Bo­as vi­bra­ções no mer­ca­do

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL MORADIA - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­la@hot­mail.com

Com seg­men­to re­si­den­ci­al em al­ta, es­ti­ma­ti­va é que o se­tor imo­bi­liá­rio de Ma­rin­gá ter­mi­ne o ano com até 6% de cres­ci­men­to Li­nhas de cré­di­to atra­ti­vas e in­fla­ção e ju­ros em que­da jus­ti­fi­cam o oti­mis­mo

A es­ti­ma­ti­va de cres­ci­men­to no se­tor imo­bi­liá­rio de Ma­rin­gá é de até 6% até em 2017, si­nal de que a pi­or fa­se da cri­se pa­re­ce ter pas­sa­do. A ten­dên­cia tam­bém se re­pe­te em ou­tras re­giões. Em São Pau­lo, nos seis pri­mei­ros me­ses de 2017, o se­tor cres­ceu qua­se 10%.

O oti­mis­mo do mer­ca­do é uma res­pos­ta a vá­ri­os fa­to­res: os ban­cos man­ti­ve­ram li­nhas de cré­di­to, fa­vo­re­cen­do quem faz com­pra fi­nan­ci­a­da; exis­te imó­vel dis­po­ní­vel pa­ra di­fe­ren­tes fai­xas econô­mi­cas; a in­fla­ção e a ta­xa de ju­ros es­tão em que­da e os va­lo­res de lo­ca­ção es­tão mais pró­xi­mos da re­a­li­da­de do lo­ca­dor.

De­le­ga­da do Con­se­lho Re­gi­o­nal dos Cor­re­to­res de Imó­veis em Ma­rin­gá (Cre­ci/PR), Marisa Ma­ru­ta­ka lem­bra que his­to­ri­ca­men­te os mo­men­tos de es­tag­na­ção econô­mi­ca têm co­me­ço, meio e fim.

Ape­sar do im­pac­to so­fri­do pe­la cri­se econô­mi­ca e, prin­ci­pal­men­te a cri­se po­lí­ti­ca, o Bra­sil po­de se re­cu­pe­rar. Uma mos­tra dis­so é que as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras não dei­xa­ram de ofe­re­cer li­nhas de cré­di­to, a in­fla­ção es­tá sob con­tro­le, en­tão as pes­so­as cor­rem pa­ra apro­vei­tar as opor­tu­ni­da­des. “Nós úl­ti­mos dois me­ses o cli­en­te es­tá mais oti­mis­ta, mas en­tre agos­to e se­tem­bro sen­ti­mos uma mu­dan­ça de ati­tu­de sig­ni­fi­ca­ti­va. Os pre­ços e a ofer­ta de imó­veis es­tão bons, quem tem di­nhei­ro quer fa­zer ne­gó­cio”, afir­ma. O seg­men­to re­si­den­ci­al é aque­ci­do por­que sem­pre há al­guém à pro­cu­ra de um lar. Es­tu­dar fo­ra, ca­sar ou se­pa­rar-se, au­men­tar a fa­mí­lia, tro­car a ca­sa pe­lo apar­ta­men­to ou vi­ce-ver­sa. O mer­ca­do com rit­mo mais len­to aju­dou a evi­tar que os pre­ços dis­pa­ras­sem, en­tão quem po­de, com­pra. “Nós per­ce­be­mos co­mo to­dos es­tão mais fle­xí­veis, quem ven­de, quem com­pra, quem alu­ga”, ana­li­sa a cor­re­to­ra de imó­veis Renata Pra­do.

A ven­da de imó­veis de in­ves­ti­men­to co­mo os ter­re­nos e sa­las co­mer­ci­ais, tam­bém mos­tra si­nais de re­cu­pe­ra­ção, po­rém em rit­mo mais len­to. Por ou­tro la­do, o mo­vi­men­to na área de lo­ca­ção cres­ceu mui­to. A ofer­ta de imó­veis e a que­da do po­der aqui­si­ti­vo da po­pu­la­ção dei­xa­ram uma li­ção im­por­tan­te: quem anun­cia o imó­vel com pre­ço re­al, alu­ga rá­pi­do. Mui­tos pro­pri­e­tá­ri­os que an­tes pre­fe­ri­am dei­xar o imó­vel fe­cha­do a ni­ve­lar o pre­ço, têm vol­ta­do atrás. “Não se tra­ta de bai­xar o va­lor do alu­guel, os pre­ços são cal­cu­la­dos de acor­do com a re­a­li­da­de de mer­ca­do”, ava­lia. Por uma boa opor­tu­ni­da­de, o cli­en­te que tem di­nhei­ro em cai­xa co­lo­ca a mão no bol­so, mas fi­ca mais cau­te­lo­so em épo­ca de ins­ta­bi­li­da­de. A ofer­ta de imó­veis no seg­men­to de al­to pa­drão é equi­li­bra­da, en­tão, sem­pre há pro­cu­ra.

“Pas­sa­mos pe­la cri­se com um vo­lu­me de ne­gó­ci­os equi­li­bra­do. Nos úl­ti­mos di­as, o rit­mo mu­dou, co­me­çou a ace­le­rar e a ex­pec­ta­ti­va é que es­se au­men­to con­ti­nue até de­zem­bro”, afir­ma o cor­re­tor de imó­veis Sid­ney Fer­rei­ra Go­mes.

—FO­TO: JC FRA­GO­SO

ALU­GA-SE. O mo­vi­men­to na área de lo­ca­ção es­tá aque­ci­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.