Sis­te­ma de vi­dros sal­va­dor

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL VEÍCULOS - Igor Ma­cá­rio Agên­cia Es­ta­do

O co­nhe­ci­do sis­te­ma de “um to­que” pa­ra aber­tu­ra e fe­cha­men­to dos vi­dros elé­tri­cos é um adi­an­to e tan­to a bor­do do car­ro. Mas seu mo­vi­men­to au­to­má­ti­co po­de re­pre­sen­tar ris­co pa­ra cri­an­ças, ani­mais pe­que­nos e até mes­mo adul­tos me­nos aten­tos.

Por is­so, os dis­po­si­ti­vos de su­bi­da au­to­má­ti­ca têm uma fun­ção que in­ter­rom­pe o mo­vi­men­to qu­an­do o vi­dro en­con­tra um obs­tá­cu­lo no ca­mi­nho, fa­zen­do-o re­tro­ce­der al­guns cen­tí­me­tros. O re­cur­so po­de ser­vir pa­ra vá­ri­os fins, co­mo evi­tar um de­do ma­chu­ca­do ou até mes­mo que uma cri­an­ça se en­for­que, ca­so co­lo­que a ca­be­ça pa­ra fo­ra du­ran­te o fe­cha­men­to da ja­ne­la.

O sis­te­ma é obri­ga­tó­rio no Bra­sil des­de o iní­cio des­te ano. To­dos os car­ros com vi­dros, te­to so­lar ou di­vi­só­ria in­ter­na com fe­cha­men­to por um to­que de­vem vir com o re­cur­so.

A re­so­lu­ção nº 468 do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Trân­si­to (Con­tran) de­ter­mi­na que o vi­dro de­ve pa­rar de su­bir an­tes que fa­ça uma for­ça su­pe­ri­or a 100 New­tons no obs­tá­cu­lo que en­con­trar.

Des­ta for­ma, o vi­dro po­de­rá fa­zer no má­xi­mo um “be­lis­cão” em de­sa­vi­sa­dos, mas não po­de se­quer fe­rir a pe­le do usuá­rio.

No tex­to da re­so­lu­ção do Con­tran tam­bém es­tá cla­ro que o sis­te­ma an­ti­es­ma­ga­men­to de­ve abrir a ja­ne­la em pe­lo me­nos 20 cen­tí­me­tros, de mo­do a per­mi­tir a co­lo­ca­ção de dis­po­si­ti­vo de res­ga­te ca­so al­gum ocu­pan­te fi­que pre­so no car­ro. O vi­dro tam­bém po­de re­tor­nar ao pon­to on­de a su­bi­da au­to­má­ti­ca co­me­çou ou se abrir por in­tei­ro au­to­ma­ti­ca­men­te, ca­so en­con­tre um obs­tá- cu­lo no ca­mi­nho.

Pa­ra o te­to so­lar, o sis­te­ma abri­rá o vi­dro sem­pre por in­tei­ro, pa­ra evi­tar ris­co de le­sões e pos­si­bi­li­tar a re­ti­ra­da da pes­soa (ou ani­mal) do vão do te­to.

Ou­tra exi­gên­cia do Con­tran é que os bo­tões de aci­o­na­men­to dos vi­dros se­jam do ti­po “pu­xe e em­pur­re” . O for­ma­to im­pe­de que o mo­vi­men­to de su­bi­da do vi­dro se­ja aci­o­na­do de for­ma aci­den­tal, co­mo no ca­so de um es­bar­rão, ou se uma cri­an­ça pe­que­na se ajo­e­lhar ou pi­sar no co­man­do. A pres­são pa­ra bai­xo fa­rá sem­pre a ja­ne­la se abrir e nun­ca se fe­char inad­ver­ti­da­men­te.

Tam­bém é exi­gi­do um bo­tão jun­to aos co­man­dos dos vi­dros do mo­to­ris­ta que in­ter­rom­pa o fun­ci­o­na­men­to dos co­man­dos tra­sei­ros. A me­di­da ser­ve pa­ra que o mo­to­ris­ta te­nha al­gum con­tro­le so­bre os bo­tões que es­te­jam fo­ra de seu al­can­ce fí­si­co e im­pe­ça seu aci­o­na­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.