A dor que ma­ta

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

A in­for­ma­ção é do Co­mi­tê de Pre­ven­ção do Sui­cí­dio da Se­cre­ta­ria de Saú­de de Ma­rin­gá: em 2016, fo­ram no­ti­fi­ca­dos na ci­da­de 369 ten­ta­ti­vas de sui­cí­dio. De­zoi­to de­las não fo­ram ape­nas ten­ta­ti­vas; hou­ve a con­cre­ti­za­ção do ato. Es­sa in­for­ma­ção as­sus­ta por­que, por trás dos nú­me­ros, há his­tó­ri­as de vi­da. E im­pos­sí­vel fi­car sa­ben­do des­ses ca­sos e não nos per­gun­tar­mos “por quê?” Não ape­nas pa­ra sa­ber o que fez es­sas pes­so­as aten­ta­rem con­tra si mes­mas, mas pa­ra com­pre­en­der por que elas não vi­am mais gra­ça em vi­ver. Aos olhos de qu­em tem me­do da mor­te e gos­ta­ria de che­gar aos 100 anos, pa­re­ce coi­sa de “gen­te lou­ca” pen­sar em se ma­tar. Mas, in­fe­liz­men­te, es­sa si­tu­a­ção ex­tre­ma é mais co­mum do que se ima­gi­na e não tem a ver com lou­cu­ra, qu­em sa­be até se­ja o con­trá­rio. Qu­em co­gi­ta se ma­tar po­de es­tar mui­to lú­ci­do. E é jus­ta­men­te a lu­ci­dez que a apa­vo­ra. A cons­ci­ên­cia ple­na das agru­ras da vi­da e a fal­ta de co­ra­gem pa­ra en­fren­tá-las. A pró­xi­ma ví­ti­ma po­de es­tar bem per­to de nós. Nes­ta se­ma­na, por exem­plo, fi­quei sa­ben­do pe­las re­des so­ci­ais de mais dois ca­sos: um ra­paz de 25 anos e uma me­ni­na de 13. Ele era de Ma­rin­gá e ela, de Sa­ran­di. Não sei se acon­te­ce com to­do mun­do, mas, quan­do ve­jo ma­ni­fes­ta­ções de lu­to no Fa­ce­bo­ok e per­ce­bo que o mo­ti­vo da mor­te foi es­se, aca­bo olhan­do a pá­gi­na da pes­soa e ten­tan­do fa­zer uma re­fle­xão a par­tir das su­as pos­ta­gens. Das his­tó­ri­as que acom­pa­nhei até ago­ra, a mi­no­ria tra­zia men­sa­gens pes­si­mis­tas ou que su­ge­ris­sem qual­quer in­ten­ção de pôr fim à pró­pria vi­da. A mai­o­ria tra­zia pos­ta­gens apa­ren­te­men­te co­muns. Mú­si­cas, pi­a­das, fotos com os ami­gos, co­men­tá­ri­os en­gra­ça­dos. To­da­via, no fun­do, to­dos sa­be­mos que nem sem­pre a ale­gria que se mos­tra no mun­do vir­tu­al cor­res­pon­de ao que se vi­ve no mun­do re­al. A coi­sa mais fá­cil do mun­do é cons­truir um per­so­na­gem nas re­des so­ci­ais. Um per­so­na­gem que es­tá sem­pre bem, que não se aba­la com a opi­nião alheia, que sa­be o que quer pa­ra sua vi­da. A coi­sa mais fá­cil e tam­bém mais do­lo­ro­sa. Sim, por­que de­ve do­er mui­to fa­zer ca­ra de con­ten­te quan­do por den­tro a al­ma gri­ta, quan­do a al­ma es­tá do­en­te. Mas, aos olhos e ou­vi­dos de mui­tos, in­clu­si­ve de al­guns pro­fis­si­o­nais da saú­de, as do­res emo­ci­o­nais não pas­sam de fres­cu­ra. Pa­re­ce que só as fe­ri­das do cor­po são tra­ta­das com aten­ção. As da al­ma são ne­gli­gen­ci­a­das. É tris­te sa­ber que is­so ain­da acon­te­ce, ape­sar de to­da a in­for­ma­ção que se tem so­bre a de­pres­são e a sín­dro­me do pâ­ni­co, por exem­plo. Quan­do o des­ca­so vem de al­guém que es­tu­dou pa­ra cui­dar da saú­de das pes­so­as, a ques­tão tor­na-se mais gra­ve. No pas­sa­do, mui­tos pa­de­ce­ram des­sas do­en­ças e cer­ta­men­te não ti­ve­ram, nem da fa­mí­lia nem dos mé­di­cos, o res­pei­to ne­ces­sá­rio ao seu dra­ma. Ho­je a si­tu­a­ção é di­fe­ren­te, até por­que exis­tem di­ver­sos tra­ta­men­tos pa­ra com­ba­ter es­ses ma­les, mas ain­da per­ce­bo cer­to des­dém quan­do o as­sun­to são os pro­ble­mas emo­ci­o­nais. De­vo con­fes­sar que as do­res da al­ma me as­sus­tam mais, tal­vez por­que se­jam mais di­fí­ceis de ser di­ag­nos­ti­ca­das. Aliás, pa­ra que o di­ag­nós­ti­co acon­te­ça, é pre­ci­so bus­car aju­da e há qu­em ain­da sin­ta cer­to cons­tran­gi­men­to em, por exem­plo, mar­car uma con­sul­ta com um psi­qui­a­tra ou ad­mi­tir que ne­ces­si­te de um re­mé­dio tar­ja pre­ta. Quan­do se tra­ta de um ado­les­cen­te a si­tu­a­ção fi­ca mais com­pli­ca­da. Pre­o­cu­pa­do com a opi­nião dos ami­gos, ele po­de es­con­der su­as in­qui­e­ta­ções e até re­cu­sar tra­ta­men­to. So­ma­da a is­so vem a fal­ta de sen­si­bi­li­da­de da fa­mí­lia, que, mes­mo aman­do, po­de ne­gli­gen­ci­ar um pe­di­do de so­cor­ro. Por is­so, pre­ci­sa­mos sim es­tar aten­tos aos si­nais que pos­ta­gens nas re­des so­ci­ais po­dem sim­bo­li­zar, mas, prin­ci­pal­men­te, pre­ci­sa­mos per­ce­ber os si­nais vin­dos das pes­so­as que es­tão pró­xi­mas a nós. No meu ca­so, meus fi­lhos e alu­nos. Aque­les que ve­jo to­dos os di­as, aque­les que pos­so abra­çar to­dos os di­as, com qu­em pos­so con­ver­sar to­dos os di­as. Pre­ci­so aju­dar aque­le jo­vem cu­jo olhar se en­con­tra com o meu to­dos os di­as. Se pos­so co­la­bo­rar es­cre­ven­do, co­mo fa­ço ago­ra? Cla­ro que sim. Mas na­da subs­ti­tui a ca­pa­ci­da­de de per­ce­ber a dor do pró­xi­mo que es­tá mes­mo pró­xi­mo a mim. Fa­lar so­bre sui­cí­dio é do­lo­ro­so? Sim. Fi­ca­mos mal quan­do sa­be­mos que pais e mães per­de­ram seus fi­lhos des­sa for­ma tão trá­gi­ca? Sim. Evi­tar o te­ma vai aju­dar qu­em so­fre? Não! Afi­nal, a ques­tão é com­ple­xa, mas uma con­clu­são é sim­ples: qu­an­to me­nos dis­cu­tir­mos, mais vai acon­te­cer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.