Fun­dos sim­ples ou ca­der­ne­ta, eis a ques­tão

O Diario do Norte do Parana - - SEU DINHEIRO ESPECIAL - Tom Mo­ro­o­ka Agên­cia Es­ta­do

An­tes de in­ves­tir, ava­lie a me­lhor op­ção com ju­ros bai­xos, lem­bran­do que hou­ve re­du­ção na Se­lic O cha­ma­do DI sur­giu co­mo por­ta de en­tra­da pa­ra as apli­ca­ções

O in­ves­ti­dor que tem di­nhei­ro em um fun­do sim­ples pre­ci­sa ava­li­ar o de­sem­pe­nho da apli­ca­ção à luz do ce­ná­rio de re­du­ção da ta­xa bá­si­ca de ju­ros, a Se­lic, que tem acha­ta­do o ren­di­men­to das apli­ca­ções de ren­da fi­xa. Es­sa pro­vi­dên­cia é im­por­tan­te pa­ra que não te­nha um ren­di­men­to me­nor que o da ca­der­ne­ta, tam­bém afe­ta­da pe­la re­du­ção dos ju­ros.

Os fun­dos sim­ples, uma ver­são mais sim­pli­fi­ca­da dos fun­dos DI, fo­ram cri­a­dos pa­ra com­pe­tir, em ren­ta­bi­li­da­de, com os pró­pri­os fun­dos DI, ou até subs­ti­tuí-los, e a ca­der­ne­ta. Eles sur­gi­ram co­mo op­ção de bai­xo ris­co e cus­to re­du­zi­do, so­bre­tu­do pa­ra os pe­que­nos in­ves­ti­do­res, co­mo por­ta de en­tra­da pa­ra o mun­do de ou­tras apli­ca­ções, fo­ra da tra­di­ci­o­nal poupança.

Co­mo o no­me su­ge­re, es­sa mo­da­li­da­de de fun­do é o mais sim­ples da fa­mí­lia dos fun­dos de in­ves­ti­men­to e po­de ren­der mais que a ca­der­ne­ta. E tam­bém me­nos, de­pen­den­do dos cus­tos co­bra­dos na apli­ca­ção. Por is­so, é pre­ci­so co­nhe­cer su­as ca­rac­te­rís­ti­cas e de­sem­pe­nho e com­pa­rá-los com a poupança pa­ra não fa­zer even­tu­al­men­te uma tro­ca equi­vo­ca­da.

Em um mo­men­to de re­du­ção dos ju­ros, pen­de a fa­vor dos fun­dos sim­ples a re­du­ção dos cus­tos do in­ves­ti­men­to com que eles vi­e­ram ao mer­ca­do, via eli­mi­na­ção de al­gu­mas exi­gên­ci­as bu­ro­crá­ti­cas. É a au­sên­cia des­ses cus­tos, des­de que res­pei­ta­da por ban­cos e cor­re­to­ras, que po­de fa­zer a di­fe­ren­ça em fa­vor dos fun­dos sim­ples.

Até por­que to­do o res­tan­te do pro­ces­so é idên­ti­co ao dos de­mais fun­dos de in­ves­ti­men­to, co­mo o DI e o de ren­da fi­xa. Quem in­ves­te em um fun­do sim­ples jun­ta seu di­nhei­ro com o de ou­tros in­ves­ti­do­res par­ti­ci­pan­tes que apli­cam com o mes­mo ob­je­ti­vo, ob­ter ren­ta­bi­li­da­de pa­ra o di­nhei­ro.

Um es­pe­ci­a­lis­ta, es­ca­la­do pe­lo ban­co ou cor­re­to­ra e cha­ma­do de ges­tor, é en­car­re­ga­do de ad­mi­nis­trar o bo­lo de re­cur­sos in­ves­ti­do pa­ra ge­rar ren­di­men­to aos apli­ca­do­res do fun­do.

O ges­tor de­ve apli­car no mí­ni­mo 95% do vo­lu­me de re­cur­sos em tí­tu­los pú­bli­cos. A mai­or par­te do di­nhei­ro é usa­da pa­ra a com­pra de Le­tras Fi­nan­cei­ras do Te­sou­ro (LFT), ver­são do Te­sou­ro Se­lic ne­go­ci­a­do pe­la in­ter­net no Te­sou- ro Di­re­to, tí­tu­lo pú­bli­co que ren­de a ta­xa Se­lic. É ine­vi­tá­vel, por­tan­to, que com a ta­xa bá­si­ca me­nor o ren­di­men­to do fun­do sim­ples tam­bém fi­que mais bai­xo. A Se­lic es­tá em 8,25% ao ano, no mo­men­to, e po­de fe­char 2017, pe­la pre­vi­são do mer­ca­do fi­nan­cei­ro, pró­xi­ma de 7%.

Ta­xa e tri­bu­ta­ção

O ges­tor não to­ma con­ta de gra­ça do fun­do. Por is­so o apli­ca­dor pa­ga uma ta­xa de ad­mi­nis­tra­ção a ele, sem dei­xar de en­tre­gar tam­bém a par­te do ren­di­men­to que ca­be ao Leão. Quan­to mais tem­po o di­nhei­ro fi­car apli­ca­do no fun­do, me­nor se­rá o im­pos­to.

O im­pos­to é cal­cu­la­do so­bre o ren­di­men­to, de for­ma es­ca­lo­na­da. As alí­quo­tas co­me­çam em 22,50%, pa­ra apli­ca­ção de até 180 di­as; cai pa­ra 20% (apli­ca­ção de 181 a 360 di­as); re­cua pa­ra 17,50% (apli­ca­ção de 361 a 720 di­as), e di- mi­nui pa­ra 15% (apli­ca­ção por pra­zo aci­ma de 720 di­as).

Com a ta­be­la re­gres­si­va de im­pos­to no fun­do sim­ples, é pos­sí­vel que quem apli­ca por pe­río­do cur­to, com res­ga­te em até seis me­ses, ob­te­nha ren­di­men­to mais in­te­res­san­te na ca­der­ne­ta. A poupança é isen­ta, di­fe­ren­te do fun­do sim­ples, que pu­ne com alí­quo­ta mais al­ta de im­pos­to de ren­da, de 22,50%, quem fi­zer res­ga­te an­tes de 180 di­as.

O in­ves­ti­dor não de­ve dei­xar ain­da de pes­qui­sar e es­co­lher ban­cos e cor­re­to­ras que obram ta­xas de ad­mi­nis­tra­ção bai­xas, de no má­xi­mo 0,5% ao ano, pa­ra apli­car em fun­do sim­ples. É pos­sí­vel en­con­trar ta­be­las com as ta­xas co­bra­das nos si­tes das ins­ti­tui­ções que ofer­tam es­ses fun­dos.

Es­pe­ci­a­lis­tas lem­bram que, es­pe­ci­al­men­te ban­cos, co­bram ta­xas de ad­mi­nis­tra­ção mais ele­va­das pa­ra vo­lu­mes de apli­ca­ção mais bai­xos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.