Ví­ti­mas ca­em em gol­pe e per­dem R$ 150 mil

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ -

Con­ven­ci­das de que os ho­mens com os quais tro­ca­vam con­fi­dên­ci­as e ju­ras de amor pe­la in­ter­net eram as pes­so­as ide­ais pa­ra ca­sar, du­as ma­rin­ga­en­ses aca­ba­ram per­den­do R$ 150 mil no cha­ma­do “gol­pe do amor”. Ex­tre­ma­men­te ca­ren­tes, elas não per­ce­be­ram que os apai­xo­na­dos con­fi­den­tes eram, na ver­da­de, gol­pis­tas em bus­ca de di­nhei­ro fá­cil. A Po­lí­cia Ci­vil diz que as du­as si­tu­a­ções ti­ve­ram en­re­dos di­fe­ren­tes, mas fi­nais se­me­lhan­tes.

Em um dos ca­sos, a ví­ti­ma re­la­tou que o gol­pe foi apli­ca­do em um si­te de re­la­ci­o­na­men­tos, no qual co­nhe­ceu um ho­mem que di­zia ser ca­na­den­se, viú­vo, re­si­den­te na Rús­sia, on­de tra­ba­lha­ria em uma pla­ta­for­ma de pe­tró­leo .

Ain­da de acor­do com a ví­ti­ma, com o pas­sar do tempo o ho­mem se de­cla­rou apai­xo­na­do e in­te­res­sa­do não ape­nas em ca­sar, mas tam­bém em in­ves­tir em imó­veis no Bra­sil. “Ele di­zia que já ha­via com­pra­do um anel de noi­va­do e que que­ria mui­to vir a Ma­rin­gá pa­ra me co­nhe­cer pes­so­al­men­te, que eu era a pes­soa da vi­da de­le”, re­la­tou ela.

Cer­ta de que re­ce­be­ria uma cai­xa con­ten­do to­das as eco­no­mi­as do na­mo­ra­do vir­tu­al, a ví­ti­ma aca­bou de­po­si­tan­do vá­ri­as so­mas em di­nhei­ro pa­ra qui­tar ta­xas de trans­por­te e im­pos­tos. Após re­ce­ber R$ 100 mil, o ho­mem dei­xou de fa­zer con­ta­to.

Em ou­tro ca­so se­me­lhan­te, uma ma­rin­ga­en­se dis­se ter co­nhe­ci­do o gol­pis­ta tam­bém em um si­te de re­la­ci­o­na­men­tos e foi con­ven­ci­da de que con­ver­sa­va com um bra­si­lei­ro que es­ta­va ser­vin­do ao Exér­ci­to dos Es­ta­dos Uni­dos na guer­ra do Afe­ga­nis­tão. Ao fi­nal, ela tam­bém acei­tou re­ce­ber uma cai­xa com to­das as eco­no­mi­as do fal­so sol­da­do e de­po­si­tou R$ 50 mil em con­tas ban­cá­ri­as re­pas­sa­das, se­gun­do ela, por um “di­plo­ma­ta”.

A po­lí­cia ad­mi­te que as chan­ces de iden­ti­fi­car os gol­pis­tas são re­mo­tas, mes­mo con­si­de­ran­do o fa­to de eles te­rem uti­li­za­do con­tas ban­cá­ri­as pa­ra re­ce­ber as so­mas. Em ge­ral, tra­tam­se de con­tas aber­tas com do­cu­men­tos fur­ta­dos ou rou­ba­dos, en­cer­ra­das após a con­cre­ti­za­ção dos gol­pes. Tam­bém são usa­dos “la­ran­jas”, ge­ral­men­te pes­so­as ca­ren­tes que em­pres­tam con­tas ban­cá­ri­as pa­ra de­pó­si­tos em tro­ca de uma pe­que­na quan­tia em di­nhei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.