UM MÊS SEM CHU­VA

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ -

Com tem­pe­ra­tu­ra mé­dia de 26°C e 37,5% de umi­da­de do ar, Ma­rin­gá te­ve um avan­ço de quei­ma­das nes­te mês. Fo­ram 80, qua­se oi­to ve­zes mais que em 2016, quan­do, en­tre 1º e 18 de se­tem­bro, o Cor­po de Bom­bei­ros so­mou 11 ocor­rên­ci­as.

A fal­ta de cons­ci­en­ti­za­ção am­bi­en­tal apa­re­ce co­mo cau­sa do pro­ble­ma e a pre­fei­tu­ra en­fren­ta di­fi­cul­da­de pa­ra en­con­trar os res­pon­sá­veis, por is­so, a pu­ni­ção, ape­sar de pre­vis­ta em lei, ra­ra­men­te sai do pa­pel.

O te­nen­te Di­o­go Za­ne­la­to Ra­mos, do 5º Gru­pa­men­to do Cor­po de Bom­bei­ros, ex­pli­ca que, to­dos os anos, che­ga­da a épo­ca mais se­ca, a cor­po­ra­ção se pre­pa­ra pa­ra um mai­or nú­me­ro de in­cên­di­os em ve­ge­ta­ção, dis­po­ni­bi­li­zan­do uma vi- atu­ra extra e dei­xan­do uma equi­pe sem­pre de pron­ti­dão.

Em in­cên­di­os su­per­fi­ci­ais, o Cor­po de Bom­bei­ros faz o con­tro­le em cer­ca de 20 mi­nu­tos e des­ta­ca que os pró­pri­os mo­ra­do­res po­de­ri­am li­dar com a si­tu­a­ção, li­be­ran­do a equi­pe pa­ra ca­sos mais gra­ves. Já em gran­des quei­ma­das, o ser­vi­ço po­de du­rar de cin­co a seis ho­ras. “Com a ques­tão da se­ca, têm mui­to mais fo­lhas cain­do. Em vez de jo­gar fo­ra, o po­vo quer se li­vrar co­lo­can­do fo­go. (…) To­da a umi­da­de que es­tá na ve­ge­ta­ção aju­da o fo­go a não se pro­pa­gar. Sem ela, se alas­tra mui­to rá­pi­do”, res­sal­ta Za­ne­la­to.

Se fal­ta edu­ca­ção am­bi­en­tal pa­ra a co­mu­ni­da­de, so­bra “es­per­te­za” pa­ra evi­tar o fla­gran­te. Os mo­ra­do­res es­co­lhem, ge­ral­men­te, ter­re­nos bal­di­os dos quais não são os do­nos ou ain­da pú­bli­cos, co­mo fun­dos de va­le.

Se­gun­do o ge­ren­te de Fis- ca­li­za­ção Am­bi­en­tal da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal do Meio Am­bi­en­te (Se­ma), Eri­val Ador­no, há mui­ta di­fi­cul­da­de na iden­ti­fi­ca­ção dos res­pon­sá­veis.

Es­te ano, a ge­rên­cia re­ce­beu 236 re­cla­ma­ções via Ou­vi­do­ria da pre­fei­tu­ra, das quais 97 fo­ram apu­ra­das. Em 91 de­las, não foi pos­sí­vel apon­tar o cul­pa­do. Nas ou­tras seis, eles só fo­ram iden­ti­fi­ca­dos por­que o fo­go ocor­reu den­tro de seus quin­tais.

A Se­ma emi­tiu no­ti­fi­ca­ções e ori­en­tou-os a não re­pe­ti­rem a prá­ti­ca, sob pe­na de mul­ta de R$ 106, va­lor do­bra­do a ca­da rein­ci­dên­cia. “A gen­te pe­de pa­ra to­da de­nún- cia, se pos­sí­vel, iden­ti­fi­car o pos­sí­vel in­fra­tor pa­ra que te­nha­mos um tra­ba­lho mais efi­ci­en­te, pa­ra que se pos­sa fa­zer uma abordagem a es­sa pes­soa e ori­en­tá-la”, co­men­ta Ador­no.

Em se­tem­bro, a Defesa Ci­vil tem si­do aci­o­na­da de uma a du­as ve­zes por dia de­vi­do a in­cên­di­os am­bi­en­tais. O co­or­de­na­dor Adil­son Cos­ta ori­en­ta que a quei­ma­da não é a me­lhor op­ção, tan­to pa­ra lim­pe­za qu­an­to pa­ra es­pan­tar in­se­tos.

No ca­so das fo­lhas, elas de­vem ser co­lo­ca­das em sa­cos plás­ti­cos pa­ra que as equi­pes da co­le­ta de li­xo fa­çam a des­ti­na­ção.

Os mo­ra­do­res tam­bém têm usa­do o fo­go pa­ra afas­tar in­se­tos, es­pe­ci­al­men­te es­cor­piões. Po­rém, Cos­ta ex­pli­ca que a so­lu­ção é a lim­pe­za, com a re­ti­ra­da de en­tu­lhos dos quin­tais, es­pe­ci­al­men­te re­sí­du­os da cons­tru­ção e ma­dei­ra. O in­ver­no che­ga­rá ao fim, na sex­ta-fei­ra (22), em meio a uma lon­ga es­ti­a­gem. Ho­je, Ma­rin­gá com­ple­ta um mês sem chu­va. Há ex­pec­ta­ti­va de mu­dan­ça no tem­po a par­tir do iní­cio da pró­xi­ma se­ma­na, po­rém so­men­te com pan­ca­das iso­la­das na re­gião nor­te do Pa­ra­ná. Sem pre­ci­pi­ta­ções, a mé­dia da umi­da­de do ar nes­te mês es­tá em 37,5%, se­gun­do o Sis­te­ma Me­te­o­ro­ló­gi­co do Pa­ra­ná (Si­me­par). O ín­di­ce es­tá abai­xo do ra­zoá­vel es­ta­be­le­ci­do pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (de 60%). A mé­dia his­tó­ri­ca é 58%. Se­tem­bro não es­tá ape­nas mais se­co, tam­bém mais quen­te. A tem­pe­ra­tu­ra usu­al do mês é 22,2°C, qua­se 4°C a me­nos que a re­gis­tra­da atu­al­men­te, de 26°C. Na sex­ta-fei­ra pas­sa­da, o ca­lor atin­giu seu au­ge: 36,1°C. O Si­me­par guar­da um his­tó­ri­co de 101 mi­lí­me­tros de chu­vas pa­ra se­tem­bro, mas o mês já es­tá qua­se no fim e na­da de água. “Es­ta épo­ca do ano, a gen­te sa­be que cho­ve me­nos. (…) O di­fe­ren­ci­al es­te ano é a si­tu­a­ção de sequên­cia lon­ga, vá­ri­os di­as de es­ti­a­gem”, ex­pli­ca o me­te­o­ro­lo­gis­ta Fer­nan­do Men­don­ça Men­des. Uma fren­te fria que se apro­xi­ma no fim de se­ma­na de­ve, en­fim, que­brar o blo­queio at­mos­fé­ri­co e pro­vo­car chu­vas nos úl­ti­mos di­as. Pa­ra a pri­ma­ve­ra, a ex­pec­ta­ti­va é de re­to­ma­da do vo­lu­me pró­xi­mo do nor­mal. /// PA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.