Pe­rí­me­tro ur­ba­no não se­rá am­pli­a­do

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Luiz Fer­nan­do Car­do­so luiz­fer­nan­do@odi­a­rio.com

Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá diz que abrir áre­as de­man­da al­to in­ves­ti­men­to em equi­pa­men­tos pú­bli­cos Pre­fei­to apos­ta na re­vi­são do IPTU Pro­gres­si­vo, pre­vis­ta pa­ra 2018, pa­ra for­çar ocu­pa­ção

A ex­pan­são do pe­rí­me­tro ur­ba­no de Ma­rin­gá é des­car­ta­da pe­lo pre­fei­to Ulis­ses Maia (PDT) an­tes da re­vi­são do Pla­no Di­re­tor, pre­vis­ta pa­ra ocor­rer no ano que vem. O cres­ci­men­to da área pas­sí­vel de lo­te­a­men­tos é cri­ti­ca­do por es­pe­ci­a­lis­tas da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM).

A prin­ci­pal ale­ga­ção do che­fe do Exe­cu­ti­vo é de que a aber­tu­ra de no­vas áre­as de­man­da­ria al­to in­ves­ti­men­to em equi­pa­men­tos pú­bli­cos, co­mo uni­da­des de en­si­no e pos­tos de saú­de. “Mui­tos lo­te­a­men­tos fo­ram apro­va­dos lon­ge do pe­rí­me­tro ur­ba­no. Não que­re­mos is­so, por­que não é fá­cil equi­par (os no­vos bair­ros) com cre­che, es­co­las, pos­tos de saú­de e mais fun­ci­o­ná­ri­os”, ex­pli­ca Ulis­ses.

A es­tra­té­gia do pre­fei­to vai ao en­con­tro do que de­fen­de o Ob­ser­va­tó­rio das Me­tró­po­les – Nú­cleo da UEM: pri­o­ri­zar a ocu­pa­ção dos va­zi­os ur­ba­nos vi­zi­nhos a áre­as da ci­da­de com in­fra­es­tru­tu­ra com­ple­ta. “Es­ses va­zi­os aca­bam ele­van­do ain­da mais os pre­ços dos imó­veis em Ma­rin­gá”, diz.

Se­gun­do le­van­ta­men­to do Ob­ser­va­tó­rio das Me­tró­po­les, pu­bli­ca­do por O Diá­rio no úl­ti­mo do­min­go (10), ape­nas os dez mai­o­res va­zi­os ur­ba­nos no­ti­fi­ca­dos pe­la Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá pa­ra im­plan­ta­ção do Im­pos­to so­bre a Pro­pri­e­da­de Pre­di­al e Ter­ri­to­ri­al Ur­ba­no Pro­gres­si­vo no Tem­po (IPTU Pro­gres­si­vo) ocu­pam uma área de 253 al­quei­res ou 6,1 mi­lhões de m2.

Des­con­si­de­ran­do a per­da mé­dia de 35% da área lo­te­a­da, o par­ce­la­men­to dos dez gran­des va­zi­os po­de­ria ren­der até 9.949 da­tas de 400 m2, on­de po­de­ri­am ser cons­truí­das mais de 19 mil ca­sas ge­mi­na­das e um nú­me­ro ain­da mai­or de apar­ta­men­tos. “Es­sa per­da no lo­te­a­men­to com­pre­en­de ru­as, ave­ni­das, can­tei­ros cen­trais, cal­ça­das e equi­pa­men­tos pú­bli­cos”, ex­pli­ca Már­cio Car­mo­na, cor­re­tor de uma imo­bi­liá­ria.

Na ma­té­ria do úl­ti­mo do­min­go, O Diá­rio er­rou ao pu­bli­car que nes­sa área equi­va­le­ria a 15 mil da­tas de 400 m2 por não ter con­si­de­ra­do a per­da mé­dia de 35%.

A fer­ra­men­ta uti­li­za­da pa­ra for­çar es­sa ocu­pa­ção, diz Ulis­ses, é o IPTU Pro­gres­si­vo, que te­rá sua le­gis­la­ção apri­mo­ra­da pa­ra for­çar o gran­de pro­pri­e­tá­rio a par­ce­lar o ter­re­no su­ba­pro­vei­ta­do, sem pre­ju­di­car o pe­que­no pro­pri­e­tá­rio, que tem mo­ra­dia ou chá­ca­ra na área. “Vai pre­va­le­cer o in­te­res­se da ci­da­de, e não de lo­te­a­do­res, co­mo era an­tes”, diz o pre­fei­to.

Ma­cro­zo­na de ocu­pa­ção

O va­zio ur­ba­no vai mui­to além das dez gran­des áre­as ci­ta­das. A ci­da­de tem ho­je 430 al­quei­res sob no­ti­fi­ca­ção pa­ra par­ce­la­men­to e ou­tros 800 al­quei­res sem no­ti­fi­ca­ção. Es­tes cor­res­pon­dem aos ter­re­nos da cha­ma­da Ma­cro­zo­na de Ocu­pa­ção Ime­di­a­ta, si­tu­a­da em sua mai­o­ria nas zo­nas oes­te e sul e com pou­ca in­fra­es­tru­tu­ra ur­ba­na.

Ape­sar de con­cor­da­rem so­bre a ocu­pa­ção de va­zi­os ur­ba­nos, Ulis­ses e o Ob­ser­va­tó­rio das Me­tró­po­les di­ver­gem a res­pei­to da área da ma- cro­zo­na. En­quan­to o pre­fei­to en­ten­de que a ocu­pa­ção da ma­cro­zo­na ocor­re­rá na­tu­ral­men­te, o ob­ser­va­tó­rio de­fen­de que es­sa área, que in­clui par­te do en­tor­no do Ae­ro­por­to Sil­vio Na­me Jú­ni­or, só se­ja ocu­pa­da após o par­ce­la­men­to dos va­zi­os ur­ba­nos no­ti­fi­ca­dos des­de 2009.

“Es­tá fal­tan­do aos nos­sos ges­to­res pla­ne­jar a ocu­pa­ção da ma­cro­zo­na de qu­a­li­fi­ca­ção, que já tem to­da a in­fra­es­tru­tu­ra im­plan­ta­da. É pre­ci­so ocu­par es­sa área em vez de one­rar mais a ci­da­de (com lo­te­a­men­tos da ma­cro­zo­na)”, opi­na Ana Lú­cia Ro­dri­gues, pro­fes­so­ra da UEM e pre­si­den­te do Ob­ser­va- tó­rio das Me­tró­po­les.

Ulis­ses afir­ma não ha­ver ris­co de ocu­pa­ção da área vi­zi­nha à pis­ta do ae­ro­por­to, mas que os pro­pri­e­tá­ri­os do lo­cal pre­ci­sa­rão ser in­de­ni­za­dos.

“É uma área de 320 al­quei­res de­cla­ra­da de uti­li­da­de pú­bli­ca que não po­de ser lo­te­a­da”, ex­pli­ca o pre­fei­to.

—FO­TO: JC FRA­GO­SO

VA­ZI­OS. Ci­da­de tem, atu­al­men­te, 430 al­quei­res sob no­ti­fi­ca­ção pa­ra par­ce­la­men­to.

Se in­te­res­sou por es­te as­sun­to? Tem mais in­for­ma­ções so­bre es­ta ma­té­ria? Quer co­men­tar a re­por­ta­gem? Su­ge­rir uma pau­ta? Man­de um whats pra gen­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.