Se­tor de au­tos ce­le­bra adeus à cri­se

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL VEÍCULOS - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­la@hot­mail.com

Se­tor co­me­mo­ra re­to­ma­da de em­pla­ca­men­tos Agos­to re­gis­trou ven­das aci­ma da mé­dia do mês

De ja­nei­ro a agos­to des­te ano, Ma­rin­gá ven­deu 429 veí­cu­los a mais que no mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do. É o pri­mei­ro sal­do su­pe­ri­or ao do ano an­te­ri­or des­de 2012. Em 2016, fo­ram em­pla­ca­dos 10.828 veí­cu­los, em 2017 são 11.257. Nem mes­mo a ca­pi­tal do Es­ta­do, Cu­ri­ti­ba, con­se­guiu es­se fei­to.

En­tre as qua­tro mai­o­res ci­da­des do Pa­ra­ná, os mu­ni­cí­pi­os de Pon­ta Gros­sa e Lon­dri­na ti­ve­ram re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos, en­quan­to São Jo­sé dos Pi­nhais e Cas­ca­vel ven­de­ram, res­pec­ti­va­men­te, 704 e 266 veí­cu­los a mais que no ano an­te­ri­or. O eco­no­mis­ta Joil­son Di­as, pro­fes­sor-dou­tor do cur­so de Eco­no­mia da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), afir­ma que os re­sul­ta­dos po­si­ti­vos do se­tor au­to­mo­ti­vo não são fa­to­res iso­la­dos. Na ver­da­de, a eco- no­mia lo­cal mos­trou os pri­mei­ros si­nais de re­cu­pe­ra­ção no iní­cio do ano, qu­an­do con­se­guiu o pri­mei­ro sal­do po­si­ti­vo em ge­ra­ção de em­pre­gos.

“As pes­so­as es­tão mais con­fi­an­tes em re­la­ção à ma­nu­ten­ção do em­pre­go e ren­da. Lo­go que sen­tem a es­ta­bi­li­da­de, vol­tam a con­su­mir”, ava­lia. O mo­vi­men­to po­si­ti­vo se es­pa­lha pa­ra ou­tros se­to­res: ban­cos dis­po­ni­bi­li­zam cré­di­to, o se­tor de imó­veis se mo­vi­men­ta e o co­mér­cio tam­bém.

A in­dús­tria se­gue em ou­tra di­re­ção, mas tam­bém de­ve ter um ano me­lhor, com mu­dan­ça de ce­ná­rio nos pró­xi­mos me­ses. A di­fe­ren­ça é que es­sa no­va pers­pec­ti­va vem, po­rém, em al­guns me­ses, atre­la­da à ló­gi­ca da sa­zo­na­li­da­de. No se­tor au­to­mo­ti­vo lo­cal, a mu­dan­ça foi evi­den­te. Os me­ses de ju­lho e agos­to fo­ram de es­treia de car­ro no­vo pa­ra o ad­vo­ga­do Ga­bri­el Gran­dis Ven­dra­me­to. A com­pra do veí­cu- lo foi pla­ne­ja­da com an­te­ce­dên­cia, mas fo­ram as con­di­ções fa­vo­rá­veis que o le­va­ram a fe­char a com­pra. A ex­pec­ta­ti­va era fa­zer a tro­ca até o fi­nal do ano. Em agos­to ele con­se­guiu.

“Eu sa­bia o que que­ria e quan­to po­dia pa­gar, en­con­trei as me­lho­res con­di­ções. Ofe­re­ce­ram mais de 10% à vis­ta, ne­go­ci­ei mais uma pe­que­na di­fe­ren­ça e con­se­gui pa­gar à vis­ta”, co­me­mo­ra.

Ape­sar de sa­tis­fei­to com a com­pra e o veí­cu­lo, Ga­bri­el te­ve que es­pe­rar três di­as pe­la apro­va­ção do ne­gó­cio na re­ven­da. Pa­ra quem en­ten­de do as­sun­to, es­se tem­po é um ris­co, por­que o cli­en­te po­de en­con­trar um ne­gó­cio me­lhor e a em­pre­sa per­de a ven­da. A equi­pe afi­na­da e uma es­tra­té­gia de ven­das ali­nha­da ao que o mer­ca­do pre­ci­sa aju­dou a equi­pe da ge­ren­te co­mer­ci­al Dul­ce Le­al Car­do­so a ter um ex­ce­len­te mês de agos­to. O po­der aqui­si­ti­vo dos cli­en­tes é mais al­to que a mé­dia, en­tão a em­pre­sa não sen­tiu tan­to os efei­tos da cri­se co­mo as mar­cas que aten­dem o seg­men­to po­pu­lar. En­tre­tan­to, ti­ra li­ções de um pe­río­do em que o vo­lu­me de ven­das fi­cou es­tá­vel.

No mês de agos­to, qu­an­do os cli­en­tes vol­ta­ram de­ter­mi­na­dos a fe­char ne­gó­ci­os, en­con­tra­ram um de­par­ta­men­to co­mer­ci­al dis­pos­to a ir lon­ge nas ne­go­ci­a­ções. “A gen­te se vol­ta pri­mei­ro à ne­ces­si­da­de do cli­en­te e pro­cu­ra aten­dê-la da me­lhor for­ma. Nes­se ti­po de ne­go­ci­a­ção, o que mais acon­te­ce é que os cli­en­tes sai­am da lo­ja com um veí­cu­lo de va­lor aci­ma da­que­le que es­pe­ra­vam com­prar”, diz.

Pa­ra Dul­ce, a ati­tu­de da equi­pe de ven­das con­ta mui­to. O mo­men­to é de se con­cen­trar em fe­char um bom ne­gó­cio pa­ra que es­se cli­en­te saia sa­tis­fei­to do co­me­ço ao fim. O pro­du­to se ven­de so­zi­nho, mas a ex­pe­ri­ên­cia faz di­fe­ren­ça. O pre­ço jus­to no usa­do, al­gu­ma fle­xi­bi­li­da­de ou no­vas for­mas de pa­ga­men­to, tu­do is­so in­cen­ti­va a com­pra.

“Nós pro­cu­ra­mos trans­mi­tir ao cli­en­te se­gu­ran­ça na com­pra, mos­trar as van­ta­gens. Nes­se seg­men­to o cli­en­te não dei­xou de com­prar, mas es­ta­va adi­an­do a com­pra. Veio pa­ra lo­ja, gos­tou e saiu de car­ro no­vo”, co­me­mo­ra a ge­ren­te co­mer­ci­al. A pers­pec­ti­va das mar­cas nes­sa épo­ca do ano é ze­rar os es­to­ques, uma opor­tu­ni­da­de pa­ra quem pro­cu­ra um ze­ro quilô­me­tro.

Pa­ra agi­li­zar as ven­das, a mai­o­ria das re­ven­das e con­ces­si­o­ná­ri­as ofe­re­ce con­di­ções atra­ti­vas, e op­ções de pa­ga­men­to di­fe­ren­ci­a­das tam­bém na li­nha 2017.

Amil­ton Ce­zar Do­ria é ge­ren­te de con­ces­si­o­ná­ria e diz que o “ne­gó­cio de oca­sião” é mes­mo atra­ti­vo. Além dis­so, até o fi­nal do ano o mer­ca­do au­to­mo­ti­vo de­ve con­ti­nu­ar aque­ci­do. “Acre­di­ta­mos que va­mos fe­char 2017 em me­lho­res con­di­ções que no ano pas­sa­do, mas, por en­quan­to, são as ofer­tas que es­tão atrain­do o cli­en­te. Em al­guns me­ses, ca­so o mo­vi­men­to con­ti­nue aque­ci­do, po­de­re­mos co­me­mo­rar”, ana­li­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.