co­mo mui­tos de nós éra­mos, pa­re­cem um so­nho de con­su­mo, mas is­so é uma ilu­são. O bom mes­mo é con­vi­ver com o ga­ro­to que per­gun­ta “por quê?” e com a me­ni­na que quer com­pre­en­der pa­ra que ser­ve a aná­li­se sin­tá­ti­ca. O que faz a do­cên­cia va­ler a pe­na é ter em nos­sa sa­la de au­la um su­jei­to, se­ja ele de 10 ou de 15 anos, que não ape­nas obe­de­ce às nos­sas or­dens, mas que tam­bém sa­be do seu pa­pel. Eu ti­ve o meu va­lor co­mo alu­na e sei que tu­do que vi­vi en­tre 1980 e 1989 foi de­ci­si­vo pa­ra mi­nha vi­da pes­so­al, aca­dê­mi­ca e pro­fis­si­o­nal. Mas um pou­qui­nho mais de ou­sa­dia te­ria fei­to bem pa­ra mim. Uma ou­sa­dia que, mes­mo sem que­rer, foi su­fo­ca­da pe­los pro­fes­so­res. E é es­sa ou­sa­dia, equi­li­bra­da com bom sen­so, que ho­je ten­to es­ti­mu­lar em meus alu­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.