O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Em 1981, Ri­dley Scott já ti­nha no cur­rí­cu­lo “Os Du­e­lis­tas” e “Ali­en” o Oi­ta­vo Pas­sa­gei­ro”. Sua li­vre adap­ta­ção de Phi­lip K. Dick – “Do An­droids Dre­am of Elec­tric She­ep?” -, que re­sul­tou em “Bla­de Run­ner, o Ca­ça­dor de An­droi­des”, cus­tou US$ 28 mi­lhões, nu­ma épo­ca em que os or­ça­men­tos mi­li­o­ná­ri­os co­me­ça­vam a vi­rar nor­ma em Hollywo­od. A ex­pec­ta­ti­va de um me­ga êxi­to frus­trou-se, mas, em com­pen­sa­ção, al­go se pas­sou. O fil­me deu ori­gem a um cul­to. A vi­são de­ca­den­te do fu­tu­ro de Los An­ge­les, se­gun­do Scott, se­du­ziu le­giões. Em 1992, a ver­são do di­re­tor fi­nal­men­te ob­te­ve o ple­no re­co­nhe­ci­men­to.

Exis­te to­da uma bi­bli­o­gra­fia so­bre os bas­ti­do­res de “Bla­de Run­ner”. Har­ri­son Ford não en­ten­dia o con­cei­to, vi­via às tur­ras com o di­re­tor e, pa­ra com­ple­tar, Ford - Han So­lo!, um no­tó­rio la­di­es man – não se bi­ca­va com Se­an Young, que fa­zia a re­pli­can­te. Odi­a­vam-se. Con­tra tu­do is­so, ou po­de ser que por tu­do is­so, cri­ou-se o mi­to do fil­me. Exa­ta­men­te 36 anos de­pois, sur­ge “Bla­de Run­ner 2049”, em car­taz a par­tir de ho­je nos ci­ne­mas.

O ori­gi­nal pas­sa­va-se em Los An­ge­les, 2019. Ago­ra, 30 anos de­pois, um no­vo bla­de run­ner es­tá ca­çan­do an­droi­des na ci­da­de. Ca­çar não é bem o ter­mo. Ele os “apo­sen­ta”. Nes­se fu­tu­ro ain­da mais de­ca­den­te, su­ce­de­ram-se as re­vol­tas de re­pli­can­tes. De ca­ra, K/Ryan Gos­ling é mos­tra­do em ação. Ten­são, vi­o­lên­cia.

Apo­sen­ta­do o re­pli­can­te, a mis­são com­pli­ca-se com a des­co­ber­ta de uma cai­xa. Ne­la es­tá a pis­ta pa­ra o mis­té­rio do no­vo fil­me. Há uma cri­an­ça es­pe­ci­al, um mi­la­gre. Foi pa­ri­da por uma an­droi­de, fi­lha de um hu­ma­no. Vil­le­neu­ve - “Quan­do me pro­pu­se­ram o fil­me, mi­nha pri­mei­ra re­a­ção foi di­zer não. Gos­to tan­to do ori­gi­nal... Mas jus­ta­men­te por gos­tar tan­to, não po­de­ria dei­xar que ou­tro f... com o que vi­rou tão im­por­tan­te no ima­gi­ná­rio co­le­ti­vo. E dis­se sim.”

A his­tó­ria atraiu-o, e mui­to. O te­ma do cri­a­dor e da cri­a­tu­ra, que ele cha­ma de “te­ma de Fran­kens­tein”. “Mas não te­ria acei­ta­do, se não me as­se­gu­ras­sem to­da li­ber­da­de. Fiz o fil­me que que­ria. Sor­ry, mas se não es­ti­ves­se sa­tis­fei­to não po­de­ria cul­par nin­guém.”

“A Che­ga­da”, no ano pas­sa- do, foi a pri­mei­ra fic­ção ci­en­tí­fi­ca de De­nis Vil­le­neu­ve. “Sem­pre gos­tei mui­to do gê­ne­ro. Per­ten­ço a uma ge­ra­ção que via fan­ta­si­as fu­tu­ris­tas pa­ra ten­tar en­ten­der o mun­do. ‘2001’ (de Stan­ley Ku­brick) é um dos fil­mes da mi­nha vi­da. Mas eu não en­con­tra­va o meu viés, a his­tó­ria que que­ria con­tar. ‘A Che­ga­da’ mar­cou es­se com­pro­me­ti­men­to.”

E “Bla­de Run­ner 2049?” “Não sei se vo­cê es­ta­rá de acor­do com o que vou di­zer, mas es­se fil­me en­glo­ba to­dos os que fiz an­tes - ‘In­cên­di­os’, ‘O Ho­mem Du­pli­ca­do’, ‘Si­cá­rio’, ‘A Che­ga­da’. É um fil­me so­bre lem­bran­ças, du­plos, po­der, lin­gua­gem e co­mu­ni­ca­ção.”

O te­ma do cri­a­dor e da cri­a­tu­ra? “É vis­ce­ral. Pos­sui di­men­são mí­ti­ca, bí­bli­ca. O an­te­ri­or já ti­nha. O re­pli­can­te cra­va­va o pre­go na pró­pria mão. O sa­cri­fí­cio per­meia os dois fil­mes. O que vem pa­ra li­de­rar, pa­ra li­ber­tar.”

Vil­le­neu­ve ad­mi­te que to­mou mui­tas li­ber­da­des com o con­cei­to vi­su­al de Ri­dley Scott. Acha que foi mais fi­el ao sco­re. “Nun­ca vi al­guém que, gos­tan­do de ‘Bla­de Run­ner’, não re­ve­ren­ci­as­se a tri­lha de Van­ge­lis, in­cluin­do a fai­xa ‘ One Mo­re Kiss, De­ar’, pe­la New Ame­ri­can Or­ches­tra. Com Johann Johans­son e Han Zim­mer, pro­cu­ra­mos uma so­no­ri­da­de gran­di­o­sa, ma­jes­to­sa, mas na­da dis­so fa­ria sen­ti­do sem o es­sen­ci­al. A me­lan­co­lia. Pa­ra mim é o te­ma de ‘Bla­de Run­ner 2049’. Não fa­lo da me­lan­co­lia so­men- te co­mo te­ma mu­si­cal, mas co­mo con­cei­to.”

An­droi­des so­nham com car­nei­ros elé­tri­cos? As me­mó­ri­as são re­ais ou im­plan­ta­das? Es­se te­ma da me­mó­ria es­tá sem­pre pre­sen­te em Phi­lip K. Dick - “O Vin­ga­dor do Fu­tu­ro”. Ago­ra – o uni­cór­nio de pa­pel su­ge­ria que Dec­kard/Ford era an­droi­de? O ca­va­lo de ma­dei­ra com da­ta, pe­lo con­trá­rio, hu­ma­ni­za K?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.